Resenha #358 - Menina Má - William March


Título: Menina Má
Autor(a): William March
Editora: Darkside Books
Páginas: 272
Nota: 4/5

Mais tarde foi ao quarto da filha acordá-la. O cômodo estava vazio e, de tão arrumado, dava a impressão de que não era usado há tempos. A cama estava perfeitamente arrumada, a penteadeira encontrava-se impecável, com cada objeto em seu devido lugar, posicionado no ângulo de sempre.
Não sei como começar esta resenha, porque foi um livro que ansiei imensamente ler e a leitura fluiu bem, apesar de esperar um pouco mais da história. 

Para quem ainda não sabe a história deste livro, foi lançada originalmente em 1954 e este livro se transformou em  um grande sucesso, de forma bem forte mesmo. Foi uma coisa quase que imediata. Para a época, o livro foi polêmico, violento e completamente assustador.  Este livro foi de tanto sucesso que foi para os palcos na Broadway e depois virou filme. 

Eu não conhecia o autor e confesso que gostei muito do estilo de sua escrita. Parece-me que este foi o único livro dele que chegou neste patamar de sucesso, então sem mais delongas, vamos a resenha.

Rhoda, uma criança bonita, extremamente educada, observadora é a nossa pequena protagonista da história. Quem a olha jamais imagina do que ela capaz, pois com seu rostinho de anjo ela engana a todos a sua volta, mas até quando? Rhoda é calculista, ela consegue sair bem em seus planejamentos, mas será que isso permanecerá no escuro para todos? 
Os adjetivos mais usados por todos ao falar de sua filha eram "singular", "modesta" ou "tradicional"; e a sra. Penmark, de pé no umbral, sorriu, concordando e imaginando de onde a menina poderia ter herdado sua compostura, seu asseio, sua autossuficiência fleumática.
Mãe é mãe. Ela conhece seus filhos. Ela sabe do que eles são capazes e sabe até onde eles podem chegar, mas também quando se ama, as vezes algumas coisas passam despercebido e ai o caos pode acontecer.

Christine, mãe da garota, sempre a observou. Sempre soube que ela era uma criança peculiar. Que era fechada e muito madura para a sua idade. Mas, depois que um amiguinho de sua escola sofreu um acidente, Christine, começou a se questionar. Será que ela seria uma péssima mãe em desconfiar, nem que fosse por um segundo que sua filhinha seria capaz de tal ato? De ser a responsável pela morte deste garoto?

A partir dai, Christine, começa a pesquisar. Ela lê livros e documentos que fala sobre crimes e psicopatia. E aos poucos os acontecimentos vão tomando forma e os segredos vão aparecendo, e ela descobre muito mais do que podia imaginar. Sua filha não era o que aparentava e seu passado também não.
"Eu sei que, no fundo, você está muito triste, minha linda".
Rhoda encaixou uma peça do quebra-cabeça em seu devido lugar e então, voltando-se para a mãe, disse, em tom surpreso: "Não sei do que você está falando, mãe. Não sinto nada".
Eu achei que não fosse gostar da história, porque quando comecei imaginava algo totalmente diferente, porém achei algo bem diferente - desculpem a confusão rs. Sim fala-se de Rhoda, nossa menina má, mas em minha sincera opinião, a sua mãe foi a grande destaque do enredo.

William, escreve muito bem. Ele fala da personalidade intrigante da garota. Ele mostra em pequenos detalhes como ela age e o porque ela toma as suas ações. Ela tem um controle  de dar inveja e a forma como ela conduz as situações que vão aparecendo ao longo da história, é de impressionar. Nunca tinha visto nada parecido nos livros que já li desta temática. Muitas vezes, durante a leitura, eu fechava meus olhos e pensava, como esta criança é fria. Não é possível que nada a abale, que nada a afete e que ela não sinta as coisas que faz.

