Resenha #304 - Algo de Infinito - Vivian Lopes


Título: Algo de Infinito
Autor(a): Vivian Lopes
Editora: Amazon
Páginas: 475
Nota: 5/5
Favorito!

Era como um quarto escuro. Não havia janelas. Não havia luz elétrica. O piso era frio e o ar úmido. 

Que leitura foi essa que eu tive gente! Eu demorei um pouco mais para ler, porque se trata de e-book e pra mim é mais complicado de ler, porque leio no celular e o meu tempo já anda meio escasso, mas eu fui firme.  

Inicialmente a leitura me pareceu um pouco parada e até arrastada, mas digo que só bem no inicio, porque depois a história me pegou de jeito, que chegou em um momento que eu simplesmente não conseguia parar. A exemplo disso é que fui almoçar sozinha umas duas vezes, porque precisava continuar a ler, porque os personagens martelavam em minha mente ávidos a me mostrarem mais de suas histórias. 

A história é contada em terceira pessoa, então dá pra você ter uma amplitude de todos os cenários e como os personagens vão reagindo em cada momento. O mais incrível dessa história é como as coisas vão se encaixando e vão se interligando. Eu não consegui me afeiçoar em apenas um personagem. Todos foram tão bem escritos e cativantes cada um em sua personalidade, que amei praticamente todos. 

Me senti como se estivesse lá vivendo com eles. Eles pareciam tão reais, tão palpáveis. Com problemas familiares. Com soluções. Pensamentos em seu futuro. Amizades, confiança, amor... que fiquei com a sensação tão boa dentro de mim, que sinceramente me senti bem leve quando finalizei a leitura e juro, foi tudo maravilhoso, mesmo com uma temática mais densa. 

Uma família marcada pela perda de uma filha. Um falecimento totalmente inesperado, que quebrou a todos em vários pedaços. 

Alice, não demonstrou nenhuma tristeza, não derramou nenhuma lágrima. Ela tinha uma raiva dentro de si. Acusou a irmã de ser egoísta. Ela queria ir para bem longe, onde ninguém a conhecesse. Onde ninguém soubesse quem ela era. Ela precisava recomeçar. 

-Ela está morta, é simples assim. - concluiu Alice, ainda olhando nos olhos do irmão e levantando-se em seguida.

Matthew, se sentiu perdido. Confuso, Quando soube de Samantha. A culpa começou a consumi-lo, porque ele poderia ter evitado. Quando ele foi a sua casa naquele dia, ele precisava contar o que iria acontecer. Ele precisava que ela não fosse ao baile. Mas, jamais imaginou que não contando, tudo isso poderia acontecer. Ele poderia ter evitado, mas não o fez. Isso o consome a cada dia. Isso mexe com ele a cada dia. Mesmo depois de tanto tempo. A lembrança ainda é vivida em sua mente. 

Precisava sair dali, precisava de ar, precisava voltar ao tempo até aquele 14 de Outubro. Um vento gelado bateu em seu rosto e preencheu os seus pulmões, comprovando que, ao contrário do que tanto desejava, aquilo não era um pesadelo e ele não acordaria um mês antes. O vento bateu mais forte e ele foi tomado por uma súbita vontade de chorar.

O tempo passou  e as pessoas foram seguindo em frente, principalmente a família de Alice. Agora ela era caloura em Yale, optou em ir para lá, por ser mais perto de sua cidade natal. Ela estava fazendo o curso de seus sonhos, biologia marinha. Matthew, estava no quinto período de Artes em Yale,  ele sempre amou a pintura e as formas. Quando soube que um dos pintores que ele mais admirava dava aulas lá, não pensou duas vezes em optar a estudar lá. 

Alice estava se sentindo bem em Yale. Lá ela conheceu a sua colega de quarto. Fez novas amizades, começou a trabalhar em um café super fofo e as coisas estavam caminhando. Definitivamente aquele momento era somente dela, sem a sombra de sua irmã.

Matthew, era um dos melhores alunos de sua turma de artes. Porque ele fazia tudo com muito amor e dedicação. Pintar para ele não era somente uma arte, era trazer vida. Luz. Paz em seu coração. Quando ele estava trabalhando em uma tela, sua mente ficava fazia e aquilo o deixava bem.

Os caminhos de Alice e Matthew se cruzaram em uma destas festas que aconteciam na faculdade. A amizade entre eles foi instantânea. Ele se deram muito bem. A afinidade entre os dois foi uma delícia de se ler. Junto a eles, entraram os amigos de Matthew. Principalmente Jenkinson, que amava a Sophie Kinsella, para quem é fã da autora, fica a dica para apreciar essa leitura também, pois fala-se muito nela e o Jenks, fala muito nela e faz as outras pessoas lerem também, parecendo nós leitores viciados em leitura.

Muita coisa acontece. Percebi que para falar de artes,  a Vivian deu uma boa pesquisada, ela não falou de forma infundada e entendia muito bem do que estava falando. Quando ela descrevia em detalhes das obras que Matthew pintava, eu conseguia visualizar na minha mente, mas juro que amaria ver essas obras em uma tela de verdade. 

Quando ela falou da história de Van Gogh, eu fiquei impressionada. Porque conheço ele só de falar, mas nunca me aprofundei sobre o assunto e quando Matthew fala de sua obra de arte favorita dele "Noite Estrelada sobre o Ródano", eu fico muito impressionada com a sua visão do quadro e claro como uma pessoa curiosa que sou, fui atrás para tentar chegar a sua visão sobre o quadro. Eu fiquei paralisada, porque o observando você pode ter várias perspectivas sobre ele, e pode achar várias definições, porque ele é tão presente, parece tão vivo, que você sente como se estivesse lá dentro, observando e namorando a paisagem. Sem palavras para descrever, o quanto amei as partes em que Matthew falava desse grande artista. 

Noite Estrelada Sobre o Ródano - Van Gogh

Eu poderia ficar falando e falando muito, mas posso acabar soltando spoilers e eu não quero isso. O que posso dizer é que amei a história. Amei a forma como Vivian descreveu os personagens com seus defeitos e qualidades. Como alguns eram mais fortes e outros tinham mais dificuldades para seguir em frente. Em como a confiança pode ser conquistada, mas quando quebrada pode ser fatal. Como uma amizade pode ser intensa e verdadeira e  mesmo sendo quebrada pode ser reparada. Como as relações familiares são fortes e intensas. Como podemos achar um refúgio neles. Em como a união pode ser o centro de tudo. E como o amor... supera qualquer dificuldade.

