Livros até a página 100 #10 - O outro lado da memória

Oi Galera...
Tudo bem com vocês??
Hoje eu venho com o livro O outro lado da memória da querida autora parceira Beatriz Cortes.


*Primeira frase da página 100:

Mas descobrimos que éramos capazes de conversar sobre outras coisas além dos assuntos de sempre.

*Do que se trata o livro?

Em minha visão trata da vida de uma garota que passou por um sofrimento muito forte e que causou cicatrizes que estão deixando marcas em sua vida, a fazendo desistir do amor e de querer saber a real sensação de senti-lo.

*O que está achando até agora?

Estou gostando muito... a protagonista tem um jeito impulsivo que me faz lembrar de minha adolescência e de como eu era as vezes muito mal humorada.

*O que está achando da protagonista?

Eu muitas vezes a acho muito sensível e com um escudo tentando se proteger para não sofrer mais, coisas causadas por um medo terrível. O medo da gente nos transforma de uma forma dominadora que as vezes nos enlouquece. Mas eu a acho divertida com suas frases irônicas e sarcásticas. 

*Vai continuar lendo???

Siiiiim. Quero saber o desfecho... ainda tem um certo mistério com o que pode acontecer... 

*Melhor quote até agora:

Algumas pessoas dizem que o mundo acabará em fogo. Outros dizem que ele acabará em gelo. Pelo que provei do desejo, fico com quem prefere fogo. Mas, se tivesse que parecer duas vezes, acho que conheço o bastante do ódio para saber que a ruína pelo gelo também seria ótima. E bastaria...

*Ultima frase da página:

-Nem ligo! Estou acostumada a ver minhas amigas fazendo muitas coisas que eu também não posso! -sorri.

Bom galera linda é isso, logo mais teremos resenha do livro.... Xero!!!!!


 Bom dia !

Gostaria antes de tudo, agradecer a minha querida amiga Diana, pelo convite para agregar mais informações neste lindo blog! 

Alguns membros aqui já me conhecem do grupo Minhas Escrituras que administro junto com a Dih, desde que o grupo foi idealizado.

Para os que não me conhecem vou fazer uma rápida apresentação:

Meu nome é Veronica, tenho 28 anos, sou completamente apaixonada por leituras que envolvam mistérios, magia, romances, suspense e ação, principalmente se estiverem tudo em um enredo só. Terei como responsabilidade aqui no blog a função de colunista, postarei novidades, curiosidades, noticias interessantes e por ai vai, lógico sempre voltado ao mundo dos livros. Peço a todos compreensão no inicio, pois postar em um blog é uma novidade para mim, então vou me aperfeiçoar com o tempo.

Bom a primeira publicação que farei, na realidade não considero uma grande novidade, afinal ela foi noticiada a algum tempo, mais não poderia deixá-la de colocá-la aqui, por isso a escolhi.

Foi noticiado a umas duas semanas atrás no site da Lauren Kate, escritora da Saga Fallen, os atores que irão interpretar o casal Luce e Daniel. O filme começa ser gravado em Setembro com previsão de estréia em 2014.


 Addison Timlin como Luce

Addison começou sua carreira com a turnê nacional de "Annie" 2000/2001.  

Ela cantou cada papel órfão antes de assumir o papel de Annie, quando ela tinha 9 anos. 

Seu amor pela fase continuou a várias produções de Annie incluindo Papermill Playhouse e no Teatro de The Stars Posto ao lado de Conrad John Schuck antes de ir para a Brodway, como Baby Louise em "Gypsy", com Bernadette Peters. 

Addison também é visto em um filme chamado "Isabel Peixe", dirigido por Lara Zizic para o Festival de Cinema de Columbia.




Jeremy Irvine como Daniel

Seu nome de nascença é Jeremy Smith e levou o primeiro nome do avô como seu nome artístico.

Irvine desempenhou o papel de Luke na série de TV Life Bites e apareceu com a Royal Shakespeare Company em 2010, produção de Dunsinane .Em junho de 2010, Irvine foi escalado para interpretar o personagem principal no filme de Steven Spielberg, War Horse , lançado em dezembro de 2011.

