Resenha #390 - A Garota das Sapatilhas Brancas - Ana Beatriz Brandão


Título: A Garota das Sapatilhas Brancas
Autor(a): Ana Beatriz Brandão
Editora: Verus
Páginas: 182
Nota: 5/5

Sempre achei engraçado o fato de as pessoas usarem a expressão "azul como o céu". Quer dizer... não é que seja mentira, mas será que elas se esquecem de que o céu na verdade muda de cor todo dia? Do azul para o laranja. do laranja para o salmão. do salmão para o roxo, depois para o azul-marinho, e para o laranja mais uma vez. Além da infinidade de tons entre cada uma dessas cores. (Daniel)
Este é o segundo livro que leio da Ana. Ela é uma menina prodígio que começou a escrever muito cedo e teve seu primeiro livro lançado aos 14 anos na bienal de São Paulo, em 2014. Sombra de Um Anjo, foi seu livro de estréia e desde então, Ana não parou mais. 

Em A Garota das Sapatilhas Brancas, conhecemos um pouco mais do personagem Daniel. Em uma espécie de Spin Off, conhecemos um pouco mais dos pensamentos dele com relação a sua vida e como foi conhecer Melissa.

Dono de um enorme coração, Daniel Lobos vive a sua vida plenamente. Ele divide seu tempo com a música e as causas sociais. Ele é um garoto simples e completamente voltado para o amor ao próximo. Dono de sentimentos raros, o seu caminho cruza com o de Melissa  e tudo na sua vida não será o mesmo. Melissa vai trazer para a sua vida as cores que faltava para preenchê-lo e ele a salvará da escuridão. 

Como isso vai acontecer, só lendo o livro. Porque em O Garoto do Cachecol Vermelho, conhecemos pela visão de Melissa tudo como aconteceu, mas lendo este livro, você terá uma visão ampla de todos os pensamentos do Daniel, o que ele sentiu e como foi conquistá-la. 

Não dá para falar muito, porque posso contar spoiler do primeiro livro para quem não leu. Só sei que a Ana me surpreendeu com sua escrita delicada e envolvente. As vezes acho que foi alguém com muita experiência de vida que escreveu. Porque as descrições dos sentimentos, eram tão críveis que preencheu meu coração de alegria e tristeza. De paz e turbulência. Mas principalmente de muito amor. 

Eu amo o personagem Daniel, ele me encantou, ensinou, emocionou, trouxe reflexão para a minha vida e conseguiu conquistar o meu coração. Quando eu soube que este livro seria narrado por ele na maioria dos capítulos, eu quase chorei de tanta alegria. Porque foi um verdadeiro presente. Dani Dani é o meu vândalo favorito e ele sempre permanecerá no meu coração. Sempre que eu pensar nele, além de me trazer força e alegria de viver, vai transformar minha escuridão nas cores mais bonitas em forma de luz. 
-Se existe uma coisa de que eu tenho certeza é como uma simples melodia pode nos fazer sentir tão livres e felizes quanto o amor, que é o sentimento mais poderoso do mundo. 

A diagramação é bem simples, mas a capa além de retratar bem o enredo apresentado é linda demais. Eu babo nela todas as vezes que pego este livro. Dá vontade de ficar agarrada com ele para sempre haha. Não me recordo de erros de revisão. As folhas são amareladas e com fonte em tamanho médio. Confortável aos olhos e com uma leitura de fácil entendimento. No livro acontece algumas narrativas de outros personagens, mas o Daniel protagoniza a maioria delas. 

Este livro foi escrito para te emocionar, mas também para te fazer refletir. A  nossa vida é tão frágil, que não podemos perder tempo com reclamações, mas devemos vivê-la como se fosse o último, porque daqui há um minuto além de já ser passado, a gente não sabe se estará vivo. 

Vamos valorizar a simplicidade e as pequenas coisas. Vamos valorizar as grandezas e o crescimento. Vamos mentalizar mais positividade no nosso dia a dia. Porque já são tantas coisas ruins acontecendo, que não podemos e nem devemos perder tempo com lamentações e desculpas. 

Esse livro merece sim ser lido. Eu recomendo demais. Eu tinha que falar um pouco dele para vocês, para que vocês possam sentir um pouco do que eu senti ao lê-lo. 
Cada um de nós é tipo um quebra-cabeça, com muitas peças diferentes que se encaixam perfeitamente para formar a nossa essência. Uma pecinha dessas, ou uma característica, não exclui a outra. Nós precisamos de todas as partes para sermos completos. [...]Ninguém é perfeito para todo mundo. Nem eu, nem você, nem os seus amigos, nem os meus.
Um xero no coração de todos. <3

Livros lidos até a página 100 #36 - Fuck Love


*Primeira frase da página 100:

O pessoal do grupo começa a compartilhar um cigarro de maconha.

*Do que se trata o livro?

A história fala de Helena e seus sentimentos e as mudanças que acontecem em sua vida. Ela se apaixonou de uma maneira inusitada. Mas o motivo tem uma explicação. Ela tem um sonho. Esse sonho é lúcido e feliz. Ela tem uma vida que jamais imaginou. Está bem sucedida, tem filhos e tem um amor. De primeiro momento ela não liga, mas depois conforme as coisas vão acontecendo ela vai fazendo algumas comparações e fica complicado não se envolver, aliá isso vai acontecendo, mesmo contra a sua vontade. Porque é complicado? Porque se fosse qualquer outro homem, as coisas poderiam caminhar de maneira natural e branda. Mas não, Helena sonha com o namorado de sua melhor amiga e se vê em uma sinuca de bico, quando as coisas começam a fugir de controle.

*O que está achando até agora??