Essa história mexeu comigo de uma forma que eu jamais pensei que fosse conseguir. Ela me inspirou e me fez refletir. Me colocou em um lugar que eu precisava estar em meu íntimo e que eu recusava ir. Me fez perceber as pequenas coisas e como eu posso valoriza-las mais do que já faço atualmente e por mais que seja difícil, porque somos seres humanos. Temos que acima de tudo nos valorizar, para poder olhar para o lado e valorizar alguém.

Não há nada melhor e mais gratificante do que aceitar a si mesmo, do que sentir-se confortável em sua própria pele, do que ser quem você realmente é e não quem você pensa que deve ser ou quem os outros querem que você seja. Há uma beleza singela, porém intensa, em simplesmente ser você mesmo.

Não tenho como falar da diagramação, porque li em e-book, mas posso dizer que a escrita de Vivian neste livro está mais madura e com mais riqueza de detalhes, bem do jeito que eu gosto. Encontrei alguns errinhos de revisão. Nada que atrapalhe a leitura é claro. O espaçamento estava muito bom e o inicio dos capítulos estavam harmônicos com seus títulos condizentes. 

Eu recomendo demais a leitura, por tudo isso que citei na resenha e muito mais. Aqui não encontramos apenas uma história. Aqui encontramos vidas. Frases. Sentimentos. Confiança. Intensidade. Podemos compartilhar aqui de vários sentimentos, eu compartilhei. Lágrimas rolaram e eu acho que é um dos melhores livros dessa temática que li neste ano e o melhor de tudo, porque ele é nacional. 

Obrigada Vivian, por me apresentar essa história linda, simples, intensa e que me encheu os olhos e que me levou para uma viagem no mundo das artes e do amor. Quando se é verdadeiro, nada mais importa.

Sabe o que espero uma vez que começo a ter esperança, espero que a família seja para você o que a natureza é para mim, os montes de terra, a grama, o trigo amarelo, os camponeses. Ou seja, que você encontre no seu amor pelas pessoas algo não só pelo que trabalhar, mas algo que te console e que renove suas forças quando você precisar.

Desejo a todos uma excelente semana e que busquem realizar seus sonhos. Valorizem-se mais... e busquem seus momentos de felicidades. Xero!

Resenha #303 - Fábulas Cruéis - Luiz Vadico

Livro cedido pela editora.

Título: Fábulas Cruéis
Autor(a): Luiz Vadico
Editora: Empíreo
Páginas: 192
Nota: 4/5


Quando solicitei este livro, jamais imaginei que fosse gostar tanto. Ele tem uma coletânea de contos maravilhosos e cruéis. Você pode interpretar da maneira que achar melhor. Você pode até contextualizar, mas a moral da história sempre estará lá.

Vadico, pensou em tudo na construção deste contos e nas mensagens que você pode interpretar e se quer levar para a sua vida.

Confesso que é meio complicado resenhar um livro de contos, por causa da quantidade, então falarei aqui dos que mais me chamaram atenção e gostei mais. 

O Coro dos Passarinhos, me chamou muito atenção pela sua simplicidade. As vezes a união realmente faz a força. Um passarinho insatisfeito com a desorganização dos coros de outros pássaros, resolveu colocar tudo em ordem. Decidiu fazer com que todos se unissem para que o coro ficasse mais ameno e suave. Mas se pode ir contra a natureza? Bom, neste conto, mostra que a união faz a força, mas nem sempre ganhamos. Podemos perder e crescer, podemos perder e sofrer, mas tudo depende de nossas escolhas.

Em A Formiga e o Escaravelho, eu me diverti. Aqui eu percebi que as pessoas, tem a mania de se interessar pelo o que os outros fazem e comparar, para ver quem é o melhor. Vivemos em um mundo que tem suas particularidades competitivas e que dependendo muito da situação, podem chegar ao extremo. Grandes inimizades podem acontecer desta forma. A formiga em seu rigoroso trajeto em guardar mantimentos para o longo inverno, encontra um monte de esterco e no alto um besouro forte e garboso. Eles começam a conversar e logo começam a por defeito cada um em em seu modo de se alimentar. Fica evidente que ali está uma competição de quem come melhor... o besouro e o esterco ou a formiga e as folhas mastigadas. Eu me diverti com o diálogo dos dois. 

O Homens que Falavam Estrela, mostra uma civilização que muito se parece com a nossa terra. De alguma forma o modo como as pessoas falavam neste lugar foi mudando e se tornando mais simples. As pessoas cada vez menos demonstravam  emoções e desejos. Muitas vezes falavam muito e nada vinha como resultado. Até que um dia alguém sugeriu que apenas um vocabulário fosse utilizado para simplificar as coisas e para que pudessem viver bem  e mais tranquilamente, assim surgiu a palavra Estrela. Inicialmente não foi fácil seguir esta "regra", mas aos poucos as pessoas foram se acostumando e logo esta palavra se tornou algo único na maneira de se conversar. Mas será que isso é o certo? Ou as pessoas acham melhor viverem acomodadas em uma mesma situação, sem nada novo e diferente. Será que eram felizes em se resumir em apenas uma única palavra, sem saber exatamente como se sentiam? Como se fosse uma espécie de Máscara? Bom gente só lendo mesmo para tirar cada um a sua conclusão. 



Eu gostei de mais alguns contos, mas estes três foram os que mais me chamaram atenção. Vadico escreve absolutamente bem e cada fábula contada aqui, tem seu significado, mas somente cada leitor poderá tirar a sua conclusão. Eu posso ter tido essas opiniões, mas cada um vê as coisas de sua forma e isso é o que vale. Então digo que recomendo demais este livro. Eu jamais imaginei que fosse gostar tanto, até porque sou fresca e não sou de ler muitos contos, só quando são de terror, mas este livro me surpreendeu positivamente e claro que pretendo ler outros escritos do autor.


A diagramação do livro está perfeita! Gente sério. Está linda demais. O livro é de capa dura e essa belíssima ilustração é do lindo Eduardo Seiji, eu tive a oportunidade de conhecê-lo pessoalmente na bienal de sampa e claro que peguei meu autografo haha. Aliás, as ilustrações deste livro são todas dele e eu pude apreciar ainda mais seu trabalho. Ele tem talento! As folhas são amareladas e com bordas em preto. A fonte de tamanho médio. A leitura de fácil entendimento. Gente o livro é lindo demais. Vale a pena tê-lo e lê-lo. 

Gostaria de agradecer a Empíreo por essa grande oportunidade de parceria e de poder conhecer obras nacionais incríveis. Essa é uma delas. Podem apostar. Xero!!!