"Um dia, meu agente, que adora pregar peças em mim, me chamou para um teste. Então eu corri para Londres e eles me colocaram na frente da câmera. Virei o roteiro e leitura 'Steven Spielberg quer que você jogue Albert em Cavalo de Guerra'. É assim que eu descobri que eu consegui o papel. "

O filme é uma adaptação do romance de Michael Morpurgo, também intitulado War Horse . Irvine foi selecionado para jogar Albert Narracott, o personagem principal, ao lado de outros atores britânicos, incluindo Peter Mullan e Emily Watson, como pai e mãe de Albert, respectivamente. Durante a produção do filme, Irvine começou a ser representada pela agência Creative Artists de julho de 2010, além de agentes Hatton McEwan no Reino Unido
.
"Eu não sei se ele vai ser real por um longo tempo. Meu sonho era estar trabalhando como ator, seja em pequenos espetáculos de teatro ou qualquer outra coisa. Que eu fazer como isso está além dos meus sonhos. "

Em abril de 2011, a Variety informou que Irvine tinha sido escalado para interpretar o papel de Pip numa Mike Newell produção cinematográfica de Grandes Esperanças de Charles Dickens contra Helena Bonham Carter.Em outubro de 2011, o repórter Holly observou que Irvine era esperado para jogar o jovem Eric Lomax em uma produção cinematográfica de The Railway Man , com Colin Firth jogar o Lomax mais velho no filme.




A Lauren ainda fez um comentário relativo aos dois, falando que as fitas de audição de ambos foram emocionantes e que em breve seria anunciado quem fará o Cam !!

E aí gostaram das escolhas ?

Até a próxima !





Veronica Nielsen - A nova colunista do blog.

Olá galera!!!
Hoje eu venho anunciar a vocês a nova colunista do blog... 


Veronica Nielsen

Ela é uma pessoa super legal, alegre, antenada e melhor de tudo é uma de minhas melhores amigas, sabe aquela amiga tipo irmã?? É ela. Fora que ela já divide comigo a administração do grupo Minhas Escrituras no facebook, nós nos conhecemos a quase cinco anos é uma amizade que quero levar comigo para sempre. Ela adora ler...  rssrs e gosta de escrever também. Gosta de assistir séries e adora brisar comigo sobre os livros que lemos em comum.

Então galera, deem boas vindas a Veronica...  as colunas dela serão em primeiro momento todas as quartas, então ela sempre virá com novidades literárias para nós.

E então gostaram? Xero!!!

Entrevista com a autora do livro Cores de Outono - Keila Gon - #3

Olá pessoas!
Tudo bem com vocês? 
Hoje eu trouxe uma entrevista com a autora parceira do blog Keila Gon, uma pessoa super legal, admirável e que eu a cada dia que passa aprendo a gostar muito mais. Pois ela por si só já é uma encantamento em pessoa.

ME: Oi Keila, em primeiro lugar gostaria de te agradecer pela oportunidade e confiança de se tornar autora parceira do blog. Gostaria de dizer que admiro demais a sua escrita e que você é um doce de pessoa que adoro conversar e quero sempre manter contato independente da parceria que temos.

KG: Digo o mesmo Diana! Oh e me desculpe a demora em responder suas perguntas, sei que extrapolou a paciência... e sei também que ando sumida... mas está realmente uma loucura aqui... indo e vindo no texto para encaixar os detalhes kkkk estou indo a loucura, você sabe, ainda tem casa, filha e marido no pé...kkkkk Oh Lord!

ME: Magina Keila, sem problemas. Imagino como deve ser a correria. E a entrevista ficou pronta no dia exato que eu queria postar. Então não perdi a paciência não rsrsrsrs.



ME: Como foi a construção da personagem Melissa e Vincent?