Estou amando, estou viciada. Queria sentar e ler tudo de uma vez, mas não posso e cada vez que preciso parar de ler é uma tortura.

*O que está achando da protagonista?

Eu gosto de Helena, mesmo que algumas vezes eu queira bater nela. Ela é simples, mas é dependente. Ela se importa demais com a opinião da amiga e faz tudo o que ela quer, quase sem uma identidade e vontades. Mas ela é uma delícia de pessoa. Ela tem uns pensamentos insanos e muito parecidos com meu modo de pensar e ver algumas coisas. Mas o livro vai falando de sua transformação, então ainda tem muita coisa para acontecer.

*Vai continuar lendo?

Sim, porque não tem como simplesmente pensar em parar. O livro é uma gostosura de ler. Cada vez mais apaixonada.

*Melhor quote até agora:
-Se é assim, então em que somos iguais?
-Nós dois estávamos em busca de algo que fosse verdadeiro. Algumas vezes, a verdade de uma pessoa é o amor de outra.
*Última frase da página:

-Precisamos conversar, Helena. Mas não aqui. Ela está me observando.


Bom pessoas é isso, espero que tenham curtido a premissa da história. Logo trago a resenha, mas eu precisava compartilhar meu sentimento de amor por esta leitura e nada melhor que esta tag.

Um xero!

Parceria: Jean Valens

Olá pessoas, tudo bem?

Hoje eu venho com mais uma parceria fechada no blog. Atualmente estamos fechando parceria apenas de leitura e quando o livro nos chama muita atenção para ler, ou quando está dentro de nosso tema de leitura, o que não impede do blog divulgar o trabalho do autor. 

Nascido em 2 de Setembro de 1990 em Goiânia-GO, Jean Valens Veloso Rodrigues começou a escrever a historia de Darkham em 2010, época que ainda cursava Direito na PUC/GO. Conforme o tempo passou, o roteiro de sua obra evoluiu até que pudesse chegar a este 1 volume da obra.
Sua inspiração veio através de alguns quadrinhos como The Punisher, Batman, Pulp Fiction (O Aranha, Besouro Verde e O Sombra) e filmes do gênero.
Hoje Jean Valens é Advogado graduado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC/GO), Contador graduado em Ciências Contábeis pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), Especialista em Planejamento Tributário pela Universidade Federal de Goiás (UFG), Membro da Comissão de Direito Tributário (C.D.T.) da OAB-GO, Membro da Comissão de Advocacia Jovem (CAJ) da OAB-GO, Integrante do Movimento de Acompanhamento das Causas Contábeis de Goiás (MACCGO), Articulista, Palestrante e Escritor.


Quando a Lei não consegue mais combater o crime, talvez umvigilante possa fazer toda a diferença. Isso é o que ocorre em Hollandon, umaimportante cidade para assuntos internacionais e, amplamente, considerada asegunda capital cultural do mundo. Nela, acompanhamos a história de Jack
Lewis, um empresário e vigilante, perseguido por agentes corruptos da Agênciade Inteligência Centralizada (A.I.C.). Ele é incriminado por um assassinato eisso o leva a fugir das autoridades. Enquanto tenta provar sua inocência, não
pode deixar de dar suporte a cidade na figura de Darkham, um vigilantehonesto em meio a uma cidade corrupta e inescrupulosa. Sua jornada não será fácil, ainda mais quando Royal King quer ver o vigilante morto. King ainda
designa Frank Tupelo, seu braço direito, a uma missão crucial para sua organização. Entretanto, quando o caminho de Tupelo cruza com o de Darkham, vidas são perdidas

Redes Sociais:
Skoob | 
Onde comprar:
Amazon | Saraiva |

Espero que tenham curtido, até a próxima!!! Um xero! 

Resenha #389 - O Desafio de Ferro - Holly Black & Cassandra Clare


Título: O Desafio de Ferro
Autor(a): Holly Black e Cassandra Clare
Editora: #irado
Páginas: 384
Nota: 4/5

O Inimigo era um grande mago. Talvez fosse até mesmo o melhor deles. Só que enlouqueceu. Ele queria viver para sempre e acordar os mortos.
Oie, tudo bem com vocês?

A resenha que trago hoje foi uma leitura que posso dizer que foi uma montanha russsa de sensações positivas e negativas.

Eu comecei esse livro com uma expectativa nas alturas, por ser um livro de duas autoras com o qual eu já tive leituras felizes, principalmente se tratando da Cassandra.

A estória começa muito bem com o término de uma guerra, onde um mago desesperado tenta encontrar sua esposa e seu filho recém nascido dentro de uma caverna com dezenas de mortos. Infelizmente sua esposa está morta e seu bebê chora compulsivamente por estar com uma das perninhas quebradas. 

E o que deixa o mago mais intrigado, é o recado que sua esposa deixou.
MATE A CRIANÇA!
Os anos se passam e o bebê - Callum Hunt é um garoto que vive arrumando encrencas na escola, ele sofre constante bulling por mancar devido a perna que machucou quando pequeno, sofreu diversas e diversas cirurgias, mas mesmo assim tem grandes sequelas. Ele foi criado pelo seu pai como humano e foi condicionado a ficar afastado da magia, pois a magia é destrutiva, a magia é mortal.
O pai de Call não aprovava roubos.
Segundo ele, isso era tão ruim quanto magia.
Acontece que por mais que Callum tenha sido criado sem nenhum contato com a magia, por ela estar em seu sangue ele é obrigado a passar para as provas para entrar no Magisterium, para o primeiro ano da escola que é chamado de Desafio de Ferro. Ele tenta ao máximo não passar nos testes, pois se for reprovado pode voltar a sua vida normal, e realmente o garoto tem as piores notas, mas mesmo assim... ele é selecionado.

