Resenha #381 - Perigosa - Fabiana Escobar

Livro cedido pela editora

Título: Perigosa
Autor(a): Fabiana Escobar
Editora: Novo Século
Páginas: 256
Nota: 4/5

Olá tudo bem com vocês?

Hoje trago uma resenha nacional, do livro que deu inspiração a um personagem que está dando o que falar na novela A Força do Querer - da autora Gloria Perez, exibida pela Rede Globo - a personagem Bibi Perigosa interpretada pela atriz Juliana Paes.

Primeiramente eu gostaria de dizer que esta resenha não teve influência com a personagem da novela, na verdade eu nem a assisto então se eu relatar algo que ocorre nas telinhas, é nada mais do que a base que foi usada no livro para compor o personagem.

O livro da autora Fabiana Escobar, narra fatos reais que a autora vivenciou ao longo da sua vida como moradora da rocinha, seus relacionamentos com homens envolvidos no tráfico, o sofrimento que familiares e moradores da comunidade passam diariamente e o lado negro da policia carioca. 

Mas antes de tudo com relatos sinceros e bem humorados, ela mostra o quanto o mal prejudica pessoas inocentes.
Muitas meninas hoje acham que almejar um namoro, romance ou até mesmo uma "ficada" com um traficante vai fazer delas uma diva da favela, uma "patroa", e as pessoas vão comentar quando ela passar.
O livro gira em torno da vida da Fabiana. Muito nova ela se relacionou com um homem sem saber que ele era o "dono do morro", nome dado para os bandidos que são os chefes da favela, e não demorou muito para ela descobrir o que é namorar um bandido - e isso envolve fugas, esconderijos, prisões, visitas intimas e muito sofrimento.

Passado um tempo, esse relacionamento acaba por motivos que vocês só entenderão lendo o livro, e ela reencontra Paulo, o seu antigo amor de infância. Paulo também se envolveu com o crime, mas o abandonou e agora tenta ter uma vida honesta. A amizade deles cresce fortemente e eles resolvem iniciar um relacionamento, e não demora muito a Bibi engravidar do seu primeiro filho, e alguns anos depois sua filha. A vida da familia está bem estruturada, tanto marido como mulher estudam e trabalham, e mesmo com as dificuldades do dia a dia eles são felizes. Até que Paulo resolve voltar ao mundo do crime, com o apelido de Robinho Pinga, e a vida de Bibi vira de cabeça para baixo mais uma vez.
Hoje cheguei, a duras penas, à conclusão de que, seja o que for, comprar um celular roubado ou traficar uma tonelada de cocaína, o resultado é sempre o mesmo: maldição.
Paulo não se torna qualquer bandido, ele se torna "o cara" como ela cita no livro, comandando o morro, com drogas e contrabandos de armas principalmente.

Mas a casa cai e Paulo é preso, e ai mais uma vez Bibi volta a ser esposa de um presidiário, e pior do que isso ela é influenciada por Paulo a ser sua porta voz dentro da favela, seja em negociações sobre contrabando de drogas a armas, como também cobranças e dividas com traficantes para manter um nível de conforto alto para o Paulo dentro da cadeia. De uma forma simples de dizer é como se ela fosse uma secretária dele, e com isso ela vai se afundando cada vez mais. O Paulo é um cretino, ele aproveita o amor cego e louco que a Bibi tem por ele, para manipulá-la de todas as formas possíveis e imagináveis, e com isso continua mandando e desmandando na favela - inclusive é acobertado por policiais várias vezes.