KG: A Melissa e o Vincent nasceram da vontade de criar romance... Sério, sou uma romântica incurável, chegada nos tipos complicados. (risos)
Muitas pessoas reais, personagens de desenhos (sim, leram certo, desenhos) filmes, livros e algumas músicas inspiraram estes dois personagens. E juntar tudo isso foi muito divertido. A Melissa é um mix de personalidades reais, de pessoas que eu amo... e claro, tem um pouco de mim, (principalmente no gosto musical e na teimosia). Na construção de sua personalidade, quis deixar o medo e o amor em doses iguais... Aproximá-la da realidade, na confusão e nas dúvidas. Ninguém nasce heroína... as mulheres aprendem a ser guerreiras, com mancadas, acertos, dificuldades e vitórias. E ela vai crescer muito ainda, espero (risos).
A Melissa foi divertido, mas o Vincent... Ahhhhh... Foi MMMMMMMUUIIIIIIITTTTTTOOOO Bom construir esse Bad Boy! (risos) Ele também foi inspirado em pessoas reais (com medos, arrependimentos e dúvidas... MUITAS dúvidas), mas também em personagens de desenhos (sim, mais uma vez os desenhos), músicas, filmes e livros (Ah Diana, e você, como eu, é apaixonada em um deles... fonte de inspiração eterna! Ah Mr. Darcy... ahahhaha). E o gostoso de escrever sobre alguém bipolar é ter liberdade para deixar o sarcasmo dar alfinetadas... sabe aquele lado malzinho que muitas vezes tem tolerância zero? Então...(risos) Ele com certeza é meu alter ego!

ME: Você colocou alguma coisa real nesse livro? Tipo algo que veio acontecer com você ou alguém próximo?

KG: MUITAS VEZES. Muitas cenas foram inspiradas no cotidiano, em lembranças pessoais ou de histórias de pessoas próximas... Vixe é tanta coisa que vou listar algumas... outras tenho que manter em sigilo (risos)
*A atração ao caos da Melissa, por exemplo... Misturou experiências pessoais e lembranças de uma amiga próxima (Desculpa amiga Dani Codognho, mas a cena do laguinho ainda me tira risadas ahahhahha).
* As aventuras nos bosques da montanha são lembranças da infância com minha irmã, (Rosana Castelane, ou , para os amigos do face, CamomilaRosa do “ CamomilaRosa e Alecrim”, ela é a minha querida Tata), na verdade, ela é uma grande fonte de inspiração real... Para muitas cenas do livro.
*A inabilidade ao volante é minha mesmo (risos).
* As panquecas com mel são as preferidas da minha filha... e os desenhos do Herói alienígena também... Ela adora o Stitch!
*Afundar na lama... gente, aconteceu e acontece muito, fazer o quê...
* Jasmim é o meu perfume, adoro!
* Minha irmã é mais chocólatra do que eu. Fato.
* O brigadeiro é muito real (risos)
* A inscrição (faça o certo não o fácil) no iPod também... Veio gravado quando ganhei do marido... Ohhhhh
*”Cinco Minutos”... acho que esse não preciso falar... mas é especial para mim.
*Ouvi muitos “causos” do meu falecido avô paterno quando era criança... lá nas montanhas de Minas... e a história do “homem da capa preta” foi um dos que nunca esqueci.
* Rose existe. É minha melhor amiga, ela ficou lá em Minas. Beijos Rose!
* O Kit Kat é paixão da amiga Dani Codognho... Totalmente viciada.
* A cidade de “Campo Alto” é fictícia, mas sua fotografia é muito real... quem conhece Campos do Jordão e Santo Antonio do Pinhal pode confirmar. E vou muito a estas duas cidades, principalmente à “Campos”, meus pais moram lá.
*O bistrô foi baseado em um restaurante de Amsterdã, o “Three Sisters”
E para finalizar... Choquem-se...
*O moletom cortado a tesoura, a camiseta velha e as meias coloridas... não são invenção...fazer o quê (risos)
Bom... melhor parar aqui...ahahahhahh a lista é grande demais!



ME: Como chegou a ideia de transformar seus escritos e imaginação em um livro de fantasia e romance?

KG: Escrevi por diversão, nunca tinha escrito antes e nem sabia se ia dar certo. Mas depois a coisa cresceu... cresceu... Quando minha mãe e irmã leram, veio o primeiro incentivo. Depois foi a vez da amiga Dani Codognho, que também leu a versão original da história com mais de 600 páginas (isso que é amizade)... com o apoio deles, fiz os ajustes (ou zilhões de correções, se assim quiserem chamar ) para tornar o texto viável para publicação.