Dentro da escola, Call se torna amigo de seus dois parceiros de turma Tamara e Aaron, e eles passam por aulas monótonas (que se resumem a fazer levitação com grãos de areia) por mais um mês e foi ai que eu quase desisti desse livro.

Parando um pouco de falar sobre a história para explicar o que quis dizer com "montanha russa de sentimentos positivos e negativos". Vejamos bem: Estamos falando de um livro de magos que são selecionados para ir para uma escola de magia para desenvolver suas habilidades... o que vem na mente de vocês? Obviamente: Harry Potter. Não é segredo para ninguém que a Cassandra é uma grande fã dos livros do HP e começou a escrever fazendo fanfics exatamente sobre o Harry. E foi impossível para mim ler esse livro sem fazer comparações - eu sinceramente achei muito arriscado por parte das autoras se aventurar neste mundo. Por mais que as estórias sejam totalmente diferentes, a base é a mesma. 

Ocorre alguns acontecimentos no livro mais adiante que voltou a prender minha atenção, que foi a insistência do pai do Call de tirá-lo da escola, mandando cartas ao professor responsável, implorando até mesmo para que interditassem a magia dele, e isso acabou me deixando um pouco mais curiosa. O que achei mais interessante é que o Call é o protagonista, mas não é digamos que o "mocinho salvador da pátria". Isso é cena para outro personagem do livro. 

O que sentimos a todo o momento sobre o Call é: Qual é o real sentido dele no livro?
Se algum dia você já confiou em mim, se já sentiu alguma lealdade (...) você precisa interditar a magia de Callum até o fim do ano.
E legal citar que os alunos são ensinados a mexer com os elementos fogo, água, ar e terra. Existe também o elemento do caos, mas este é raro entre os bruxos e eles não utilizam de objetos para mexer com a magia, ela é feita com o desenvolvimento mental deles.

Tudo está indo muito bem, Call que no começo tinha uma vontade enorme de fugir acaba gostando da escola e entra em conflito devido a todos os conselhos que recebeu do pai, e isso acaba de novo sendo monótomo porque não acontece nada de muito interessante no livro, fora alguém que se machuca ali, um animal estranho que aparece aqui, um aluno implicante ali, um shipizinho sem graça, e por ai vai.
Call começou a temer o fim do ano, quando o pai queria que ele voltasse para casa em definitivo. Ele tinha amigos pela primeira vez na vida, amigos que não o achavam muito estranho nem o consideram um ser de outro mundo por causa de sua perna. E ele tinha a magia.
Ao final do livro aproximadamente nas últimas 100 paginas o livro esquenta (e eu acabei terminando em um dia), pois o mau que em outrora fez tantas vitimas dá indicio que quer voltar, e os magos que viviam em um longo período de paz veem que as coisas não serão mais fáceis.

O final teve uma reviravolta bastante interessante, e eu gostei muito da forma que a vida do Call foi conduzida. Ele termina com um gostinho de quero mais e nos deixa cheio de questionamentos, mas enfim eu dei uma nota 4 já que não tem como colocar uma nota quebrada no Skoob pensando em 3,5.

Talvez eu dê continuidade a leitura (é uma saga de cinco livros), mas se eu não curtir o segundo irei desistir dos próximos.
"Tem alguma coisa errada comigo?"
"Existe algo de perigoso em mim?"
Em relação a diagramação a capa é bem infanto-juvenil, mas é bem condizente com a história, as páginas são amareladas e a letras grandes, deixando o livro bem grosso, porém ele não é pesado. E não notei nenhum erro de revisão.


Espero que gostem e até a próxima resenha.
O fogo quer queimar. A água quer fluir. O ar quer se erguer. A terra quer unir. O caos quer devorar.

Suas Escrituras - É assim que você perde uma mulher forte - Luiza Fletcher

Olá pessoas, tudo bem?

Hoje eu venho com mais um texto da coluna Suas Escrituras. Gostaria de postar com mais frequência, mas infelizmente não tenho recebido textos. Quando dá, eu vou garimpando pela net e vou achando. Este texto eu vi no face de minha amiga Verônica e gostei tanto, que resolvi trazer.

Imagem retirada do google.

 É assim que você perde uma mulher forte
por Luiza Fletcher.

Você perde uma mulher forte por não dizer “Olá” para ela. Ela pode ser diferente, única, intimidadora, fascinante, mas não há nada mais doloroso do que perder uma mulher forte por não ter a chance de se apresentar a ela.

Você perde uma mulher forte jogando duro para consegui-la. Uma mulher forte não tem tempo para perseguir outras pessoas, porque está perseguindo seus sonhos. Ela não está buscando perder tempo com alguém que não quer realmente perder seu tempo com ela. Ela não está sendo rude, não está sendo arrogante, está apenas protegendo seu coração. Ela já foi ferida outras vezes antes, por isso não a perca antes mesmo de tê-la.

Você perde uma mulher forte escondendo suas emoções. Ela não acha que você é forte porque engarrafa tudo. Ela acha que você é mais bonito quando não tem medo de se expor e ser humano. Ela não quer adivinhar como se sente, quer estar imersa em tudo o que tem para oferecer. Ela é muito profundamente conectada à vida, e precisa de alguém que também seja.

Você perde uma mulher forte tratando-a como uma mulher, e não como a força da natureza que ela é. 

Uma mulher forte sabe que é igual, poderosa, e que pode mover montanhas sem a ajuda de ninguém. 

Uma mulher forte não é necessariamente uma feminista dominadora, mas sabe o seu valor e suas capacidades, e não vai deixar ninguém tirar isso dela. Ela também sabe quando está sendo aproveitada por ser mulher.