De qualquer forma terminei a leitura embasbacada e entendi o conflito  gerado quando o livro foi publicado. Para época seria uma loucura - pensando bem em qualquer época - uma criança ter esse tipo de sentimentos e fazer essas atrocidades a sangue frio e não sofrer nenhum tipo de abalo. Eu fiquei transtornada com o final. Eu me coloquei no lugar da mãe de Rhoda e entendi sua aflição e seus medos, com tudo que estava vivendo, mas William, foi muito além do que eu imaginei e quando eu achei que tudo tinha acabado, os acontecimentos, mostram onde o destino está e Rhoda, aparece completamente intacta e pronta para continuar sendo esta garota fria e calculista.

Em certos momentos eu me senti culpada por sentir a vontade de enforcar a menina pelas suas ações e outras vezes, eu quis abraçar Christine e dizer que a entendia. Eu tive vários sentimentos com a leitura deste livro e fiquei bem impressionada com tudo.



A diagramação do livro é perfeita, como todos os livros da Darkside. Eles fazem um trabalho exemplar em todas as suas edições. As vezes, sinto que quero todos os livros, até o que não pretendo ler, só por pura ostentação, porque eles são todos lindos, a gente chega nas livrarias e ficamos enlouquecidos. 

Os capítulos iniciam-se com o nome do autor, o título e o desenho de uma tesoura. A capa é bem desenhada e as entradas das contracapas estão perfeitas. Não encontrei erro de revisão e as folhas são grosas, mas não deixa o livro pesado. São amareladas e com uma fonte do tamanho médio. Ou seja, o livro é lindo demais. E a história bem escrita e desenvolvida. Recomendo demais a leitura.

"Não mãe. Nem sei do que está falando".
"Por favor, Rhoda! Chega de charme, chega de atuação. Nós nos entendemos perfeitamente. Vamos ser honestas uma com a outra de agora em diante. Você sabe muito bem do que estou falando".
Rhoda deu uma risadinha. [...]
Xero no coração de todos!!!

14 comentários

  1. Oi, Di!
    Realmente em 1954 um livro com esse tema só poderia ser polêmico. Se hoje ainda é, imagina naquela época.
    Todo mundo comenta bem sobre ele, mas ainda não bateu aaaaqueeelaaa vontade de ler...
    Beijos
    Balaio de Babados
    Sorteio Três Anos do blog A Colecionadora de Histórias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lu, te entendo. Eu ganhei este livro no ano passado de um admirador secreto que até hoje não descobri quem é haha... Mas só agora me bateu a vontade de ler, e achei o momento certo. Espero que o seu não demore rs. Xero!

      Excluir
  2. Oi Diana! Eu não li Menina Má, mas adorei vc dizendo que queria esganar a garota hehehehehe acho que posso entender! E a edição da Darkside está linda mesmo!! Adorei a resenha

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mi... tive vontade de fazer isso algumas vezes... nunca tinha visto uma criança com um ar frio e sem sentimento com esta e nem quero haha.

      Excluir
  3. A Darkside arrasa muito na edição, né? Eu vi esse livro uma vez na livraria e fiquei babando pela capa haha. Ainda não li, mas amei a resenha! A história parece ser de tirar o fôlego, acho que ia me sentir agoniada várias vezes se eu lesse com a frieza da menina.
    Um beijão,
    Gabs | likegabs.blogspot.com ❥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gabs, me senti assim algumas vezes. Essa menina me tirou a paciência que a mãe dela tentava sobrepor, mas não foi fácil. Xero!

      Excluir
  4. Falar sobre as edições da Darkside é até repetitivo, pois são todas muito bonitas e bem trabalhadas! Eu li esse livro ano passado, e confesso que fiquei bem surpreso com o enredo. Eu esperava que Rhoda fosse uma assassina em série e como sabemos, ela não é rsrsr O grande foco da narrativa , como você disse, é a mãe dela que tem que lidar com essa questão da filha. Encontramos nesse livro um terror mais psicológico do que físico , e essa foi uma surpresa muito agradável pra mim. Espero reler em breve! Beijos do Wes ^^

    ResponderExcluir
  5. Oie amore,

    Esse livro está em minha lista de desejos a algum tempo já, parece ser um livro bem intenso.
    Ao ler sua resenha fiquei ainda mais curiosa por essa leitura.
    Sentiu vontade de enforcar a menina... ai quero ainda mais ler kkkk

    Beijoka!