ME: Quando você começou a escrever cores você já tinha uma ideia formada sobre ser uma série?

KG: Não. A princípio seria apenas um livro. Mas a história cresceu muito e concluímos (eu e minha irmã... ah não disse, mas ela e meu cunhado são meus críticos particulares) que seria mais fácil dividir. Oh Lord... e nem fale, é tanto detalhe que fica difícil escolher o que fica e o que sai, o que aumenta e o que diminui... é complicado, trabalhoso ... MAS MUITOOOOO BOM!!!!!!!!!!!!! (risos)

ME: Como foi a escolha do nome “Cores de Outono?”

KG: Ui... essa é longa (risos) Bom, lá vai...
Da Teoria das Cores de Goethe... sem sombra e luz, não poderíamos ver as cores. Daí nasceu a trilogia e grande parte da metáfora da Saga.
As estações vieram para complementar a metáfora... Eu amo o outono, principalmente em Campos do Jordão... adoro as cores dessa estação e não imagino outra época para começar a história. Principalmente porque a história deles não é um começo, mas um recomeço... Vou explicar, falando em simbologia... o outono pode ser traduzido como o começo do fim. E aí veio o nome do primeiro livro “Cores de outono” representam o “RECOMEÇO” para os personagens. Seguindo a linha de pensamento, onde primavera é felicidade, em “Sombras da primavera”,  eles, os personagens, vão ter que enfrentar sombras (dificuldades), para encontrar a felicidade. E, por fim, em “Luz de inverno”, onde o inverno é o fim, será o “ÀPICE” de suas vidas. Onde os personagens completam uma jornada de descobertas, e iniciam uma nova... o ciclo da roda da vida.
Aí vem a pergunta... Cadê o verão? Bom, eu não sou fã do verão.  (risos). Sério gente, passo muito mal... acho que nunca fui fã das altas temperaturas (mais risos)



ME: Gostaria que você desse um breve relato de como foi a sensação de ver o seu livro  resenhado nos blogs.

KG: Identificação. Lembra quando disse que escrevi “Cores” por diversão? Então, é como ler uma opinião do seu livro favorito... sabe quando as pessoas falam de um livro que você é apaixonada e você diz “isso isso!”... Então. (risos) Sério, depois que a ficha caiu, me dei conta do número de pessoas que gostaram da história... e pode ter certeza é MARAVILHOSO dividir sua paixão!

ME: Cite dois livros que você leu em 2013 a qual você gostou muito e porque?

KG: Ahhh maldade... dois?
“O destino do tigre”... ah gente, são MEUS tigres (risos).
“O Farol do Porto da Paz”... fazia tempo que um nacional não me emocionava tanto!

ME: Nos fale um pouco quem é a Keila Gon?

 KG: Ui... lá vamos nós...(risos) Gente, é muito difícil falar assim...(risos)
Bom, sou uma sonhadora incurável. Romântica apaixonada. E muito teimosa! (risos) Amiga fiel. Odeio injustiças. Sou desatenta por natureza e vivo atrasada. Amo viajar! Muito!!!! Adoro conhecer lugares novos! Mas na maior parte do tempo, gosto de ficar quieta. AMO as montanhas, um dia vou morar lá... “este é” meu grande sonho. Tenho paixão por livros e desenhos... (principalmente a Bela e a Fera), café e brigadeiro. Gosto de café reforçado...Brunch, não de almoço. Não uso marcadores, marco orelhas nos livros (sei, isso é horrível). Sinto sono mas vivo lutando com ele... e normalmente viro a noite para ler um livro que gosto. E quando gosto, não consigo parar... não leio rápido, sou compulsiva. E isso é diferente (risos). Aprendi a não ter medo. Mas isso não quer dizer que não tenho vergonha. MORO de VERGONHA, DE TUDO! E apesar de parecer intimidadora, sou boazinha por dentro ahahhahhahah.

ME: Para quem ainda não leu o livro, o que o leitor pode esperar de Cores?