Eu me irritei muito com ela no livro, a ponto de ter vontade de entrar dentro dele e a sacudir para ver se ela acordava, discordei de praticamente 90% de suas atitudes, porém como é uma não-ficção, eu procurei ao máximo ter empatia por ela, mas confesso que se fosse um livro de ficção a minha nota seria bem baixa. Porém, eu não vou julgar os atos cometidos pela Fabiana porque essa não é minha função, e ninguém é perfeito, ela deixa claro no livro o quanto se arrepende pelos atos que cometeu no passado, e eu entendo que para quem vive todos os dias com as situações que ela viveu a concepção pode ser bem diferente.
Queria dizer a vocês que me perdoem se tenho uma maneira romântica de falar de pessoas tão erradas do ponto de vista social, mas também peço que entendam que essa era minha realidade naquele momento, e eles faziam parte da minha vida.
Uma coisa que admirei muito na Fabiana ao longo dessa história é o quanto ela é corajosa, fiel, e segura de sua opinião. Ela não tem medo do que os outros pensam dela, dá a cara a tapa e encara os desafios da vida de uma forma incrível, e o que mais teve na vida dessa mulher foram motivos para desistir de tudo e de todos, mas mesmo assim ela não se desanimou. E de uma maneira torta ela é um exemplo de superação a ser seguido.
... a mulher nesse submundo do tráfico, não passa de uma ferramenta, de um objeto que é descartado assim que não se enquadra mais nos padrões estabelecidos por eles.
Em relação a diagramação, a capa é simples, mas a achei bastante bonita. As letras são grandes e as páginas amareladas, e não me recordo de ter visto erros de revisão. Sobre a escrita da autora, pelo menos neste livro ela usou uma forma bastante informal de contar sobre sua vida então eu não uso como base para formalizar uma opinião sobre suas técnicas.


Caso queiram saber mais da autora, ela não só está nas redes sociais, como também é blogueira, Youtuber e colunista no site FavelaDaRocinha.com. Fora o Perigosa, ela é autora dos livros Linha Cruzada e Um gatinho chamado Flocos.

Espero que gostem da resenha e até a próxima.


Aniversário do Blog Pausa Para Pitacos

Olá,  gente linda!
Tudo bem com vocês? Eu espero que sim!

Eu não sei vocês, mas acho que não há nada melhor do que começar a semana com um meeeega sorteio. O que acham?

No dia 01/09/2017 o Pausa Para Pitacos completou mais um aninho de vida! Nesses dois anos, dividimos com vocês o nosso amor pela leitura, por fofurices, filmes, séries e tantas outras coisas. Nesses dois anos, conquistamos vários e vários leitores, fizemos novos amigos. Por essas e outras, essa data tão importante não poderia passar em branco!

Então, segura que lá vem clichê: O aniversário é nosso, mas quem ganha é você! 😍😍😍
E não estamos sozinhos nessa festança. Convidamos alguns blogs amigos para participar conosco, por isso prepare-se, pois lá vem tiro!
Serão 7 kits, 7 ganhadores. Espia só!



Vamos conversar? #1

Quando a arrogância, o narcisismo e a falta de aceitação, impactam em nossas vidas de uma maneira negativa.

É difícil para todos nós recebermos criticas, principalmente se você não concorda com elas, mas até que ponto você pode defender cegamente o seu ponto de vista, de uma maneira correta? Ou se perder dentro de suas concepções a ponto de destruir o sentido de suas próprias palavras? 

Não seria mais fácil aceitar as opiniões contrárias e tentar entender por qual motivo  elas surgiram? Afinal de contas compreender é uma coisa, mas concordar é outra.

Na teoria é simples, porém na prática infelizmente algumas pessoas tem uma grande dificuldade de colocar isso em ação. Por serem arrogantes e se acharem os donos da razão, por serem narcisistas e não verem seus defeitos, e por não aceitar que nem todos devem ter a mesma opinião que a sua, ou de um nicho especifico que concorda com você.

Há certos assuntos, práticas e comportamentos que são cravados dentro da nossa personalidade, principalmente em consequência da nossa criação, que se tornam nada mais nada menos do que o nosso caráter. Isso sim é algo que uma vez definido, é difícil que seja modificado.

Agora você não tem o direito de atacar outro ser humano por ele não concordar com a sua opinião, principalmente se o que você realmente quer é a opinião dos outros (Isso tem sentido? Obviamente que não!) Mas acontece e como acontece!!

Pelo simples fato que queremos ouvir, exatamente o que imaginamos e que sonhamos que seja falado, e ter o contrário frustra, dói e te deixa indignado.

Só que ninguém é obrigado a ser influenciado pela opinião de outras pessoas, para formar a sua opinião, e a partir do momento que você se expressa de uma maneira concreta, educada e sincera, você tem o direito de ter a sua opinião respeitada.

Existe uma atitude muito eficaz, para não existir conflitos em opiniões contrárias, e ela se resume em uma só palavra : Educação.

E isso é difícil de ser colocado na prática?

Deixo a pergunta em aberto para reflexão de todos.

Resenha #380 - Antes que eu vá - Lauren Oliver.