Lançamento Empíreo: Um Martine com o Diabo - Cláudia Lemes


Olá pessoas, tudo bem?

É com um imenso prazer que hoje eu venho falar deste lançamento da editora parceira Empíreo. Eu gosto muito da editora e das pessoas que trabalham nela. São super atenciosos e uns queridos. Meu amor por eles só aumenta. E hoje trago pra vocês a grande novidade tão aguardada por mim também. Mais um livro da Cláudia Lemes. Essa autora me ganhou com o livro Eu vejo Kate. Ela se tornou minha #diva das divas e desde que ela fala deste livro, eu não penso em outra coisa de querer ter a oportunidade de estar com ele assim que possível e lê-lo. 

Cláudia Lemes lança romance noir sobre a máfia italiana
Autora santista, sucesso, em 2015, com livro sobre serial killer, volta com um uma história crua sobre o violento mundo mafioso.

Com esse mote, Cláudia Lemes convida seus leitores a mergulharem em Um Martini com o Diabo. Um romance policial noir, recheado com uma tradicional história sobre a máfia italiana. Inspirada pelo clássico O Poderoso Chefão (Mario Puzo) e pelos mestres do gênero noir, Dashiell Hammett, Elmore Leonard e James Ellroy, a autora constrói um drama movido pela vingança e pelo ódio de um filho pelo pai.

Uma história densa e violenta não é novidade para Cláudia que em 2015 chegou às livrarias com o sucesso Eu vejo Kate – O despertar de um serial killer. O thriller conquistou fãs do gênero policial. A obra despertou a atenção pela escrita ousada e história transgressora e chegou a ganhar o praise de Ilana Casoy, criminóloga, escritora referência nacional em assassinos em série e consultora da série Dupla Identidade da Rede Globo.

“...Cláudia Lemes estreia com este romance impecável, nos brindando com a profundidade de seu conhecimento sobre a alma humana e criminologia (...) me deixou sem fôlego. É uma ficção mais do que real.” (Ilana Casoy)

Em Um martíni com o Diabo, Cláudia deixa de lado os assassinos em série, mas segue firme com a violência e crueldade tão marcantes dos romances policiais.  




Dessa vez ela conta a história de Charlie Walsh que para se vingar de seu pai, o mafioso Tony Conicci, infiltrar-se no restrito grupo de confiança da família Conicci. Mas esse desejo de vingança é posto à prova quando ele se vê seduzido por amizades, poder, drogas e dinheiro que a máfia oferece. Com o FBI em sua cola, e secretamente apaixonado pela enigmática esposa do pai, ele precisará decidir onde apostar sua lealdade.







Pré-venda:

Redes Sociais:

Lançamento: 
Um Martini com o Diabo 
12 de novembro
Sesc de Santos – SP

Por enquanto e isso pessoal, estou super empolgada com este lançamento. A Claudinha é uma mulher cheia de personalidade, linda, mãe, esposa, irmã, filha e amiga... ela é alguém que traz uma energia boa e todo esse sucesso e muito mais que vier, será mais do que merecido. Sim sou louca nessa mulher... a admiração que sinto por ela é pouco... só desejo o melhor pra ela e esse livro vai arrebentar... Não vejo a hora dela vir aqui pra sampa... porque estou quase indo pra Santos rs. Fiquem ligados!!! Xero!

Resenha #302 - Achados & Perdidos - Broke Davis

Obra cedida pela editora
Título: Achados & Perdidos
Título Original: Lost & Found
Autora: Broke Davis
Editora: Record
Páginas: 252
Formato: livro
Classificação: 3.0
No Primeiro Dia de Espera, Millie está de pé exatamente onde sua mãe indicou. Bem ao lado das Calcinhas Gigantes e em frente ao manequim de camisa havaiana. Volto daqui a pouquinho, diz a mãe, e Millie acredita.


O que Millie não sabe, é que sua amada mamãe a abandonou naquela loja de departamentos ou tudo que estava por vir, todos os obstáculos a serem superados na busca por sua mãezinha.
Todo mundo sabe tudo sobre o nascimento, mas ninguém sabe nada sobre a morte.
Isso sempre surpreendeu Millie. A escola está cheia de livros com fotos de mães com barrigas transparentes [...]
Os adultos querem que ela saiba dessas coisas, senão não lhe dariam aqueles livros. Mas ninguém, nunca, nunca mesmo, lhe deu um livro sobre Coisas Mortas. Qual é o grande mistério?
Millie é uma criança diferente de outras da mesma idade; com apenas sete anos, ela possui um caderno no qual anota tudo o que viu morrer, inclusive seu pai. Ela sabe que todos vão morrer algum dia.
Por que sua mãe a abandonaria embaixo das calcinhas a noite toda?
Millie fica de barriga para baixo e espia pela fresta entre as calcinhas. Sabe por que a mãe a abandonaria ali, mas não quer pensar nisso, por isso não pensa.
Enquanto espera por sua mãe, ela conhece três figuras:

  • Manny - o manequim que encontra na loja de departamentos e que a ajudou nos momentos de necessidade, salvando-a do guarda e lhe fazendo companhia.
  • Karl - o velhinho viúvo que fugiu do asilo para viver a vida intensamente. Ele tem uma peculiaridade: "digitar" no ar tudo o que fala.
Tudo bem com o senhor? O rapaz coloca o corpo para fora da janela do carro e tenta olhar para Karl, agachado no meio-fio. [...]
Sim, obrigado, diz ele, ainda agachado, espiando pela lateral do carro enquanto a viatura de polícia se afasta. Só me desequilibrei. De repente, Karl adora ser velho, adora o fato e ninguém imaginar que ele seja capaz de mentir. É um preconceito contra os idosos, pensar que são tão inocentes quanto as crianças, mas ele não se importa.

  • Agatha - é uma viúva maluquete, rabugenta, que só fala gritando e com uma rotina bem peculiar.
[...] Mas é brincadeira! Atira um dos braços para cima, e o chá respinga ao redor da xícara.
A menininha sai correndo atrás dela. Meu pai morreu.
Ora grande coisa! Agatha se vira para encarar a menina. O meu também! Bebe o chá de um jeito forçado.
Quando foi que ele morreu?
Há sessenta anos!
O meu faz três meses.
Isso aqui não é uma competição! E mesmo que fosse, então eu vivi mais tempo sem meu pai do que você!

A capa representa a Mille de sete anos, preenchida com a frase que a acompanha por toda a trama "Estou aqui,  mamãe." Isso foi uma sacada e tanto, pois a ilustração demonstra os pensamentos e sentimentos que a Millie tem e as coloca em uma única frase.