Você perde uma mulher forte desprezando-a. Uma mulher forte trabalhou infinitamente para construir sua autoestima, sua carreira e seus relacionamentos. Ela não vai ficar por alguém que não vai ficar por ela.

Você perde uma mulher forte, desrespeitando-a. Ela sabe o que significa o silêncio e comentários de revés. Ela sabe respeitar a si mesma, e não tolerará ninguém que não possa.

Então não perca esta mulher forte, que pode estar ao seu lado agora, ou aquela mulher forte que você até admira, mas não se aproxima. Não perca aquela mulher forte que é sua amiga e quer te ver bem. Não perca aquela mulher forte que sorri e traz luz aos dias mais nublados. Enfim não perca aquela mulher forte, que encara de frente os obstáculos e está junto com você e não apenas ao seu lado.  (palavras minhas)

Se você tem um texto, poesia, frases inspiradoras de sua autoria e queira dividir com o blog e os demais leitores, podem me enviar um e-mail, que irei postar com os devidos créditos. E-mail: diana.canaverde30@gmail.com. Assunto: Suas Escrituras.

Um xero!!!

Tag #47 - Desafio Literário

Oieee, tudo bem com vocês?

Trago hoje uma tag que vi no Facebook: Devorando Livros que achei super legal e resolvi responder aqui no blog

Um livro com mais de 500 páginas = A Noite Maldita 


Um livro que tenha virado filme = Cidades de Papel 


Que contenha números no título = Saga Dezesseis Luas 


Que seja escrito por uma mulher = Montanha da Lua 


Que tenha sido publicado esse ano = Piano Vermelho 


Que o título tenha apenas uma palavra = Silo 


Que você tenha comprado apenas pela capa = Corte de Espinhos e Rosas 


Que se passe durante o natal = Cadê Meu Pai? 


Que tenha sido adaptado para a TV = Saga Instrumentos Mortais 


Que relembre a sua infância = O Escaravelho do Diabo 



Que tenha sido recomendado por um amigo = Jantar Secreto 


Já tenha te feito chorar = O Guardião 


Uma trilogia = Divergente


E ai, já leram algum dessa lista? Se sim, comentem aqui se gostaram ou não.

Beijos e até a próxima.

Resenha #388 - Identidade Fantasma - Marcelo Siqueira e Ricardo Valverde.


Título: Identidade Fantasma
Autor(a): Marcelo Siqueira e Ricardo Valverde
Editora: Novo Século
Páginas: 288
Nota: 5/5 

Mas como viver sozinho em Itirapina e também não enlouquecer?
Oie galera, tudo bem com vocês?

Hoje venho com mais um dica de leitura nacional e ela será uma resenha em dueto junto com a Di.

Como de costume a parte que eu (Verônica) vou escrever ficará em vermelho e da Di em roxo.

Este é o meu primeiro contato com a escrita de Marcelo e Ricardo. Identidade Fantasma, tem sido meu desejo de altas expectativas. Desde o dia que a capa foi revelada, em um evento se não me engano no mês de Julho, na semana do livro nacional em sampa. Desde então, fiquei no pé dos autores aguardando ansiosamente pelo lançamento. Acabou que eu e a Verônica, fomos prestigiá-los, sem os livros, porque não chegaram a tempo haha. Mas quando eu comecei a ler, gente sério. Foi uma loucura, porque simplesmente não consegui parar. O vício foi tanto, que li em dois dias. 

Identidade Fantasma é um Thriller psicológico que mescla fantasia, mistério e terror. Nele, nos é apresentado três personagens principais: Dani, um rapaz que está preso no presidio de Itirapina, por tentar salvar uma garota que era agredida por um policial, mas que tem sua pena elevada por ter sido acusado de um assassinato que não cometeu.
- Mãe, a minha nova pena aqui em Itirapina é de 60 anos.
Tom, colega de cela de Dani, preso por ter matado seu padrasto e que constantemente vive em uma dimensão paralela, dentro de uma floresta cheia de perigos.
- Você fala? - Tom indagou, ainda sem acreditar que estava diante de um coelho encardido, falante, que vestia um chapéu surrado e um colete de couro. 
E César, advogado de Dani, que tenta elucidar o mistério sobre a sua prisão e soltar seu cliente.
- E como pretende fazer isso, doutor César?
- Encontrando a loira que Dani tentou salvar após o show de rock.
Identidade Fantasma, foi um livro que no mesmo dia que retirei já iniciei a leitura, mas eu não tinha a intenção de lê-lo por completo naquele momento, porque já estava lendo outro livro. Foi mais uma curiosidade de leitora ansiosa, em ler os primeiros capítulos para conhecer um pouco a estória, porém simplesmente não consegui parar a leitura. Você quer saber como Dani vai sobreviver aos ataques que recebe no presidio e no hospício, entender o que se passa na mente perturbada do Tom e resolver ao enigma junto com César, ao finalizar esta leitura, ela me deixou de queixo caído e eu fiquei refletindo sobre as peças do quebra cabeça que eu não cheguei nem perto de solucionar. 


Cada um com sua personalidade, cada um com sua forma de ver o mundo e as coisas ao seu redor. O que será que eles tem em comum? O que os aproximam? 

Eu fiquei impressionada com esta narrativa. Não sei como Marcelo e Ricardo conseguiram montar este quebra cabeça. O que sei que eles souberam desenvolver muito bem os personagens e nos envolver no enredo cheio de suspense e sua dose de terror. 