Título: Antes que eu vá
Autor(a): Lauren Oliver
Editora: Intrínseca
Páginas: 368
Nota: 3/5 
Algumas coisas se tornam lindas quando você realmente olha.
Olá pessoas, tudo bem?

Eu estava com esta resenha em rascunho e a tinha perdido haha, então quando eu achei, resolvi trazer para vocês. 

Este é o quarto livro que leio de Lauren Oliver. Li a trilogia Delírio, onde os dois primeiros livros: Delírio e Pandemônio, foram maravilhosos e o desfecho Réquiem, foi frustrante, mas a autora é muito aclamada lá fora, e óbvio que pretendo ler mais obras dela.

Samantha Kingston (Sam), tem tudo o que uma garota poderia querer. Um namorado popular e super cobiçado, três amigas maravilhosas e divertidas e todos os privilégios possíveis que a escola onde estuda, pode oferecer. 

Aquela sexta-feira tinha que ser perfeita. Era dia 12 de Fevereiro, dia do cupido. A escola estava toda elétrica, pois era o dia que as quantidades de rosas recebidas, indicavam o nível de popularidade de quem as recebiam. Mas para Sam, seria o dia especial com seu namorado e suas amigas estavam dando-lhe a maior força, para que tudo desse certo. 

Este dia não era apenas um dia perfeito e cheio de magia. Este dia ficaria marcado para sempre na vida de Sam. Este dia era o último de sua vida. 

A noite estava chuvosa e Sam sofre um acidente de carro gravíssimo e morre. (Não é spoiler, está na sinopse). O dia que era para terminar perfeito, termina sendo seu último. Só que no dia seguinte, Sam acorda. Ela leva um susto porque acha que é sábado e que não precisa ir a escola, mas percebe que não. Que ainda é sexta-feira, dia do cupido e conforme o dia vai passando ela vai percebendo, que tudo estava se repetindo. Ela fica assustada, se sentindo confusa e sem saber bem como reagir e vai vivendo conforme o dia vai passando.

Isso acontece outras vezes, Sam fica amedrontada, mas através desses dias que se repetem exatamente no momento que ela acorda, Sam descobre as consequências de cada uma de suas ações. De cada uma de suas palavras. Ela percebe que a vida é curta e que ela pode ter percebido isso tarde demais. 
Talvez para você haja um amanhã. Talvez para você haja mil amanhãs, ou três mil, ou dez, tanto tempo que você pode se banhar nele, girar, deixar correr como moedas entre os seus dedos. Tanto tempo que você pode desperdiçar. Mas para alguns de nós só existe hoje. 
O livro é narrado em primeira pessoa, sob o ponto de vista de Sam. Ela é uma garota egoísta e má. Junto com as suas amigas, não medem esforços para praticar maldades com outros alunos. Por serem populares e terem muito privilégios na escola, se acham as donas do pedaço e não ligam para os sentimentos de ninguém, além delas mesmas. 

A história inicialmente me prendeu, mas depois comecei a me sentir um pouco cansada com a Narrativa. Primeiro Sam é muito irritante. É uma menina mimada, influenciável, egoísta e que por mais que as vezes se sinta mal em alguma situações, não fazia exatamente nada para mudar, ela sentia medo de enfrentar suas amigas e dizer o que realmente pensava. 

Fora que conforme as repetições do dia iam passando, os lamentos de Sam, não me passavam verdade, como se ela estivesse querendo mudar realmente algo, ela estava movida pelo medo, é como se tentar mudar, fosse salvá-la do acidente, mas o sentimento da mudança dentro de si, não estava verdadeiro e não estava me convencendo. 

Sim a história ela traz uma reflexão. De como você não deve se prender. De com você deve aproveitar a vida e fazer com que cada dia seja único e especial. Não perder tempo e realmente vivenciar tudo. E que se algo te aconteceu, você teria uma nova chance de fazer com que valesse a pena. 

Na minha visão de ler o livro, ela não passou de uma menina perdida, que tentava se encontrar por medo de morrer, mas que se conseguisse fugir do acidente, as coisas permaneceriam praticamente iguais. Infelizmente o livro não funcionou pra mim, como eu achei que fosse acontecer. Eu me senti cansada boa parte da leitura e quase desisti. Talvez este tipo de narrativa não funciona para mim, ou a protagonista não conseguiu me convencer de suas tentativas de mudança. 