Não concordo muito com o testo na mala: não tive vontade de chorar, em alguns momentos até achei engraçado o livro, mas pude me sentir mais sábia, pois Mille traz alguns pontos para refletirmos.

O papel é off-white (amarelado), a fonte e o espaçamento entre as linhas são médios. As falas são representadas pela formatação em itálico. Infelizmente, encontrei alguns erros: 
  • página 57 "secretaria" sem acento;
  • página 211 "É do tipo reservado, dá pra ver. Bom, vá em frente . Pode comer" - primeiramente a conversa é entre mulheres, então o correto é reservada e é uma fala que não está em itálico.;
  • página 223 "É o que eu acho". - é uma fala está sem itálico.
Para quem recomendo? Para todos que curtem histórias tranquilas, mas profundas.


Pessoal, o que acharam? Deixem seus comentários.



Leituras de Setembro!


Olá pessoas, tudo bem??

Hoje eu venho com as minhas leituras de Setembro, antes tarde do que nunca né rs.

Tive apenas 4 leituras neste mês, o que achei muito, porque estou numa correria daquelas com a faculdade e a escola da minha filha e quase não consigo respirar. Quem acompanha o blog percebeu que a quantidade de postagens deu uma caída, mas ele vai continuar firme e forte.


Eu já esperava que esse livro fosse bom, mas jamais imaginei que fosse amar tanto. Foi uma leitura que fiz em um dia e meio sem perceber, porque ele me prendeu de uma forma que quando fui perceber, acabou. 


Esse livro tem uma coletânea de contos que são inspirados em O Corvo. Todos são nacionais. Temos 60 autores e 15 ilustradores. Eu gostei de muitos contos. Tem de várias formas e você pode viajar e escolher qual que mais curtiu. 


Esse livro foi uma grata surpresa. Eu me peguei curtindo e me divertindo com a leitura dele, de uma forma que jamais imaginei que fosse acontecer. Adoro quando um autor consegue me surpreender.


Esse livro foi muito bom. Danilo soube trabalhar as questões de sentimentos humanos de uma forma bem detalhada e bem intensa. Eu curti demais conhecer a escrita do autor.

Bom pessoal, por enquanto é isso. E vocês? Deixem seus comentários, se conheciam algum desses livros ou se já leram. Xero!!


Resenha #301 - O Cobiçado - Mari Scotti


Título: O Cobiçado
Rohan Sen
Autor(a): Mari Scotti
Editora: Amazon
Páginas: 414
Nota: 4/5

-O que eu tenho haver com um programa de emissora? - Virou-se irritado.
-Você é o homem mais cobiçado do Brasil...
-E do mundo! - Acrescentou Sabrina.

Ahhh, finalmente eu li este livro! Desde quando a Mari começou a me falar dele, fiquei completamente ansiosa para lê-lo, ainda mais  depois que saiu a capa, porque adoro um badboy com guitarra, então isso por si só já tinha me deixado bem cativada.

Rohan, vocalista da banda Four River, lindo, simpático e o melhor cobiçado por todas, foi chamado pelo seu amigo Teo para fazer parte de um Reality Show, onde ele seria a atração principal e 24 mulheres iriam disputar pelo seu coração. 

Aillen, uma moça de família, que trabalha como telemarketing e que adora ler. Encontrou na voz de Rohan uma saída para fugir de sua tristeza e perdas. Suas canções, sempre tinham uma mensagem pra ela e como adora tocar e cantar, ela ficava maravilhada com a construção e formação de suas músicas. 

A mulher sentiu seu estômago gelar. O que havia em sua cabeça para aceitar aquela loucura? [...] Deveria ter respondido não ao invés de se submeter a isto. Apesar de que se lembrar da curiosidade nos olhos castanhos dele a fez sorrir. 

Inicialmente Rohan relutou, mas no fim terminou aceitando colocando algumas exigências. Ele não sabia o que poderia acontecer, mas como um galã nato, ficou até feliz em ter 24 mulheres a sua disposição e ainda mais tentando agradá-lo.

Sabia que não encontraria o amor e que não acreditaria na sinceridade delas, mas usaria o tempo para se divertir, afinal sua única garantia era a diversão.

Aillen, foi convidada a participar do reality e jamais imaginou que fosse receber uma proposta dessas, mas pensando em ajudar os seus pais, ela não pode recusar, ainda mais porque estaria no mesmo ambiente que seu ídolo e teria a chance de estar perto dele, conhecê-lo melhor e a possibilidade de conhecer os demais integrantes.

Só que nem tudo são flores, porque muitas mulheres juntas em um mesmo ambiente e ainda mais disputando a atenção de um ídolo como ele, que era cobiçado por todas, poderia ser o caos.

As coisas nem sempre saem do jeito que se planeja, mexer com pessoas e com sentimentos é algo complicado, porque pode se nascer um sentimento a primeira vista e pode surgir de onde menos se espera e nosso cobiçado irá se encantar, sentir raiva e ter um misto de emoções que ele nem se quer imaginava. 

Como será dentro da casa? Como Aillen vai se sair quando finalmente estiver frente a frente com seu grande ídolo? Como Rohan vai se comportar diante de todas essas mulheres? E mais, com a chegada da misteriosa, que está toda vestida, sem nenhuma chance de reconhecimento e que irá jogar com o nosso cobiçado. Será que ela vai abalar a segurança das demais integrantes? Por que sabemos que homens adoram um mistério e quanto mais difícil, mais atrativo são para eles. Leiam!

Para saber de todos esses acontecimentos caro leitor, corre para adquirir o seu e-book e ler esta maravilha!

Eu adorei ler este livro. De verdade. Me diverti muito com a casa e com toda a ambientação criada pela Mari. Ela entende de Reality viu gente!

Rohan é um homem muito bom, mas tem um temperamento um pouco explosivo e uma personalidade fortíssima e a relação que ele tem com sua mãe é incrível. As partes em que eles dialogavam eram umas das que mais gostava. 

Os caras da banda eram bem animadíssimos e eu curti conhecer um pouco de cada um, mas já sei que vem mais edições de O Cobiçado, então preparem-se para conhecerem os demais integrantes da banda.

Não tenho muito o que falar da história, porque qualquer coisa que eu venha contar pode ser spoiler e eu não quero isso.

Não posso falar da diagramação do livro, porque o formato é em e-book, mas eu amei a capa, a revisão está boa, só o espaçamento no começo dos capítulos que ficaram um pouco desproporcionais, mas acredito que é por causa do formato mesmo, nada que venha atrapalhar a leitura. 