Quanto mais eu lia, mais a minha vontade de descobrir o que estava por trás do suspense crescia. Fiquei imaginando como foi para os dois autores se concentrar e seguir com este projeto, para que ele saísse tão amarrado e sem pontas soltas. A medida que as partes finais iam chegando, juro pra vocês, que o frio da minha barriga aumentava e não de medo, mas de pura ansiedade. Porque por mais que eu tenha desconfiado de algumas coisas, os autores, souberam me enganar e me levar para outro caminho surpreendente. Eu me apaixonei.


Concordo com a Di, após finalizar a leitura eu fiquei ainda por algumas horas refletindo os detalhes que passei despercebido, ou até mesmo em situações que me deixavam intrigada e que ao final fizeram todo o sentido. Sem sombras de dúvidas este foi um dos melhores livros que li esse ano!

Ricardo e Marcelo, poderiam aproveitar essa sintonia, e nos brindar com mais histórias viciantes e deliciosas de se ler. Eles estão de parabéns e para quem gosta desta temática, eu recomendo demais a leitura.



A diagramação do livro está simples, mas a capa é linda e condizente com a história. As folhas são finas, amareladas e leves. A fonte de um tamanho maior que o normal, o que facilitou e muito a leitura do livro, que se deu de maneira rápida. Os capítulos são narrados em terceira pessoa, mas voltado ao personagem citado no inicio. As páginas são marcadas com números grandes e com um desenho que faz parte do tema do livro. Não me recordo de ter encontrado algum erro de revisão.

Identidade Fantasma não mexe somente com a mente dos personagens, ele mexe com a nossa também. E eu ainda estou pensando nos acontecimentos. Este livro me fez pensar sobre a mente humana e como ela pode ser benéfica, quanto traiçoeira. 
Na verdade, custou digerir o que acabara de ouvir. Seu inferno, enfim, começaria ao entrar na traseira daquele camburão.
Um xero e até a próxima!
Beijinhos ❤

Resenha #387 - Piano Vermelho - Josh Malerman


Título: Piano Vermelho
Autor(a): Josh Malerman
Editora:  Intríseca
Páginas: 320
Nota: 3/5 

A pergunta não é que você encontrou... mas o que encontrou você.
Olá, tudo bem com vocês?

Trago hoje minha ultima leitura, que é o novo lançamento do autor Josh Malerman, autor também do livro Caixa de Pássaros (Resenha).

O livro narra dois tempos, presente e passado, dentro da década de 40. Onde somos apresentados a estória de Philip.

No presente, Philip acorda em uma cama de hospital e já é comunicado pelo médico, que ele está se recuperando de extensas fraturas que teve no corpo inteiro. Ele estava em coma há seis meses. Philip se recorda de tudo o que viveu, mas não quer compartilhar isto com ninguém.
As perguntas virão.
E, quando vierem, que parte Philip vai poder contar?
Que parte vai revelar?
No passado, entendemos o motivo pelo qual Philip se encontra neste situação. Ele e seus amigos fazem parte de uma banda, que em outrora, era a banda do exército. Eles são convidados a retomar ao exército, em uma missão misteriosa para o deserto da Africa, afim que encontrar a localização de um som. 
- Do que se trata?
- É um som.
Ross sorri. Mas não é um sorriso agradável.
- Ah, que merda, Philip - retruca suando. Qual o problema de ouvir um som.
O que é mais estranho de tudo isso é que esse som tem o poder de fazer as pessoas passarem mal, a ponto de vomitar as entranhas. Mas mesmo sendo testados a esse som e vendo o quanto ele é sinistro, por 1000.000,00 dólares os rapazes resolvem aceitar a oferta, e quando é tarde demais descobrem que o som tem o poder de desativar armas também, entre outros.

Temos também capítulos em que somos apresentados a visão dos fatos por Ellen, a enfermeira que cuidava diariamente de Philip e é bastante importante para a estória. Ellen percebe que Philip tem uma melhora anormal em seu quadro, mexendo dedos e falando bem mais rápido do que o esperado para um homem que teve praticamente todos os ossos do corpo quebrados. Seu contato com Philip, passa do profissional para o pessoal rapidamente, trazendo um romance ao livro, romance aliás bem morno que poderia ter ficado só na amizade.

Eu sinceramente gostei do personagem da Ellen, pois ela deu a cara a tapa e tentou descobrir, mesmo sem recursos, os motivos pelos quais todos naquele hospital estavam interessados no Philip e lutou também para salvá-lo, como também, acho que se a personalidade dela fosse melhor trabalhada, isso teria se tornado mais positivo ainda.
Ellen tem vontade de dizer que a assistência que presta a Philip é reciproca, que ele também a ajuda. Em vez disso, apenas o observa. Então sai sem fazer barulho, deixando-o chorar e lembrar sozinho.
A leitura foi bastante densa, com diversas frases interrogativas, mas eu o li em dois dias, porque eu queria muito entender que tal som era esse, que tinha um poder tão grandioso, e eu gostei muito do livro até boa parte. Ele é instigante, mesmo tendo poucas cenas de ação, eu me prendi por bastante tempo.
Cometeu o erro de ouvir o som em pleno ar, o que deixou a pequena tripulação gravemente afetada durante o voo. Eles vomitavam nos sacos e, quando os sacos acabaram, vomitaram nos capuzes dos casacos, nas meias e nas mangas das roupas que traziam na bagagem.
Mas eu me decepcionei com o final. Final que alias confesso que não entendi muito bem e fiquei feliz em saber que eu não fui a única.  E quando eu entendi, achei as teorias bem sem graça.

Em Caixa de Pássaros, eu achei que o Josh pecou em deixar mutas pontas soltas no livro, mas mesmo assim a estória é ótima, mesmo não havendo uma explicação do que as pessoas viam que o deixavam enlouquecidos e achei super correto ser assim aberto, exatamente para deixar cada leitor tirar a sua conclusão. 