KG: “Cores de outono” é a introdução de uma saga que será dividida em três partes. Esse primeiro volume apresenta personagens, suas histórias, encontros... e a magia que nasce de seu romance. Mas o leitor também vai descobrir outra magia, bem devagarzinho... (risos)... Nesse outro mundo o leitor se depara com o normal e o improvável, o real e o fantasioso. E tudo o mais que uma mente sonhadora quiser acreditar. Sempre imaginei que poderia haver algo mais, além do que nossos olhos podem ver e esta saga vai brincar muito com isso. Este mundo, perceptível a quem quiser ver é repleto de fantasia, mas também perigos... como nosso mundo, sem utopias. E mostrar esse o outro lado da magia foi muito divertido!

ME: Vi que você postou uma foto bem legal no facebook, gostaria de saber como anda a escrita de “Sombras da Primavera” e se já tem alguma previsão de lançamento.

KG: Em breve... Sei que é vago, mas os detalhes me fazem ir e vir na história muitas vezes. E mudar capítulos. Mas estou mergulhada nele, fiquem tranquilos... A louça está acumulando na pia, filha e marido já encontraram o caminho da secadora e sabem discar para o DELIVERY. Assim, espero acabar logo e ter notícias em breve! JURO QUE O BREVE SERÁ BREVE (risos)
Mas pra ficar um gostinho...
Bom... Vocês já viram o primeiro capítulo de “Sombras” no final de “Cores”, mas deixei um gostinho do terceiro capítulo no blog do livro...



ME: Qual o seu tipo de leitura preferido?

KG: ROMANCE /FANTASIA... SEMPRE!

ME: Você considera que a nossa literatura está em grande fase de crescimento? Sim ou não? E por quê?

KG: Sim, pelo número de lançamentos que vejo nas livrarias, como qualquer leitor. O que falta é acabar o preconceito. Principalmente o MITO que literatura nacional é chata... sabe trauma de escola? Pois bem, até os clássicos podem ser apaixonantes gente! JURO!

ME: E para finalizar, vamos fazer uma rapidinha coloque o que vier na mente.

Desejo: felicidade.
Fé: sempre.
Cor: azul.
Mês: março.
Uma Palavra: amor.
Uma frase: Não faça à outros, o que não gostaria que fizessem a você.
Um pensamento: “Pessoas boas merecem coisas boas”
Importante: verdade.

ME: Quero te agradecer por ceder ao Blog Minhas Escrituras essa entrevista, quero que saiba que ter você como autora parceira é uma honra e que eu estou morrendo de vontade de ler cores de novo. Esse livro foi maravilhoso de se ler, muito obrigada por me apresentar essa obra. Ahhh não podia deixar de comentar sobre o Mr. Darcy meu grande amor... Adorei a entrevista, você foi maravilhosa e ri bastante, mais uma vez obrigada. Xero!

KG: Eu que amei as perguntas Diana!! Sério! Desculpe mais uma vez a demora e obrigada pela paciência!!  Desejo muito sucesso para o MINHAS ESCRITURAS, sempre!
BEIJOS de coração e muitossssssss XEROSSSSS de Jasmim!!!!!!!!!!!!

E ai pessoas o que acharam? Deixem seus comentários.... Xero!

Novela Literária - Recomeço - Capitulo 2


Recomeço - Capitulo 2 - Classificação +15

Nayra deu outro sorriso malicioso e pensou não precisava de amiga e muito menos uma irmã, o que ela achava que iria colocar uma espiã para relatar tudo que ela fazia não Nayra estava muito na defensiva, não acreditava nas boas intenções de Stefanny, estava achando que aquilo tudo era fingimento e queria descobrir o que ela estava pretendendo, pois estava tudo muito estranho. Camila apareceu na entrada toda sorridente e Nayra ficou a encarando toda séria...
Camila: Olá! Bom dia Nayra, eu sou a Camila.
Nayra: Oi Camila!
Stefanny: Camila mostre o quarto dela e a casa eu vou precisar sair agora e estarei de volta para o jantar ok, deixe a Nayra super a vontade e se quiserem sair fiquem a vontade, a Nayra foi roubada e levaram todas as suas coisas, então ela está precisando de roupas ajude ela está bem?
Camila: Pode deixar madrinha ela está em boas mãos.
Nayra: Eu não quero sair, só quero ir para o meu quarto, eu tenho uma muda de roupa na minha frasqueira.
Stefanny: Tudo bem imagino mesmo que você está cansada, bom mais tarde estarei de volta para o jantar.