Eu li rapidamente e me senti presa do inicio ao fim. Eu senti como se estivesse assistindo um programa mesmo de TV e foi maravilhoso conferir esse romance com essa escrita e enredo diferente, porque eu nunca tinha lido nada dentro de um Reality Show e a Mari conseguiu mais uma vez me surpreender.

O aroma da pele dela era diferente, como uma fruta. Reconheceu-o, mas não recordou a quem pertencia, sentindo-se frustrado. Era de perfume simples. Barato. Mas, gostoso na pele. Sentiu-se impelido a beijar-lhe o ombro e, ao fitá-lo, notou a tatuagem, uma colcheia utilizada em partituras de música.

Há mais um nacional passando por aqui... Adorei a leitura desse e me sinto muito feliz de compartilhar com vocês! Xero! 

Resenha #300 - Arma de Vingança - Danilo Barbosa


Título: Arma de Vingança
Autor (a): Danilo Barbosa
Editora: Universo dos Livros
Páginas: 240
Nota: 4/5

Já vou lhe avisando: esta não é uma história de amor. Pelo menos não como a maioria delas. Haverá paixão, calor, fogo, juras de amor e lágrimas derramadas por corações machucados. 

Caramba, eu tinha muita vontade de ler este livro, ai a Juliana (Blog Entre Palcos e Livros), me presenteou com essa preciosidade, super bem cuidado e parecendo que ela nunca tinha lido. Aproveitei para conhecer o autor em um evento e fiquei mais ansiosa ainda para ler... porque o Danilo é uma pessoa incrível, de um ótimo bom humor, alegre, sorridente e completamente cativante, como não se apaixonar por uma pessoa dessa?

Falamos de Ana, uma mulher romântica e que mesmo não tendo um passado bonito no amor, ainda sonhava em viver uma história. Seu passado foi nebuloso e carregado de marcas e embora ainda tenha algumas cicatrizes que a deixa perturbada, ela ainda acredita que consegue viver um grande amor.

No entanto, não vou me lamentar mais. São apenas memórias. Apenas tristes lembranças que a névoa do tempo se esqueceu de cobrir. Por mais que sejam teimosas, querendo reviver, não vão voltar.

Ana conheceu Ricardo, um homem lindo, tinha um bom papo e no decorrer do tempo estavam apaixonados. Ela acreditava que tinha achado o amor da sua vida e mesmo que o fantasma de seu ex namorado tivesse reaparecido, ela não se deixou abalar, pois ter o amor de Ricardo era tudo que ela precisava e queria naquele momento.

Ele era super atencioso, cuidava dela, fazia surpresas, era um verdadeiro príncipe encantado. Mas não seria muita perfeição para um homem só? Do jeito que eu sou desconfiada, iria achar tudo muito estranho, mas estamos falando de Ana, que não teve um bom relacionamento e queria muito viver uma história. 

As coisas estavam caminhando rápido demais e Ricardo foi se mostrado perfeito demais, até para os melhores amigos de Ana, que apoiavam o relacionamento dos dois. Só que algumas coisas estranhas começam a acontecer. Um dos melhores amigos de Ana morre em um acidente e muitas outras coisas acontecem, inclusive Ana sofre um acidente e perde a memória, ela esquece de alguns fatos, mas com tudo isso veio uma mudança drástica. Ana se torna uma mulher, fria, calculista e vingativa. Ela se transforma em alguém completamente irreconhecível e é capaz de cometer atrocidades, para se vingar. Do que ela seria capaz? Só lendo mesmo para descobrir.

Minha cabeça só pensava em uma coisa: sobreviver. Tinha consciência de ter me arrastado pelo mato. A claridade do dia se iniciava sobre meus olhos, que mal se abriam. A boca seca com o gosto ferruginoso de sangue. Moscas sobrevoavam minhas feridas, formigas caminhavam pelo meu corpo, mas eu não pensei em desistir. Não terminaria daquela forma.

Eu gostei muito da leitura, principalmente das partes finais, Danilo conseguiu me surpreender com o desfecho, eu não esperava por aquilo. Sério! Confesso que esperava um pouco mais do enredo central. Porque fiquei muito ansiosa pela sinopse e pela frase "Esta não é uma história de amor." Claro que Danilo teve que escrever toda a uma trajetória  da vida de Ana, para que chegasse até o ponto que ela chegou. Mas eu confesso que esperava algo mais. Talvez se ele tive aumentado mais o número de páginas, para trazer uma Ana mais fria e sem nenhum escrúpulo. 

Quero que saibam que é essa é uma opinião pessoal, vocês podem ler o livro para tirar suas próprias conclusões. Eu conheci um homem nessa história, cruel, sem sentimento e completamente egoísta. Suas ações neste enredo me fez pensar, em como um ser humano pode ser desta forma, como que consegue viver assim, sobre o efeito do sofrimento de outras pessoas. Nossa... fiquei chocada com alguns de seus diálogos internos. 

Danilo conseguiu me prender no enredo, ele conseguiu me surpreender sobre o lado humano. Eu sei que no mundo em que estamos vivendo atualmente, não possa ter espaço para surpresas, mas ainda assim sempre tem alguém que aparece para nos surpreender e de todas as formas que você possa imaginar. Este homem criado pelo Danilo, foi capaz disso. Não consegui enxergar seus motivos, presumi, que por causa de sua criação, ele se tornou assim, mas porque ele já tinha isso e apenas foi aflorado de maneira negativa, só que não justifica. Se existiu um personagem que o Danilo escreveu respeitosamente bem e com direito a palmas e tudo, foi este homem. Não posso citar nomes, para não perder o brilho da história. 



Quero dizer que a capa do livro está condizente com os acontecimentos na vida de Ana. Porque é ela nesta capa, tenho certeza. A diagramação do livro está bem simples. Fonte de tamanho médio. As folhas são amareladas e tudo bem organizadinho. Não me recordo de encontrar erros de revisão, acho que não teve mesmo. Temos mais de um personagem narrando no enredo, mas a principal é a Ana, por isso falei mais dela.

Eu recomento a leitura pra quem gosta de um suspense leve, vingança, egoísmo, relações entre pessoas e um pouco de violência. No todo a história é muito boa, dá para ler sem medo de ser feliz rs.

Foi assim que saí dali, sem ter ideia do que iria acontecer. Achava que dessa vez eu teria o controle de tudo, que não cairia em armadilhas. Iludia-me que não haveria mais jogos. Mas o verdadeiro jogo de sedução estava apenas começando.