Mas esta é a minha opinião. Vi muitas resenhas positivas e lindas sobre a história, no fundo acredito, que não era pra mim mesmo. De qualquer forma, a Oliver, não deixa a desejar em sua escrita, apesar do cansaço que senti, mais por conta da protagonista, a leitura até que flui e é de fácil entendimento.

Não tenho como falar muito da diagramação, porque li em E-book. Eu gostei de todos os espaçamentos e não me recordo de ter encontrado algum erro de revisão. 

Me digam nos comentários se já leram este livro e o que acharam. A opinião de vocês é sempre muito importante. Adoro ler. Um xero!
Foi quando percebi que certos momentos se estendem para sempre. Mesmo depois que terminam, continuam...

Resenha #379 - E se Ela Soubesse? - R. Christiny


Título: E se Ela Soubesse?
Autor(a): R. Christiny
Editora: Rouxinol
Páginas: 262
Nota: 2/5

Meu nome é James Marconi, tenho vinte e sete anos, nasci em Kentucky e estou há quase três anos no sanatório Waverly Hills, que se localiza em Louisville, acusado por homicídio.
Olá tudo bem com vocês? Hoje trago uma nova resenha nacional, mas infelizmente desta vez eu não fui feliz com a leitura.

E Se Ela Soubesse? É o primeiro livro de uma trilogia, escrita pela autora Renata Christiny. Com a narrativa em primeira pessoa, temos a história sendo contada por James, um homem diagnosticado com a psicopatia e acompanhamos sua trajetória dentro do manicômio. James é o principal suspeito de ter estuprado e assassinado sua filha – crime a qual ele não assumiu, porém ele tem outros crimes confessos, e não perde a oportunidade de atacar algum enfermeiro, guarda ou policial. Ele é bastante agressivo, e vive sendo dopado para ser controlado, ele sofre abusos e agressões constantes dentro do manicômio, mas como ele também faz por merecer, não tive a minima dó dele.

E é também é visitado por um homem, que somente ele vê. 
A risada continuava debochando de mim, me levando a loucura, como se estivesse adorando ver a minha desgraça. Levantei meus olhos outra vez, então o vi encostado na parede do corredor, corpo ensanguentado, um rosto completamente distorcido, parecia ter vindo diretamente do inferno.  
James recebe frequentemente a visita do FBI, pois eles tentam descobrir com afinco se ele tem culpa no assassinato de sua filha, e recentemente ele agrediu violentamente o responsável pelo seu caso. Devido a isso outra pessoa é resignada para as investigações, Anna Godoy. 
Estarei cuidando do seu caso, já que o senhor agrediu fisicamente ao meu tio, que agora está em uma unidade de tratamento intensivo.
Anna é muito astuta, e tenta pegar a confiança de James de maneiras diferentes ao que foram tentadas antes. Um diferencial no caso também, é que James sempre matou homens e ele é gentil com as mulheres.

Até aqui, eu estava gostando muito da história e estava devorando o livro, porém ocorreu algo para mim que eu considerei um absurdo, a ROMANTIZAÇÃO A PSICOPATIA.
Eu era um psicopata assassino, que estava completamente apaixonado por uma mulher do FBI.
Bom, nesse momento da leitura eu dei uma parada nela, e pensei em desistir, para ser bem sincera com vocês eu cheguei a ficar com o estomago embrulhado, pelo simples fato que PSICOPATAS NÃO TEM O DOM DE AMAR, gente isso é impossível, psicopatas são seres desligados de sentimentos isso é uma característica da doença – podendo ser ou não assassinos e eu vou deixar aqui abaixo, resumidamente a conceito da psicopatia.
Caraterísticas de um psicopata: Um psicopata é caracterizado por um desvio de caráter, ausência de sentimentos, frieza, insenbilidade aos sentimentos alheios (empatia), manipulação, narcisismo, egocentrismo, falta de remorso e de culpa para atos cruéis e inflexibilidade com castigo e punições.
Mesmo bem revoltada com o que tinha lido, eu resolvi retomar a leitura, pois poderia haver alguma mudança na história no decorrer dos acontecimentos. James tem um plano, e é ajudado por uma enfermeira a fugir do manicômio pois é véspera de Natal e ele quer visitar sua mãe. Fantasiado de Papai Noel, ele anda disfarçado pelas ruas e acabado sendo interceptado por uma garotinha chamada Alice, e adivinha quem está com ela? A Anna, que é sua tia.

