Resenha #347 - Corte de Espinhos e Rosas - Sarah J. Maas


Título: Corte de Espinhos e Rosas
Autor(a): Sarah J. Maas
Editora: Galera
Páginas: 434
Nota: 5/5

Olá! Tudo bem com vocês?

Quem quer resenha em dueto de novo levanta a mão o/!!!!

Eu e a Diana iremos resenhar em dupla novamente para vocês e este foi o livro escolhido. Lembrando que eu ficarei com a fonte  em vermelho e a Diana com a fonte em lilás.

Vamos falar hoje sobre um livro que eu particularmente amei a leitura. Eu gostei muito também, mas devo confessar que estava um pouco com o pé atrás rs.


Este livro foi escrito pela Sarah J. Maas mesma autora da série Trono de Vidro, também lançado aqui no Brasil pela editora Galera. Ambos são de fantasia, então convido os amantes desta temática para conferir a nossa opinião sobre esta história bem escrita e bem desenvolvida.

Cortes de Espinhos e Rosas, conta a história de Feyre, uma menina de família rica, que ainda muito nova viu sua vida ir abaixo, após a morte de sua mãe e falência de seu pai. Totalmente sem dinheiro e perspectiva de vida, o pai, suas duas irmãs mais velhas e ela se mudam para uma aldeia, para morar em um chalé, totalmente sem luxo e passam muita dificuldade. O pai de Feyre foi brutalmente espancado por credores e tem o joelho dilacerado e mal consegue se locomover, e suas irmãs Nestha e Elain, ainda se portam como se fossem da alta sociedade, se recusam a fazer trabalhos pesados, e vivem ás custas da determinação de Feyre, que se sente obrigada a cuidar de sua família, pois jurou isso no leito de morte da sua mãe.

Como sempre, Feyre ia até floresta para caçar animais para comer – ou fazia isso ou toda a família morreria de fome - e se deparou com um enorme lobo próximo a corsa que seria seu alimento pelas próximas duas semanas, indecisa sobre ficar sem comida ou ser notada pelo lobo e morta, ela confiou em sua impecável pontaria e atirou, matando o lobo.

O mundo aonde Feyre vive, não é comum. Os humanos são uma parcela mínima sobrevivente e quem reina soberanos são os Feéricos, seres sobrenaturais letais que são governados pelos Grãos-Feéricos, que são ainda mais letais. Existe uma muralha que divide as Terras Mortais das Terras Feéricas, e se eles não forem provocados, e o Tratado for respeitado, a convivência se torna praticamente invisível, e há muito tempo os Feéricos são mais lendas do que realidade.
Todos tínhamos ouvido, independentemente de classe ou patente, desde o momento em que nascemos os avisos cantados para nós enquanto nos balançavam em berços ou rimas entoadas nos pátios da escola. Um dos Grãos-Feéricos poderia transformar nossos ossos em pó a 100 metros de distância.
Até que certo dia, após retornar da venda da pele da corsa e do lobo que matou, Feyre e sua família recebem uma visita nada amistosa, mais precisamente de um Feérico. Aquilo os deixou muito amedrontados, porque a fera chegou com tudo, destruindo sem dó a porta de entrada e reivindicando um assassino.
A Besta devia ser tão grande quanto um cavalo, e, mesmo tendo o corpo mais ou menos felino, a cabeça era distintamente lupina. Eu não sabia o que pensar dos chifres curvados como os de um cervo que despontavam da cabeça. Mas leão, cão ou cervo, não havia duvida dos danos que as garras pretas semelhantes a adagas e presas amareladas poderiam infligir.
A Besta teve um motivo crucial para invadir aquela casa, seu amigo Feérico foi morto por um humano e devido as leis do Tratado, uma vida deve ser reivindicada por outra, e esse Feérico nada mais era do que o lobo que Feyre matou.
Ao longe, a besta era apenas uma sombra, me chamando para um destino que eu, sem querer, tinha infligido a mim mesma e a minha família. Uma vida por outra ... mas e se a vida oferecida como pagamento também significasse a perda de outras três? Só esse pensamento me deu coragem, me fez voltar a realidade.
E é nesse momento que Corte de Espinhos e Rosas tem similaridades com a Bela e a Fera, pois Feyre é levada pela Besta para as Terras Feéricas, por ter infligido o Tratado – que aliás ela não tem a menor ciência do que está escrito pois é analfabeta.

Ao chegar no castelo, logo Feyre tem uma surpresa, a Besta se transforma-se em Tamlin, um rapaz, com traços praticamente humanos, tirando as orelhas pontudas – um Grão-Feérico. Fora isso ele também usa uma mascara que é fixa em seu rosto, devido a uma maldição que aflige sua corte.
Era jovem ... ou o que podia ver do rosto dele parecia jovem. O nariz, as bochechas e a testa estavam escondidos por uma exótica máscara dourada, encrustada de esmeralda, com formato de redemoinhos ou folhas.
E não era somente Tamlin que sofria desta maldição, e sim todos os habitantes da Corte.