Bom pessoas, espero que tenham gostado. Eu adorei resenhar este livro, porque a leitura foi muito boa, fora que é nacional, isso por si só já tem um brilho especial. Xero!

Primeiras Impressões: A Batalha dos Sete Reinos - Bruno Godoi

Olá pessoas, tudo bem?
Ando meio sumidinha, mas são as correrias do dia a dia... a faculdade, minha filha e o trabalho estão me tomando um tempo que jamais pensei... mas são sacrifícios que fazemos para uma colheita boa no futuro, mas o blog vai continuar, sempre que der estou passando por aqui.

Hoje eu venho com uma postagem especial, onde irei falar de literatura nacional de um autor que é um querido, além de talentoso é charmoso: Bruno Godoi. Um mineirinho demais da conta!


NO ANO 6777, SETE REINOS SE FORMARAM NUM PLANETA DEVASTADO.
Depois de três Armagedons, toda terra do mundo foi engolida pelo oceano, sobrando apenas uma massa seca, a Ásia, o Continente Restante, onde sete cidades-reino se formaram: Atenas, Sodoma, Gomorra, Novo Egito, Nova Roma, Grande Babilônia e a Cidade do Clero. A realidade mudou e sete famílias de criaturas povoaram a Terra: bruxas, múmias, gigantes, vampiros, feiticeiros, metamorfos e assassinos. Nisso, um anti-herói despertou: Maldito, o Campeão da Roma antiga, um gladiador numa missão de localizar sete mulheres especiais que o ajudarão a vingar-se do arcanjo-comandante que o traiu. E, de sobra, Maldito quer afundar o Inferno no Abismo.
As mulheres são: Maria Madalena, uma prostituta do mundo antigo. Kassandra, a profetiza de Troia, uma maga. Nitócris, princesa da Babilônia, a Amazona Sanguinária. Beatrice Portinari, uma prostituta analfabeta de Sodoma, bela e sensual. Rosemary Woodhouse, uma homossexual desempregada de Gomorra, divertida e descontraída. Iracema Steel, uma nobre da Nova Roma, rica e de família influente. E Nêmesis, uma virgem grega, cujo nome significa: "Ascensão e declínio".
Maldito precisa, ainda, salvar um arquiteto da Idade Média (condenado pela Santa Inquisição e mantido preso nos calabouços da Igreja até hoje) que deve trabalhar com Michelangelo e Leonardo da Vinci num protejo pra decidir o rumo do mundo.
#TeamCéu #TeamTerra #TeamInferno #TeamMaldito
EM QUAL TIME VOCÊ VAI ENTRAR?
A GUERRA JÁ COMEÇOU!!

Quando o Bruno me apresentou o livro, confesso que aceitei mais por nossa relação de autor e blogueira. Até porque o livro é completamente diferente do que eu estou acostumada a ler, mas eu quis arriscar. Ainda bem, porque quando comecei a leitura, fui completamente surpreendida e me senti presa nos capítulos de degustação que ele disponibilizou e quando eu vi já tinha entrado nesse mundo louco e me ambientado com os personagens, principalmente o #maldito, como é citado na sinopse. 

Bruno escreve bem. Ele detalha o necessário para que o leitor possa se inteirar e se sentir cativado para continuar com a leitura. A narrativa é intensa e densa. Eu senti que estava lá... eu imaginei cada detalhe. Foi como se eu tivesse dentro da história, como se fizesse parte dela. E olha que eu só li 144 páginas e não vejo a hora de ter o livro inteiro em mãos.

A Batalha dos Sete Reinos, vai vir com tudo, vai prender o leitor, vai deixá-lo sempre ávido por mais, ainda mais para quem curte demais esse tipo de fantasia épica. Logo, teremos mais novidades tanto aqui no blog como na fanpage do face, então acompanhem.

Temos personagens fortes, intensos, sanguinários, cruéis e tudo mais. Eu até agora gostei muito do #maldito, pois tenho uma queda por homens marrentos e emburrados haha. Gostei muito de Beatrice, ela me pareceu bem louca, mas decidida. E tem mais, só que se eu continuar falando é bem capaz que eu solte um spoiler e não é isso que queremos. 

"O mundo muda, mas os tolos não."

Já digo que vem muita história por ai, mas que vai te fazer viajar, vai te fazer querer estar lá nem que seja com um simples observador. Se joguem!


Pessoas, eu falo bem sério quando digo que vocês podem encontrar de tudo um pouco nesse enredo, porque Bruno é muito bom no que faz aqui. Ele não passou quatro anos atoa, ele realmente construiu um novo mundo, reinos e que se pararmos para pensar, não estamos longe disso. Nós como seres humanos propensos a falhas, não enxergamos ou não queremos ver o que está para acontecer e o Bruno coloca essa crítica também na história de maneira não simbólica, mas realista.


Assim que tiverem a oportunidade, leiam este livro, porque ele veio para ficar e te prender... claro que essa é a minha opinião de leitora que não costuma ler livros fantásticos, mas que se viu presa e não quer parar até a hora que ele disser fim!


Esse é o querido Bruno Godoi já dentro dos personagens. Gente quem tiver a oportunidade de conhecê-lo, não percam a chance, porque ele é demais, não sou fã atoa. Ele merece todo esse reconhecimento, afinal, temos muitos talentos espalhados por ai. E precisamos dar valor ao que é nosso!. 

Redes Sociais:

Sigam as redes sociais e fiquem por dentro de tudo que acontece sobre A Batalha dos Sete Reinos!!!

Por enquanto é isso pessoal, qualquer dúvida, deixem nos comentários que irei respondendo.

Xero no coração de todos!!!
Estava com muitas saudades!



Tagarelando com Heloisa... Nosso Patrimônio...

Olá pessoal tudo bem?

Antes de começarmos quero dizer que a Coluna vai mudar de nome e se chamará Tagarelando com Heloisa, espero que gostem e podem opinar a respeito se quiserem. Pois, o nome Suas Escrituras é para qualquer pessoa que queira escrever algo e postar aqui. Aliás estou adorando a participação de vocês, continuem comentando! ;)

Hoje quero falar sobre um assunto que as vezes gera polêmica, discussões nas redes, etc.
Quero falar sobre NACIONAL X ESTRANGEIRO, expresso aqui meu ponto de vista.
Eu mesma só comprava livros estrangeiros até conhecer a literatura nacional e ver que temos excelentes autores aqui também. 
E que nem tudo que importamos vale a pena! Mas essa é só a minha opinião.

Bjs.