Alice fica extasiada ao ver o Papai Noel, e depois de muita insistência, James – agora dizendo se chamar Max vai tomar sorvete com as duas, mas como estava extremamente nervoso com a possibilidade de Anna descobrir sua farsa, acaba aproveitando uma deixa para fugir.

Um tempo depois agora sendo Max, ele vai até o cemitério, totalmente bêbado e esbarra novamente com a Anna, em um atitude de total impulsividade, ele a agarra e a beija. Anna é pega de surpresa e dá um tapa na cara dele, mas logo depois o reconhece como o “papai noel”, pergunta porque ele fugiu, tem uma conversa super descontraída, lhe oferece uma carona e acaba levando-o para sua casa ... e eu novamente fiquei enfurecida.

Primeiro, porque eu a achei tonta demais por não reconhecer o James (por mais que ele passe por uma transformação cortando os longos cabelos e aparando a barba), a voz, o corpo e os olhos são os mesmos, mas até ai tudo bem, ainda dava para engolir.

Só que nenhuma mulher em sã consciência – principalmente uma policial, vai ser agarrada por um estranho bêbado, de madrugada, em um cemitério e vai pensar: “Ah tá, é o cara fantasiado de Papai Noel que eu conheci há cerca de uma hora atrás, só que ele agora está bêbado, vou ser legal e dar carona para esse estranho que já demonstrou ter atração sexual por mim e vou levá-lo para a minha casa...”

E dai rola por alguns capítulos a estadia de Max na casa de Anna, passando pelo aniversário de Alice, onde ele é convidado a participar ainda fantasiado, a amizade com Anna fica maior, e o livro que eu acredita ser policial, se torna cada vez mais romântico, e tudo vindo do “psicopata apaixonado”. 

Até que Anna é sequestrada e eis que aparece um Serial Killer na história, Max descobre quem é o responsável e vai ao resgate de sua amada.
Se eu já não fosse um psicopata diagnosticado, essa seria uma boa hora para eu me tornar um.
Bom, primeiramente a meu ver James não é um psicopata, pelos fatores que ocorrem no decorrer da história, o homem que ele diversas vezes vê (coisa que alias ficou bem mal contada na história), pelos picos de estabilidade emocional, o carinho que ele tem pela sua mãe e pela enfermeira que cuida dele no manicômio, e até mesmo pela fixação que ele tem pela Anna, eu o considerei mais um esquizofrênico, e se a história tivesse sido levada para esta doença eu poderia ter uma visão diferente, dos pontos que me fizeram odiar esse livro.

Eu particularmente, achei extremamente errado a forma como o personagem foi romantizado e vitimizado durante toda a leitura. É diferente você ler um livro aonde o vilão é o protagonista (como por exemplo em Dexter) e gostar de um personagem que jamais deixa de ser um assassino cruel, inteligente e errado, para torcer por um personagem como o James que é extremamente arbitrário para a sua doença mental diagnosticada.

Nos últimos capítulos ocorreram algumas reviravoltas bem interessantes que me fizeram concluir mais uma vez  que o James não é um psicopata, mas não foi isso que o livro trouxe na maior parte do tempo, e os motivos pelo quais tornaram ele o homem que ele é, para mim não foram suficientes para que ele se tornasse uma vitima.

Em relação a escrita da autora, eu achei bastante fluida e ela escreve muito bem. O livro tem bastante ação, e em momento nenhum a leitura fica parada ou cansativa. Mas devido aos fatores que eu deixei claro nesta resenha, eu não acredito que vá dar continuidade na leitura desta trilogia, mas isto jamais vai interferir que eu leia outros livros que a autora venha a lançar, e se você que está lendo não se incomoda com os fatores negativos que eu apresentei aqui, acredito que possa gostar do livro. Ele está muito bem pontuado no Skoob, Foi lançado primeiramente independente na Amazon e eu fiz a leitura em E-book, e sua versão física tem morada pela Editora Rouxinol – ou seja – o livro deu certo, mas pelo menos para mim que ama livros de psicopatia, infelizmente não rolou.

Psicopatia não tem cura.
Psicopatas NÃO AMAM, o máximo que eles sentem são o sentimento de posse. E se você leu esse livro e se viu complemente apaixonada(o) por um psicopata, você também está errada(o). Não se deixem levar por uma história fictícia.