Feyre acredita que seu propósito eterno será morar com aqueles exóticos Feéricos por toda a eternidade, e após ter a certeza de que sua família está segura e feliz, toca a vida do lado daqueles seres normalmente, porém nem tudo são rosas no palácios, há os espinhos também, como por exemplo Feéricos malévolos que só querem ver a desgraça e destruição.
Tinha um rosto que parecia ter sido feito de desgastado, osso seco, a pele fora esquecida ou descartada, uma boca sem lábios e dentes longos demais, presos em gengivas escuras, fendas finas no lugar de narinas e olhos ... olhos que não passavam de fossos rodopiantes de um branco leitoso -  o branco da morte, o branco da doença, o branco de cadáveres já decompostos, ossos limpos.
Acontece que para proteger Feyre de uma ameaça, Tamlin a manda de volta para a sua família. Mas Feyre já apaixonada, não suporta ficar longe por muito tempo, e volta para o palácio, e ela descobre que para salvar seus amigos, precisa ir de frente a um destino bastante cruel. Muito cruel mesmo. Ela sofre demais. Pensa numa garota que sofre. Eu fico abismada com a coragem dela, eu não sobreviveria. Feyre me conquistou completamente, é uma personagem forte e com um empoderamento feminino de dar inveja.
Olhei para o antebraço esquerdo então, e meu estômago se revirou diante do sangue que pingava dos tendões rasgados, das dobras da pele repuxadas, para acomodar a lança de um caco de osso se projetando diretamente por ali.
Enfim eu me apaixonei por essa história e pela escrita da Sarah J Maas, é o primeiro livro que eu leio da autora e a sua história me prendeu no começo ao fim, porém  mesmo dando cinco estrelas e considerando um favorito, há alguns detalhes que eu também não gostei. Todo os meus elogios são voltados para a história que foi muito bem feita e principalmente pela Feyre que é uma personagem maravilhosa, ela tem uma garra admirável. Em compensação o Tamlin na minha opinião ficou um pouco a desejar. Em alguns momentos da narrativa da autora me incomodou um pouco, devido a algumas repetições principalmente no começo da história, mas mesmo assim foi uma leitura que valeu muito a pena e estou louca para ler o próximo que alias ganhei de presente de niver da Dih (há).

Ao contrário da Verônica eu gostei muito de Tamlin,  eu o achei um personagem incrível e tem suas qualidades. Ele está muito cansado. São muitos segredos. São anos de luta, tem muito sofrimento e as coisas por mais que pareçam, nem sempre foram fáceis. Feyre e Tamlin tem cada um a sua história e juntos, eles são mais fortes.
-Porque a sua alegria humana me fascina, o modo como vivencia as coisas em sua curta existência, tão selvagem e intensamente e tudo de uma vez, é... hipnotizante. Sou atraído por isso, mesmo quando sei que não deveria, mesmo quando tento não ser.
Eu confesso que não tive tanta vontade de ler a série O Trono de Vidro, mas sempre tive vontade de ler este livro, mesmo estando com o pé atrás, após a leitura de algumas resenhas. Confesso que inicialmente não estava animada, mas as coisas foram acontecendo de uma forma que quando percebi não conseguia mais parar, foi uma leitura cheia de aventuras e com um ritmo bem frenético, mesmo ainda sendo introdutório.

Eu entendo que quando a gente ama fazemos de tudo pelas pessoas que amamos, mas a coisa que mais detesto é gente folgada. E a família de Feyre é bem isso. Nem tanto pelo pai, mas as irmãs, pelo deuses!!! Uma é passiva e segue tudo que a outra faz. E Nestha trata Feyre de maneira rude e com muita grosseria, como se ela tivesse a obrigação de sustentar todos. Enfim, seria pra mim uma família que eu não sentiria a menor falta depois que eu fosse levada.

Aqui neste história podemos encontrar motivos para refletir, sobre a vida que levamos e o que queremos ser e transmitir a outras pessoas. Que ser líder não é só mandar e sim acolher e cuidar. Fala de relação familiar e que família não é apenas laços de sangue e que os sentimentos podem se transformar independente do lugar ou com quem está. A confiança é bem válida e os laços de amizade são importantes. 


Em relação a diagramação, por ter me apaixonado pela capa, eu não li a sinopse, não tinha a menor ideia do que se tratava – ou seja consumismo capista nível master – vocês claramente se identificam e me entendem, as páginas são amareladas, as letras são médias e confortáveis para leitura, a cada inicio de capitulo, tem desenhos de espinhos, e não me recordo de ter visto erros na revisão. Sarah construiu muito bem os personagens em minha opinião, e a história foi bem desenvolvida e uma ambientação bem composta. 
Talvez eu estivesse a caminho da minha morte, mais não chegaria desarmada. 
Espero que tenham gostado e até a próxima resenha. Xero no coração de todos!!