Agora em Piano Vermelho, houve uma vaga explicação do final que dá para engolir, mas não me deixou satisfeita, então acho que faltou um pouco mais de empenho do autor, pois ele tem talento de sobra. Eu senti que o final do livro foi meio corrido tipo "preciso acelerar esse livro porque meu prazo está acabando".

Por isso eu até recomendo a leitura, mas não crie expectativas.


Em relação a diagramação não localizei erros na revisão, as páginas são amarelas e as letras um pouco pequenas, eu sou apaixonada pela capa desse livro, mas também tenho uma ressalva. Ela mostra uma seringa. Esse é o medicamento utilizado para o Philip ficar curado das lesões mais rápido, a ponto de um certo momento ele parecer um Hulk, mas... Do que é feita? Onde é produzida? Até que ponto ela pode ser boa ou ruim para Philip? Talvez isso possa ser dito no Globo Repórter, porque no livro... Para ser sincera isso não havia me incomodado na leitura, mas ver essa seringa na capa e saber que ela é presente na estória sem ser dado a menor explicação, agora me deixa incomodada.

Espero que gostem e até a próxima resenha. 
Quero saber sobre cada fantasma que você viu. E quando terminar... me diga a localização do som. Cada volta que você deu. Cada por que abriu. Cada pesadelo que encontrou no caminho.

Resenha #386 - Cadê meu pai? - Bruno Godoi

Livro cedido pelo autor.

Título: Cadê meu pai?
Autor(a): Bruno Godoi
Editora: Amazon
Páginas: 195
Nota: 5/5 (Favorito)

- Que mãe fica sem comprar remédio e deixa os meninos com fome?
- Que pai foge para a cidade grande atrás de mulher com dinheiro?
Olá, tudo bem com vocês?

A resenha que trago hoje, é o último lançamento do autor Bruno Godoi, livro que aliás está participando do 2º Prêmio Kindle de Literatura.

Cadê meu Pai?, começa no tempo atual, com uma família na ceia de Natal, após o jantar, com troca de presentes e sorrisos, as crianças vão para o quarto dormir e pedem para seu pai contar uma história que elas já são habituadas a sempre ouvir, porém nunca cansam de escutar.

E é assim que também acompanhamos a história de Zezim e Fredim ...

José e Frederico, são duas crianças de 8 e 6 anos, que enfrentam muitas dificuldades no dia-a-dia. Sua mãe está com uma grave doença e eles nunca tiveram nenhum contato com seu pai, já que o mesmo foi embora quando eles eram ainda muito pequenos, com o intuito procurar um emprego melhor, mas nunca mais voltou. 

A família de Ivone, mãe das crianças, passa por uma fase muito complicada e cheia de problemas, seja falta de dinheiro, mantimentos, animais velhinhos e até a árvore da casa só tem fruta com bicho, tudo em volta de Ivone está por um fio como a sua vida, ela consegue pôr pouca comida na mesa com a ajuda de vizinhos que sensibilizam com o a situação da família.
- Deus tem benção de sobra para nos dar.
- Só não tem um pão, né? - José retrucou. - Que Deus manda água morro abaixo, mas não manda um pãozinho de sal sequer? Nem goiaba sem bicho tem.
Para tentar manter a inocência dos filhos, e deixá-los longe de casa para não ver o quanto Ivone definha, ela planta pistas para que as crianças se sintam curiosos afim de descobrir quem é o pai deles, pois eles acreditam que encontrando o pai, todos os problemas serão solucionados. E assim eles começam a sua aventura pela cidadezinha do interior de Minas Gerais, com personagens que são introduzidos no decorrer da história.

Para as crianças, sua missão é encontrar um pai, mas sabemos que o eles encontrarão, são ensinamentos para o resto da vida.
- Tenho certeza que a mamãe vai ficar feliz quando a gente achar o papai. A doença dela vai até sarar... Ouvi as vizinhas falando que é doença da cabeça que dói o corpo...
Cadê meu Pai?, é uma história leve, muitas vezes engraçadas, como também, muito triste. Eu senti uma forte empatia pelas crianças o tempo todo. O Bruno teve uma escrita muito sensível neste livro, livro que alias é muito importante para ele, pois ele foi feito em homenagem ao aniversário de 80 anos de seu pai, onde em uma história fictícia ele trouxe a inocência e o jeitinho mineirinho de uma Divinópolis de muito tempo atrás. 
- Sua mãe, mais do que ninguém nesse mundo, está lutando contra a coisa... Você é um menino tão especial, as coisas chegam rápido na sua cabecinha. Não culpe Ivone assim... Ela... é sua mãe - uma lágrima escorreu pela bochecha da diretora.
A narrativa tem muitas gírias regionais, e é muito gostoso de se ler. É uma história curta, com uma escrita bastante fluida, então pode ser lido em poucas horas e vocês encontrarão uma mensagem de união, amizade, altruísmo e esperança.
- Eu quero ficar igual artista de cinema para sair com Vacão para pegar cocota.
- Pegar o quê?
- Namoradas - José explicou.
 
Em relação a diagramação, o livro está disponível em plataforma digital, pela Amazon, e vocês podem adquiri-lo clicando AQUI, não localizei erros de revisão, e ele está com o preço super acessível e também disponível no kindleunlimited, podem ter certeza que vocês não irão se arrepender.

Espero que gostem e até a próxima <3 

Resenha #385 - A segunda Chance de Zoe - Layla Casanova

E-book cedido pela autora

Título: A Segunda Chance de Zoe
Série Mercy Bay - #1
Autor(a): Layla Casanova
Editor: Amazon
Páginas: 203
Nota: 4/5
Achar um cara bonito é uma coisa, agora sair flertando por aí é outra completamente diferente. Eu tinha acabado de me tirar de uma situação que entrei pelo simples fato de não saber  dizer não e na minha nova vida gostaria de não cometer os mesmos erros.