Imagem retirada do Google




Nosso Patrimônio
Por Heloisa Fernanda

Quando pensou que cada cultura tem o seu legado, suas tradições, sua representatividade. Reflito sobre o que nós somos ou o que nos representa. Pois, consigo ver claramente que não assumimos de fato nossas raízes e, é muito mais fácil importar tudo que é de fora.
Seja na moda, no cinema, na música, nas artes, na literatura!!! Principalmente a literatura...
É claro que lá fora tem muitas coisas boas, mas aqui também. Penso no por que da supervalorização do que é estrangeiro. Nós não somos patriotas, pelo contrário queremos a pátria alheia.
Um dilema que vejo inúmeras amigas escritoras viverem, conseguir se consagrar no mercado editorial nacional. Como pode isso? Um produto nosso, de qualidade, muitas vezes superior aos estrangeiros e está onde? No fundo das livrarias em um espaço mínimo. Pois os estrangeiros estão ocupando o restante da livraria com destaque e louvor.
E a culpa seria de quem? Ela é minha, sua, de todos nós, pois somos o país que tem vergonha. Vergonha do outro, de nós e dos que nos representam.
Voltando aos livros nacionais, nas redes sociais vejo a guerra que se forma em torno do tema.

NACIONAIS X ESTRANGEIROS

Acredito que coisas mal feitas têm em qualquer lugar, inclusive no velho mundo. Mas parece que o que vem de fora nos é mais bem quisto, talvez nos dê mais status ou, tem a ver com a moda do momento. Hoje quero ser mais cult ou geek. Percebo que até ser nerd hoje tem a ver com a modinha e não apenas o gosto, as atitudes (mas isso fica para outra conversa).
Pouco  a pouco vão inserindo em nossa mente o que nos é certo, apropriado, o que devemos ou não consumir. E dessa forma, vamos deixando de lado nossos próprios interesses e adotamos algo que nos foi incutido, no começo aos poucos, mas agora é uma enxurrada de coisas, ideias, vestimentas, músicas, filmes, livros. Querem nos enfiar tudo goela abaixo!
E nós simplesmente permitimos...






Resenha #299 Olhos de Lobo - Rosana Rios

Obra cedida pela editora

Título: Olhos de Lobo
Autora: Rosana Rios
Editora: Farol Literário
Páginas: 440
Formato: livro
Classificação: 5.0


Essa resenha não possui spoilers do volume anterior: Sangue de Lobo (resenha aqui)




Sinopse:
Erich ergueu-se e saltou para a frente, de volta à mata.
Nunca soube quanto tempo durou aquela fuga com a perna ferida, a mata se tornando mais escura e densa e o arfar da fera seguindo-o, farejando seu sangue, apertando o cerco. Só sabia que precisava prosseguir, ir para longe, afastar o lobo da cidade.
De súbito, pisou em falso numa pilha de folhas que ocultava uma fissura no chão.
E despencou de bruços dentro de um grande buraco.
Cuspiu terra e detritos, enquanto a dor aguda na perna tirava o seu fôlego. Virou-se e se deixou ficar, de costas, no fundo da depressão. Podia enxergar o luar brilhando sobre os troncos e galhos das árvores, que formavam uma cúpula sobre o bosque.
Tentou erguer-se: os seus braços arderam e não obedeceram.
Pensou em pedir ajuda, mas sabia que ninguém viria. Estava sozinho, morreria sozinho.
A criatura parou no alto do buraco e examinou sua presa caída, impotente. Os olhos de lobo brilharam de novo. E os dentes se arreganharam num riso de triunfo.

Uma agente federal é convocada a Porto Alegre para resolver um possível assassinato em série, no qual as vítimas apresentam os lóbulos de suas orelhas cortadas e tiro na nuca. O que elas tem em comum além do mesmo assassino? Serem descendentes de imigrantes alemães e possuírem um fotografia antiga de seus parentes longínquos.

O interessante do livro é que ele não se prende apenas a essa série de crimes em Porto Alegre, ele vai mais longe, para outros países e até para um passado muito distante, onde tudo começou. Foi muito importante a revelação sobre os fatos que culminaram na infecção de Leonor com o Fator L e fiquei em êxtase com o envolvimento dos Irmãos Grimm na história, simplesmente fantástico.


A autora mandou absurdamente bem, só tenho elogios para essa trama, que tem diversas reviravoltas e descobertas que me deixaram de queixo caído. O ápice foi descobrir as identidades que o assassino e seu lobo de "estimação" usavam, foi genial. A leitura foi super agradável, cheia de mistério e suspense do jeito que eu gosto. Não imaginava, mas ela superou o primeiro volume!

As páginas são amareladas, com fonte média e espaçamento entre as linhas é pequeno. Felizmente, encontrei apenas um erro.
 — Vamos, meu tesouro - disse, ao apagar e luz e deixar a sala carregando a cestinha. — Vamos para casa.
Para quem recomendo? Todos, principalmente para quem curte mistério, suspense e literatura nacional.

Para quem não recomendo? Para quem não curte os itens acima, seres fantásticos e assassinatos.

Pessoal, o que acharam? Deixem seus comentários.


Resenha #298 - Sem Olhar para Trás - Lycia Barros


Título: Sem Olhar para Trás
Autor (a): Lycia Barros
Editora: Valentina
Páginas: 256

**Resenha por S. M.**

"O passado ficou no passado. Conseguiu manter sua fé em dias melhores. Você brigou para sobreviver e, Deus sabe como conseguiu manter a mente sã". 
Estou tão, mais tão emocionada com essa estória que estou sem palavras. Já conhecia a escrita da Lycia, mas esse livro me encantou de todas as formas possíveis. 

A autora traz um tema tão permeado de sofrimentos, medos, culpas, assunto tão antigo e atual como a violência doméstica, que faz várias mulheres de vítimas pelo mundo afora, de forma brilhante. 

Faz os leitores refletirem, pensar em como pessoas sofrem caladas por medo, vergonha e tantos sentimentos devastadores. Ao ler a história de Aghata, uma mulher que foge de casa para viver um grande amor e, logo descobre que tudo não passa de um castelo de areia que se desmorona e a devasta por tanto tempo, que para sair dessa situação humilhante, aterrorizante, recorre à coragem e ao amor de Deus, que se manifesta através de boas pessoas, anjos na Terra,  o leitor não fica imune a absolutamente nada. 

Emoções diversas faz com que viremos as páginas para saber mais, para "acabar" com tanto sofrimento. E é esse sentimento que faz com que a leitura flua naturalmente.