Este livro faz parte do #Desafio12MesesLiterários do item "Uma releitura de Contos de Fadas." Eu e a Verônica participamos e resolvemos ler juntas em participação também.

                                                                                                                                    

19 comentários

  1. Oie... Excelente escolha para o desafio. Apesar de eu não ler até então, tenho visto bastante comentário positivo sobre essa maravilha.
    Beijoka!
    www.facesdeumacapa.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Grazi, a escolha realmente foi ótima, foi uma leitura incrível.

      Bjos

      Excluir
    2. Olá Grazi,
      Menina fui pega de jeito na leitura deste livro devo confessar. Queria muito ler, mas estava com muito medo de não gostar, e admito, preciso do segundo urgente!!! Xero!

      Excluir
  2. Oi meninas, tudo bem? Eu adorei a resenha dupla, ficou muito boa. Parabéns! Eu tb não tinha vontade de ler a série, mas falam tão bem que fiquei um pouco curiosa. Acho essa similaridades com a Bela e a Fera muito interessante a trama realmente parece boa!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante
    Sorteio A guerra que salvou a minha vida

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiee

      Ficamos felizes que tenha gostado da resenha, o livro é muito bom e por mais que tenha similaridades com a A Bela e a Fera, é uma história totalmente diferente.

      Bjoss

      Excluir
    2. Oi Mi, muito obrigada, como a Verônica disse, amamos fazer essas loucuras, temos gostos parecidos e sempre encontrará resenhas como esta por aqui.

      Excluir
  3. Oi meninas, tudo bom?
    Guria, eu amo e venero ACOTAR como se esse livro fosse oxigênio (apesar de o segundo ser AINDA MELHOR, então já preparem o coração). Sarah J. Maas é dona da minha vida, tudo que ela toca se transforma em ouro <3
    O desenvolvimento da força da Feyre nessa série é abismal. Eu tô roendo as unhas pelo terceiro volume - que sai nos EUA essa semana KANFUOBASGUOBASGU - pra ver como a Sarah vai fechar essa história.
    Aguardarei seus surtos com o segundo volume!
    A resenha ficou excelente <3

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deniseeeeeee

      Eu amei tanto esse livro e fico tão feliz em saber que o próximo é ainda melhor, já estou com ele aqui doidinha para ler hahahaha, a Sarah me conquistou muito com essa história e pelo jeito essa mulher vai acabar com o espaço da minha estante, porque quero os outros livros dela.

      Bjoss

      Excluir
    2. Oiê Dê.... entendo completamente seu surto com relação a este livro... porque confesso que estou bem surtada... principalmente nos momentos finais do livro... acho que meu estômago revirou várias vezes... Feyre é a mulher... Xero!

      Excluir
  4. Oi, meninas!
    Gente, esse livro foi um dos melhores que li ano passado. E vocês vão ficar mais de cara com o segundo, que é ainda melhor!!
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe da promoção #Sorteio1KSeguidores

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menina to sabendo, e to desesperada para ler o próximo, mais eu tenho algumas prioridades na frente (puxa o ar e prende para acalmar hahaha)

      Bjoss

      Excluir
    2. Oi Lu, realmente todo mundo tá falando que o segundo ainda é melhor... quero comprar logo, mas só poderei no final de Maio... tenho que confessar que me surpreendi com a escrita desta mulher...

      Excluir
  5. Oi Verônica! Nossa, a história lembra bastante A Bela e a Fera né? hahahha primeira vez que vejo uma resenha em dupla! O livro não me chamou tanta atenção, mas se eu tiver a oportunidade vou ler!

    aboutbooksandmore.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiee Cassia

      Tem similaridades, com a mocinha sendo levada para morar no castelo do monstro e ser a responsável por quebrar a maldição, que é a base do desenho, mais fora isso a autora conseguiu escrever um livro totalmente original.

      Bjoss

      Excluir
    2. Oi Cassia, lembra muito sim, mas não acho que seja exatamente a releitura... de qualquer forma eu se fosse você arriscaria, porque eu fui laçada. Xero!

      Excluir

  6. Ótima resenha!

    Beijos;
    Jesse Lira | www.jesselira.com.br

    ResponderExcluir

Bem vindo ao blog Minhas Escrituras...
Fique a vontade para comentar aqui a sua opinião pessoal, sempre com respeito é claro!!! ;)
Você pode deixar o link de seu blog, que faço a retribuição com o maior prazer, mas não retribuo em postagens de promoção, ou seja, não comento.
Mensagem pra pedir que siga o blog, são automaticamente deletadas. Comenta no blog e deixa o link,farei uma visita no seu ok.
Quero agradecer a vocês que passam por aqui e deixam suas marquinhas, isso é muito importante... sintam-se a vontade...
Xero!