Nayra virou as costas e disse pra si mesma: “mas não vou esperar ela mesmo” e foi interrompida por Camila que disse...

Camila: Então está feliz??
Nayra: Porque estaria?
Camila: Mudança de vida.
Nayra: Preferia a minha antiga com o meu pai vivo de preferência.
Camila: Entendo a sua dor, perdi minha mãe faz um ano e ainda dói muito.
Nayra: Eu perdi meu pai em uma semana e tive que largar toda a minha vida pra morar com uma estranha.
Camila: É normal, você não cresceu perto dela se fosse comigo eu também me sentiria assim.
Nayra: Olha eu quero ir para o meu quarto pode ser?
Camila: Claro, por aqui.

Elas subiram a enorme escadaria de mármore e Nayra realmente ficou maravilhada com a casa, pensou que ela deveria ter muito gasto pra manter aquilo tudo e ficou imaginando o quanto de dinheiro que ela tinha, no meio do caminho Eduardo apareceu, fazendo os pensamentos de Nayra evaporar...

Camila: Oi Eduardo!!
Eduardo: Oi Camila...
Camila: O que aconteceu? Porque essa cara?
Eduardo: Nada de importante...
Camila: Então depois a gente se fala.
Eduardo: Vai ser difícil agora né? Tem que cuidar de sua irmã.
Nayra: Não seja por isso, Camila por mim você pode ficar a vontade, só preciso saber onde é meu quarto.
Eduardo: Não se engane Camila essa garota é irritante, chata e mimada de educada ela não tem nada.
Nayra: Olha cara não sei o que eu fiz pra você ou o que está acontecendo na sua vida, desde o aeroporto você me trata mal e sem motivos, não gosto disso, não desconto minhas frustrações em outras pessoas inocentes, então veja direito como você me trata.
Eduardo: Porque se não você vai reclamar com a senhora Stefanny pra ela me mandar embora?
Nayra: Não, pois não costumo ser injusta com as pessoas por mais que elas mereçam.

Eduardo se calou e saiu, deixando Nayra satisfeita, enfim ela tinha conseguido colocar ele em seu lugar, nunca tinha topado com alguém tão atrevido.

Camila: Não ligue pro Eduardo ele é marrento assim, mas é gente boa, logo você vai ter a oportunidade de conhece – lo melhor.
Nayra: Eu não quero conhece – lo melhor, só quero ir para o meu quarto.

Elas chegaram ao quarto de Nayra e Camila abriu a porta pra ela, quando Nayra entrou mais um vislumbre diante de seus olhos, seu quarto era enorme e tinha uma cama imensa que parecia muito mais confortável do que a sua. O pai de Nayra também tinha muito dinheiro, mas eles gostavam de viver com simplicidade, nunca tinha faltado nada pra ela, só que ela não estava acostumada com tanto glamour, sua vida seria bem diferente naquela cidade e naquela casa, ela gostou também do desenho de fada que tinha em sua cabeceira e pensou como a Stefanny sabia que ela gostava de fadas? Como ela sabia que a sua cor preferida era lilás? Nayra estava muito confusa e se virou pra Camila e disse...

Nayra: Obrigada por me trazer, mas eu preciso ficar sozinha.
Camila: Tudo bem, se precisar é só chamar.