Viver em um relacionamento com um psicopata é correr o risco de ser abusada sexualmente quando você negar sexo a ele, é ser agredida devido ao arroz ter queimado, é ser insultada por ter engordado alguns quilinhos, é ser obrigada a se afastar de seus amigos e parentes devido a um ciúme exagerado, é ser tornar uma Vitima de Estocolmo, e ser morta com diversas facadas por terminar um relacionamento abusivo.

Na vida real, o final dificilmente será feliz.

Até a próxima resenha.

Aniversários de 2 anos dos blogs: Entre Livros &Pergaminhos e As 1001 Nuccias

Olá leitores! Dois anos de blog! Sim!!
Dois anos que entrei de cabeça na blogosfera literária. Dois anos que passei a compartilhar com vocês minhas leituras e opiniões. Dois anos de várias amizades maravilhosas que fiz. Também foram dois anos de bastante trabalho, dedicação e muita paciência. Sim, ser blogueira não é fácil! Mas também é bastante prazeroso.

Leituras de Agosto!!!


Olá leitores, tudo bem?

Este mês as minhas leituras foram zuadas. Isso mesmo. Não consegui ler quase nada. Estou completamente atônita, com a minha falta de tato para leitura neste mês. Ando passando por uns problemas e isso infelizmente tem me afetado bem mais do que eu imaginava.  Então, para o mês de agosto, só consegui ler um livro completo. Comecei outras leituras, mas estou parada nelas, porque simplesmente não estão indo. Espero que agora em Setembro este cenário mude. 


Este foi o único livro que consegui ler completo. A leitura foi maravilhosa e eu o li em uma semana, exatamente a ultima semana de agosto. Talvez meu foco esteja voltando.


Eu passei boa parte de agosto tentando ler este livro, mas não consegui me conectar, não consegui me prender e ele foi a minha primeira desistência de livros do ano... comigo não rolou, infelizmente. 

Bom pessoas, é isso. Espero consegui finalizar os outros dois que comecei e tentar ler mais, porque embora, eu não esteja conseguindo me focar, eu sinto muita falta.

Xero!!!

Resenha #378 - Rainha - Mari Scotti

E-book cedido pela autora.

Título: Rainha
Série Neblina e Escuridão
Autor: (a): Mari Scotti
Editora: Novo Século
Páginas: 416
Nota: 5/5

Resenhas: Híbrida - Guardião

A morte é algo definitivo, não tem volta, é difícil de superar e de alguma forma nos impulsiona a seguir em frente, pois sabemos que não há o que esperar dela.
Olá pessoas, tudo bem?

Andei uns dias com problemas de internet, por isso a ausência. Não consegui realizar as minhas visitas aos blogs que acompanho, mas estarei fazendo isso no decorrer da semana. Peço desculpas por isso e vamos seguindo!

Hoje eu venho com a Resenha de Rainha, terceiro livro da trilogia Neblina e Escuridão da querida autora Mari Scotti. Desde sempre eu tenho parceria com a autora, que é uma pessoa maravilhosa, então eu a acompanho desde a primeira edição de Híbrida. A autora possui outros livros publicados através da plataforma de vendas pela Amazon assim como: Montanha da Lua, A Noiva Devota, O Cobiçado e entre outros. A literatura nacional está muito presente na minha vida de leitora e blogueira e sinto um enorme orgulho e fazer parte desta família crescente.

Nossa eu surtei com a leitura deste livro, sério! Eu não imaginava sentir tantas emoções com esta leitura, mas digo que por diversas vezes meu coração ficou na mão, literalmente. Mari isso não se faz, só digo rs.

Rainha começa exatamente de onde Guardião parou. Isso traz uma memória fresca dos acontecimentos na mente do leitor, mesmo que tenha lido o livro anterior há algum tempo. Ellene está de luto, toda a vila está em silêncio, para eles a morte, além da dor da perda, é necessário um tempo de silêncio, para homenagear e manter a saudade das lembranças da pessoa que se foi. As coisas com a híbrida não estavam caminhando bem como ela achava que fosse acontecer. 

Após encontrar a rainha, ela achou que as coisas fossem melhorar e voltar aos eixos, mas ledo engano de nossa personagem, pois com o retorno da rainha, as coisas ficaram um pouco mais complicadas, Ellene ficou perdida, seus sentimentos estavam confusos e ainda tinha sua família da vila, Milosh e todos os inimigos que tramavam para derrubar o reino.