Olá pessoas, tudo bem?

Hoje eu venho com mais uma resenha nacional. Tenho lido muitas coisas legais e bem escritas em nossa literatura. Sempre que dá, cá estou eu divulgando nosso autores. 

Este é o primeiro contato que tenho com a escrita de Layla, e confesso que me surpreendi, porque achei que não fosse gostar da história. Quando comecei, não curti muito, mas conforme as páginas foram passando, eu fui me sentindo presa e me peguei curtindo muito a leitura. Demorei um pouco mais para ler e resenhar, porque estou com um problema de irritação nos olhos e isso me atrapalha um pouco, mas jamais vou deixar de ler em E-book. 

Zoe passou por um momento complicado em sua vida. Ela resolveu passar um tempo fora de sua cidade natal enquanto terminava sua residência cirúrgica. O tempo em que ela esteve fora, foi suficiente para ela decidir que queria mudanças em sua vida e agora ela queria um recomeço.

Ela queria algo diferente para a nova Zoe. Ficar longe da família que a tratava com uma boneca de vidro, era seu primeiro passo. Então eis que ela resolve fazer residência em emergência e vai para o Hospital Geral Mercy Bay em San Francisco, onde passar a ter residência fixa. 
Estou feliz por estar aqui e poder ajudar, porque esse trabalho é sobre quem a gente consegue ajudar, né? Sobre os que salvamos, e não os que perdemos.
Nos seus primeiros dias, Zoe conhece Adam. Ele é um dos bombeiros que trabalha próximo ao hospital. Adam é bonito, engraçado, galanteador, extremamente e incrivelmente sexy. E a tira dos eixos de primeira, mas ela não se deixa levar, porque tudo que ela menos quer é começar a sua nova vida com um romance. 

Acontece que os dois se encontram por a caso em um bar próximo ao hospital e terminam ficando juntos. Zoe não acredita que fez isso. Mas não adianta se arrepender, porque foi muito bom. Só que ela queria e muito esquecer este dia e principalmente que foi com o Adam. 

Ah, mas o Adam não facilita as coisas não. Ele sempre a trata bem. Eles se topam em alguns lugares e no fim ele termina a convidando para lhe mostrar o lado bom da cidade. E ela aceita e as coisas vão acontecendo. Eles vão se conhecendo e o trabalho vai se intensificando também com seus altos e baixos da profissão de ser médico em um atendimento de emergência. 

Mas Zoe não esperava que alguém do seu passado reaparecia, deixando a mente e o mundo dela totalmente abalado. Zoe não esperava por essa visita e ela ficou realmente confusa com tudo. O que será que ela vai resolver? Voltar ao passado, ou construir um futuro com o Adam?

Eu gostei muito da forma como a autora escreveu a história dentro deste universo hospitalar. Teve algumas cenas que mexeram com o meu coração e eu fiquei com ele apertado viu. A Layla é uma fofa e muito atenciosa, ela simplesmente transmitiu toda esta graciosidade para a sua escrita. Os personagens são cativantes e bem desenvolvidos, não tem como não se apaixonar por cada de uma maneira diferente e igual ao mesmo tempo.

O Adam, é maravilhoso. Fiquei completamente apaixonada por ele. Um cara extremamente dedicado a sua profissão de bombeiro e que não mede esforços para ajudar o próximo. É nítida a sua paixão pelo que faz e isso reacende o amor ao próximo dentro de nós. Fora que ele é lindo, gentil, sexy e apaixonante. 

A Zoe também é uma mulher maravilhosa. Ela tem uma empatia muito grande com os pacientes, ela se entrega ao trabalho e tenta fazer o melhor para salvar a vida de alguém. Percebemos que as suas novas escolhas foram certeiras e que mesmo com algumas de suas inseguranças, sabemos o quanto ela ama o que faz. Ela foi uma personagem que me cativou muito a qual me identifiquei demais. Mesmo quando ela me irritou nas partes finais do livro, com algumas atitudes e situações em que ela viveu, mas faz parte do ser humano. 

Uma coisa que curti muito na narrativa, foi que os personagens pareciam reais, era como se eu tivesse lá junto com eles, vivendo tudo aquilo. Não vi nada que fugisse muito da realidade. Layla soube desenvolver isso muito bem em toda a história. 

Mesmo com alguns errinhos de revisão (que pode ser corrigido facilmente em uma nova edição), gostei muito de tudo que eu li.  A leitura é de fácil entendimento e você se conecta com as vivências diárias. Torço muito para que Layla, possa publicar fisicamente, porque é notável seu talento e dedicação ao escrever uma história que pode nos preencher e refletir. 
Estamos aqui para salvar vidas, e me pergunto qual o ponto de aprender tudo que venho aprendendo se não tiver ao menos uma chance para tentar salvar alguém.
Espero que tenham curtido pessoal! Deixem seus comentários, quero saber a opinião de vocês. Um xero!

Semana Rainha - Mari Scotti - Dia 5 - Tag Neblina e Escuridão


Olá pessoas, tudo bem??

Continuando a semana especial Rainha, hoje eu trago uma tag bem legal e como eu amo responder tags, eis-me aqui.

A Tag foi criada pela Mari  e pela linda  Beatriz Andrade.

A Tag consiste em indicar um livro de acordo com a personalidade dos personagens da série Neblina e Escuridão. Pode ser respondido por escrito, vídeo, instagram, como desejarem e com livros lidos, desejados ou odiados, de acordo com o seu gosto.