    ResponderExcluir
  6. Oi Diana, tudo bem?

    Esse é o tipo de livro que divide opiniões. Já vi muitas pessoas elogiando, como também já vi algumas falando bem mal. Imagino que na época em que ele foi publicado tenha causado um grande alvoroço, pois a sua trama não é nada fácil. Não sei se teria coragem de ler a obra, me sinto muito medrosa e ainda mais o fato da personagem ser uma criança me deixaria apreensiva. É um livro que mexe com a mente e não me acho nesse momento forte o suficiente para ler. Acho que teria uma reação parecida com a sua, ora querendo esganá-la, ora querendo confortá-la. Adorei a resenha e a edição da darkside está linda, como sempre!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Oi Diana, adorei a resenha...já faz tempo que quero ler essa obra, mas como ando sem dindim ele tá na minha lista de desejados ainda :(

    O tema é bem polêmico e causou muito burburinho na época de lançamento.

    Adorei as imagens que você colocou na postagem.

    Abraços

    ResponderExcluir
  8. Oii, tudo bem?

    Já vi tantas resenhas positivas desse livro, que quero muito lê-lo. Ele já está na minha lista há um bom tempo. Quero entender mais sobre a garota e ver o desenrolar do mistério. Parabéns pela resenha!

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Oi Diana,
    Também sou megaaa fã de HP!!! Desde que começou eu devorei todos os livros e assisti todos os filmes mais de cem vezes (e olha que não estou exagerando haha) Com certeza fez parte da minha infância!!

    Blog Entrelinhas
    Instagram @blog_entrelinhas

    ResponderExcluir
  10. Oi Di, sua linda, tudo bem?
    Não tem como não lembrar do filme Anjo Mau. Sabe, eu entendo porque o enredo foi tido como violento, assustador. Pois quem de nós consegue imaginar que uma criança seria capaz de atos cruéis? Na realidade sabemos que isso acontece, mas não é fácil de aceitar e não queremos ser aqueles que teremos que punir essas crianças para impedir que elas continuem agindo assim. E o pior de tudo é quando é seu próprio filho. Qual mãe aguentaria? Não vejo a hora de ler esse livro, acho que também ficarei muito impressionada, personagens frios e calculistas me dão arrepios!!! Adorei sua resenha!!!
    beijinhos.
    cila.

    ResponderExcluir
  11. Oi, adorei a sua resenha. Me fez relembrar de sentimentos que tive quando li o livro. Deixa eu confessar uma coisa: eu tenho uma curiosidade mórbida por crianças criminosas. Já vi alguns documentários. Sempre que vemos um crime queremos encontrar a motivação, queremos entender o porque a pessoa fez o que fez, mas quando crianças cometem crimes, em muitos casos, as motivações são bobas e a crueldade é alta. De certa forma algumas descrevem o ato com “gostaria de ver como era” ou “queria descobrir qual era a sensação”. Eles tem a consciência de certo ou errado, mas não se importam com elas. Por essa razão esse livro foi bem incômodo, e todo o questionamento de Christine sobre sua filha me fez pensar no que eu faria no lugar dela e a conclusão que cheguei foi a a de que eu não sei o que faria. É um livro assustador a sua maneira e concordo com vc que é um clássico merecido.

    ResponderExcluir

Bem vindo ao blog Minhas Escrituras...
Fique a vontade para comentar aqui a sua opinião pessoal, sempre com respeito é claro!!! ;)
Você pode deixar o link de seu blog, que faço a retribuição com o maior prazer, mas não retribuo em postagens de promoção, ou seja, não comento.
Mensagem pra pedir que siga o blog, são automaticamente deletadas. Comenta no blog e deixa o link,farei uma visita no seu ok.
Quero agradecer a vocês que passam por aqui e deixam suas marquinhas, isso é muito importante... sintam-se a vontade...
Xero!