LYCIA mais uma vez me prendeu. Ah, que boa prisão. Estava mesmo precisando de ler algo que fizesse meu coração palpitar. Parabéns, Lycia Barros. Arrasou. E parabéns à editora Valentina por nos presentear com mais essa bela história. 

Por acreditar que os leitores vão se apaixonar pela história de Aghata, uma mulher que sofre, mas que vê na bondade de Deus, a solução para os problemas. Amei!

Até mais!
S.M.
Respire Livros.


Resenha #297 - A Garota de Treze - Lilian Reis

Livro cedido pela editora.

Título: A Garota de Treze 
Autora: Lilian Reis
Editora: Mundo Uno
Páginas: 220

**Resenha por S. M.**

Luce acaba de completar 13 anos, porém não se sente nada feliz com isso. Pelo contrário, queria mesmo era estar completando seus 16 anos. Mas como diz sua mãe: aproveite para viver cada dia de sua vida, intensamente. Não atropele as coisas. Cada situação a seu tempo.

Treze anos e, claro, curiosidades sobre vários assuntos vem à mente das adolescentes. Parece que o mundo vai acabar daqui a pouco e querem tudo para o já. 

Luce é uma garota que não é popular no colégio. Tem poucos amigos, não se acha bonita, aliás, só as outras meninas são bonitas em sua visão. Ela é uma garota romântica e sonha com seu primeiro beijo. 

Mas ela não quer ser beijada por "pirralhos", que em sua opinião, são fúteis demais. Sua mãe não arreda pé de controlá-la, pois teme que a filha siga "o mal caminho". Mas qual é a mãe que não se preocupa? Será que Luce conseguirá driblar dona Bete, e conseguir seu primeiro beijo? Até que ponto nossos desejos são bons pra gente?

A autora consegue abordar assuntos como paqueras, inseguranças, amizades, primeiro amor, incertezas sobre si mesmo, medos, angústias, tudo que uma adolescente vive mas, nem sempre consegue conversar com alguém de maneira brilhante e suave. 

A aventura de Luce nos faz pensar em quanto cobramos de nossos filhos (do ponto de vista de mãe) sem querer ouvi-los. Eu super recomendo a leitura para jovens e adultos, pois aprendemos que a verdade é sempre o melhor caminho a seguir. 

Não podemos ter tudo que queremos e, certamente, frustrações e consequências positivas ou negativas certamente surgirão, pois mesmo sendo adolescentes, o livre arbítrio é nosso, mesmo com outras pessoas nos aconselhando. As dores somos nós é que precisamos sentir. Pois é errando que se aprende, Luce também aprenderá. E, nós leitores, iremos amar mais um livro da Lilian. E por falar nisso, dona Lilian, vai ter mais um livro? E esse final que quase me desidratou?


Até mais!
S.M.
Respire Livros!

Resenha #296 - Na tristeza e na alegria, o que mata é o dia a dia - José Francisco de Lara

Obra adquirada pela resenhista
Título: Na tristeza e na alegria, o que mata é o dia a dia – do matrimônio ao pandemônio
Autor: José Francisco de Lara
Editora: Cócegas
Páginas: 120
Formato: livro
Classificação: 3.5
Sinopse:
Passamos boa parte de nossas vidas à procura da companhia ideal e outra nos queixando de nossas escolhas.
De maneira simples, direta e despretensiosa, este livro analisa algumas das inúmeras falhas cometidas por homens e mulheres quando resolvem investir em um relacionamento afetivo.


Essa obra não tem pretensão de ensinar ninguém a manter um relacionamento. Entretanto mostra os erros mais comuns que culminam em separação, tudo de forma simples, prática e, na maioria das vezes, divertida.
O relacionamento é seu e você quer que EU lhe diga o que fazer?
Cai na real!
Não há uma fórmula para isso.
Um bom começo é não incorrer nos erros mencionados até então.
Apesar de ter uma visão machista em alguns momentos, ele equilibra com pontos de vista que defendem as mulheres. Isso torna a leitura mais leve e engraçada, principalmente quando ele dá os choques de realidade.
Para seu marido não acordar com a macaca... depile-se!!!
Nunca subestime a capacidade de um homem de subestimar uma mulher.
Todo homem tem quatro grandes sonhos:
Ser tão bonito quanto a mãe acha que ele é, ter tanto dinheiro quanto o filho pensa que ele tem, possuir tantas mulheres quanto a mulher dele acha que ele possui e ser tão bom de cama quanto ele acredita ser.
A leitura pode ser feita, tranquilamente, em poucas horas. Por isso, não dá para escrever muito a respeito do livro... as páginas são brancas com fonte grande e espaçamento entre as linhas é médio, o que torna a leitura agradável até mesmo na condução. Infelizmente, encontrei erro, felizmente foi só um!
Página 86: [...] pessoas que são protagonistas do problema e deixam de buscar a solução ele. Para exemplificar, vamos aproveitar a nossa antiga historinha.
Recomendo para todos, exceto para crianças devido ao tema.

Pessoal, gostaram? Deixem seus comentários, se já leram essa obra e o que acharam dela, etc.

Resultado do Top Comentarista de Setembro


Olá pessoas, tudo bem??

Hoje venho com o sorteio do top comentarista de Setembro!!! Finalmente! Desculpem a demora.

Tivemos muitos inscritos, mas somente 4 pessoas, seguiram persistindo do inicio ao fim. Essas 4 pessoas ficaram empatadas e de acordo com a regra faríamos sorteio em caso de empate.

Top Comentarista de Agosto - 16 postagens válidas
Livro O Guardião + Marcadores Diversos
NúmeroNome:12567810121314192126272829
1Eduarda Rozembergxxxxxxxxxxxxxxxx
2Ana Paulaxxxxxxxxxxxxxxxx
3Maria Fernanda xxxxxxxxxxxxxxxx
4Marcia Saltãoxxxxxxxxxxxxxxxx
5Michelli Pradoxxxxxxxxxx
6Andréa Barbosaxxxxxxxxxxx
Eis a ganhadora:


Parabéns Ana Paula... você foi a vencedora deste top uhuuuuuu!!!

Já foi enviado e-mail para a ganhadora que terá um período de 48 horas úteis para responder, caso contrário será realizado um novo sorteio!

Obrigada a todos que participaram dos tops comentaristas... eu adoraria continuar, mas infelizmente o número de participante está muito reduzido e neste caso, eu não consigo arcar com um top assim.

Nota:

Estou com alguns prêmios pendentes para envio, mas estou com muitos trabalhos na faculdade e no trabalho normal... mas acredito que nesta semana eu já consigo fazer os envios... desculpem pela demora.

Xero!!