Elizabeth: Um livro que você leu (emprestado ou alugado) e nunca achou um exemplar para comprar.

Eu não cheguei a ler o livro, mas assisti o filme diversas vezes e quero comprar este livro nesta capa, então quem souber onde achar me avise.

Ellene: Um livro que você estava indeciso se seria uma boa leitura, mas foi até o fim para descobrir.

E foi a melhor escolha que eu fiz. <3

Heidy: Um livro com um vilão que você detestou e torceu para que ele morresse.

A Keris Venturius, eu odeio com todo o meu coração esta mulher... :/

Nicolae: Um livro com um personagem secundário importante para a trama e de quem você não sabia se confiava ou não.

Rhysand, eu ainda não sei se confio nele, mas fiquei apaixonadinha. <3

Milosh: Um livro com um protagonista destemido, porém depressivo.

Dante, pensa num cara depressivo!!

Jacó: Um livro com um irmão mais velho ciumento.

A irmã da protagonista, não era ciumenta, mas pegava muito no pé dela.

Carol: Um livro que te deixou curioso e você deseja ler em breve.

Quero muito!!

Tomás: Um livro que você amou e te decepcionou no final.

Final muito frustrante. :/

Benjamim: Um livro que te deixou com sentimentos dúbios, ainda não sabe se gostou ou odiou.

Só consigo lembrar deste haha.

Clique na imagem para ser direcionado ao evento no Facebook.

Um xero!


Semana Rainha - Mari Scotti - Dia 4


Olá leitores, tudo bem?

Continuando a semana especial Rainha, hoje iremos falar sobre os personagens principais. Vamos conhecer a descrição de quem eles são.

Obs: As imagens dos personagens foram escolhidos por mim, pois foram as pessoas que imaginei ao ler os livros.

Milosh Vasille
Nascido em 30 de setembro 1240, em Londres e transformado por uma mulher desconhecida. Possui aparência de um homem de trinta anos, olhos esverdeados; lábios médios. Alto, com corpo comum e forte devido os anos de treinamento no exercido antes de sua morte humana. Cabelos negros e face sisuda, pois foi muito maltratado pela vida. É marido e guardião de Elizabeth III, a rainha dos vampiros.

Elizabeth Fargnoli
Nascida em 14 de abril de 1400, também transformada por um vampiro desconhecido. Possui cabelos loiros, olhos azuis e face angelical. Apaixonou-se por Milosh à primeira vista, causando a separação de sua melhor amiga e mentora Heidy Petrakov de seu Reino. Tornou-se uma das vampiras mais poderosas sendo elevada a rainha do mundo vampírico. Junto com Milosh e Benjamin, criaram novas leis que proibiam a morte de humanos, a caça desenfreada, a transformação de novos vampiros sem consentimento do Conselho e a principal: não ter filhos com humanas. Está sequestrada há quase cem anos.

Heidy Petrakov
Com 1023 anos de idade, Heidy foi a primeira híbrida reconhecida e a última aceita no reino dos vampiros. Possui um aroma antigo de leite de rosas, é ruiva como todos os híbridos, com olhos verdes, lábios carnudos e corpo farto e curvilíneo. Ambiciosa, não vê limites para alcançar seus objetivos. Mentora de Elizabeth e Milosh, tornou-se inimiga da coroa quando seu pupilo se apaixonou por sua melhor amiga e futura rainha, teria sido a escolha, não fosse sua condição meio-humana.

Ellene de Moraes
Tem aparência de uma garota de dezoito anos, olhos verdes, ruiva e de pele muito clara. Seus lábios são carnudos e o nariz levemente arrebitado. Possui uma beleza de traços antigos, como uma pintura de outra época. Sonha quase sempre com um homem de olhos extremamente verdes, parece doentio e perigoso. Adotada, reside na comunidade de lobisomens do estado de São Paulo. Ellene anseia por sua primeira transformação na lua cheia e estranhando as diferenças entre si e os demais moradores, busca informações sobre seu passado e a mulher que a deixou com seus pais e que acredita ser sua mãe biológica.

Tomás Mattos
É o melhor amigo de Ellene, seu instrutor na escola da comunidade e também completamente apaixonado por ela. Alto, pele bronzeada, cabelos escuros e olhos castanhos. Costuma se vestir com bermudões e quase sempre está sem camisa. Em noites de lua cheia ajuda a matilha a patrulhar a vizinhança, em busca de vampiros ou outros seres que descumpram o tratado de não matar humanos.

Jacó de Moraes
Líder dos lobisomens, é o irmão mais velho e adotivo de Ellene. Super protetor, guardador dos segredos da família e de seu clã, é fiel, amigo e o mais temido entre todos, pois não hesita em colocar ordem, mesmo se houver necessidade de eliminar seus inimigos. Jacó tem aparência de um rapaz de vinte e um anos, pois sempre está sorrindo e tem um ar apaixonado. Mantém os cabelos na altura dos ombros, tem a pele bronzeada e os olhos num tom castanho quase avelã. Os lábios são grossos como os do pai, o nariz pequeno, proporcional ao rosto quadrado.

Carol Cândido
Pouco mais de vinte anos de idade mortal, mas aparência de uma garota de dezessete. Corpo miúdo, seios grandes, bumbum arredondado. Seus olhos possuem tom quase mel, combinando com seus cabelos, cílios compridos e está sempre maquiada. É a ex namorada de Tomás e ainda apaixonada pelo rapaz. Sua transformação foi tardia, acreditam que seu corpo não amadureceu a condição de protetora da humanidade, pois passou alguns anos fora do Brasil e longe de sua comunidade.

Espero que tenham gostado pessoal. Um xero no coração de todos!!!

Clique na imagem para ser direcionado ao evento no Facebook.