Segredos serão revelados uns bem sórdidos e outros de arrepiar o corpo inteiro. A matilha resolve se juntar aos seus inimigos naturais para ajudar a devolver a rainha ao trono. E as coisas parecem ficar bem mais complicadas do que eu imaginei. 

Elizabeth, sabe quem é o traidor, quem a sequestrou, quem a tornou escrava, ela ainda não pode revelar o nome, um simples toque fez com que as peças se juntassem em sua mente. Ela queria justiça e iria fazê-la de qualquer jeito. 

Ellene e Milosh, estavam confusos com o que sentiam, ela pensava na mãe. Ele pensava na esposa. O sentimentos deles estavam crescentes, não iriam resistir por muito tempo. Tomás, foi um dos personagens que mais gostei neste livro. Ele amadureceu tanto, ele colocou a sua amizade acima de qualquer coisa e lutou para ajudar sua melhor amiga Ellene em todas as batalhas. 

É muito sério isso que vou dizer agora. Eu esperei muito tempo por este livro. Quando a Mari me ofertou para ler em E-book não pensei, apenas aceitei, porque era uma trilogia que estava ansiosa para terminar a leitura. E posso dizer que foi épico. Mari construiu este terceiro livro, tão bem desenvolvido que o frio na minha barriga permaneceu durante todo o período de leitura. Eu jamais imaginei o quanto eu ficaria presa a esta história, o quanto ela desenvolveria bem o amadurecimento e crescimento dos personagens, como a descrição exemplar de todas as batalhas e que batalhas!

Muitas coisas foram bem explicadas no decorrer do enredo. Muitas coisas que me deixaram de boca aberta e outras que me torceram a mente. Eu fiquei viciada neste livro para ser bem sincera. Eu simplesmente não conseguia parar de ler. Sabe aquele livro que você perde o sono e fica até as 02:00 da manhã lendo e perde total a noção do tempo? Rainha foi um desses livros. Quando o finalizei, percebi o quanto minha respiração foi parada. O quanto minha mente fervilhava e o quanto a Mari conseguiu me enganar. Sim leitores, esta mulher com carinha de boazinha, me enganou não só uma ou duas vezes, ela me enganou várias e me bombardeou de situações e acontecimentos que me  deixaram atônita.

Porque sempre que acontecia uma batalha, eu pensava, agora sim tudo terminou e agora vamos seguir com os momentos de finalização do livro. Ai eu solto uma risada maléfica, porque a mulher tem uma imaginação fértil e brilhante, que construiu batalhas tão críveis que senti como se eu estivesse lá, vivendo sério!! Eu consegui mentalizar tudo, ver nitidamente cada fala, cada gesto, cada cena. Ela soube dosar a escrita de uma maneira doce e a mesmo tempo tão densa, que o azedume era sentido em meu paladar. 

Não estou exagerando, tudo que descrevi aqui é o que eu realmente senti. A Mari está de parabéns com a finalização massa que deu a esta série e faz um bom tempo que não me sinto tão realizada, ao finalizar uma trilogia e o melhor de tudo que é nacional.


Não posso falar da diagramação com mais detalhes, porque li em E-book. Posso dizer que a Mari fez uma ótima revisão, pois não me lembro de ter encontrado erros, acho que percebi apenas dois, mas que se você ler da forma louca que eu li nem vai perceber. Eu particularmente amei a capa e ela é condizente com a Rainha.

Em Híbrida, encontramos o foco em Ellene e toda a sua transformação, crescimento e descobertas. E Guardião o foco fica no meu delicioso Milosh, ele é o melhor. E em Rainha, descobrimos como é os pensamentos de Elizabeth e como ela sente por ter que cuidar de todo este reino. Esta foi uma das melhores trilogias que já li e fico imensamente grata a Mari por construir tão bem esta história. 

Então pessoas, finalizo esta trilogia, com o coração cheio de paz, pois eu fui muito feliz em tudo que li. Mas devo dizer a vocês, que depois que conhecer esta história, vai querer conhecer o metrô de sampa, pois depois de ler, jamais vai olhá-lo como os mesmo olhos. Sempre que ando de metrô, as imagens vem na minha mente instantaneamente. Xero!
Houve uma pausa e ele respeitou o tempo que ela precisava para falar, no entanto, cada segundo de espera deu ao seu coração uma batida mais lenta e ainda mais dolorida, porque não sabia o que ouviria e não sabia se seria compreensivo como preciso.