Camila saiu e Nayra sentou em sua cama ficou olhando ao redor do quarto, resolveu ir até o banheiro e ficou mais maravilhada ainda com a banheira, ela também tinha uma banheira no seu banheiro, mas era menor, Nayra resolveu preparar um banho relaxante e entrou na banheira. Ela não sabia o que seria e nem como seria  a partir dali, mas de uma coisa ela tinha certeza estava tudo muito estranho, pois uma pessoa que nunca se importou com sua existência Não podia dar esse tipo de tratamento pra ela, será que era remorso? Não a Stefanny estava fingindo e ela tinha que descobrir que segredo tinha por trás de todo esse tratamento, mas ela não queria nenhum tipo de contato com ela o mínimo possível, parecia mentira tudo isso que estava acontecendo em sua vida, Nayra fechou os olhos e a primeira imagem que veio na sua cabeça foi a do seu pai sorrindo foi ai que percebeu o quanto estava cansada, o quanto seu corpo estava pesado e o quando a dor estava forte, ela começou a lembrar até das broncas que ele lhe dava, das vezes que saiam juntos para dançar, pois seu pai foi um dançarino muito famoso e ensinou várias coisas para ela, mas enfim ele nunca quis obriga – la a nada, queria que ela fizesse suas escolhas, além de nadar Nayra amava dançar dois ritmos, Raga e Salsa, mas tinha um pouco de medo e timidez os últimos anos tinha sido cruéis com ela e ela ainda se sentia marcada por um passado muito triste. Nayra abriu os olhos e percebeu que pegou no sono, pois seu corpo estava enrugado, ela se levantou vestiu o roupão e daí foi que se lembrou que não tinha nem seu pijama pra vestir, mas quando entrou no quarto viu umas roupas e um bilhete em cima de sua cama e começou a ler...

Nayra: Oi... Nayra sei que está sem roupa e sei também que não quis dar o braço a torcer na frente da madrinha, trouxe um pijama pra você e essas roupas creio que vestimos o mesmo número, deixa de orgulho bobo e use, mas decida – se em comprar roupas você precisa, não adianta dizer que vai conseguir viver com 4 peças de roupas, se precisar me chame sem medo, Camila...

Nayra deu um sorriso e pensou “Puxa essa Camila parece ser uma pessoa legal” Mas ela ainda não confiava nela ainda acreditava que ela estava a espionando a pedido da Stefanny, mas achou legal sua gentileza e tinha que concordar que precisava de roupas ainda bem que ela se lembrou de por calcinhas a mais em sua frasqueira. Ela vestiu seu pijama foi daí que reparou que já era noite, mas não iria descer, não queria ficar diante da falsidade da Stefanny, queria ficar ali debaixo das cobertas quentinha e sozinha, pois precisava pensar sobre o que fazer de sua vida durante esse ano que iria passar nessa cidade e principalmente nessa casa, ela nunca foi cheia de amigos principalmente depois do que aconteceu com ela, mas naquele momento estava se sentindo tão só sem ter ninguém para conversar, seu pai era seu melhor amigo, ela contava tudo pra ele até sobre garotos, mas e agora? Quem teria a paciência de ouvi – la, quem poderia dar um puxão de orelha quando ela realmente precisasse? A Stefanny é que não seria mesmo, então de repente ela escutou alguém batendo na sua porta e fechou os olhos fingiu dormir, Camila abriu de leve a porta, chamou pelo nome de Nayra não recebeu retorno e fechou a porta novamente, Nayra tinha certeza que alguém foi chama-la pra jantar e ela nem quis saber de nada, apenas começou a chorar até pegar no sono. Camila desceu e disse a sua madrinha que Nayra estava dormindo e Stefanny não quis incomodar, mas pediu a Camila pra ajudar ela no que fosse preciso, queria que ela se sentisse bem enquanto estivesse na casa, Camila embora não dizendo a sua madrinha queria que ela contasse logo a verdade dos fatos para Nayra, pois não gostava do jeito que Nayra falava e que mais tarde ao saber da verdade se arrependeria, mas enfim isso era com sua madrinha.

Xero... Ótimo final de domingo para vocês...

**Esta é uma obra de ficção original. Todos os fatos ocorridos no desenvolvimento da história provém da mente da autora e suas inspirações artísticas  nenhum fato é real, assim como os presentes personagens. Não plagie, copiar o conteúdo dessa obra é burlar a lei nº 9.610/98 dos direitos autoriais. Qualquer semelhança com nomes e personagens é mera coincidência.**

Resenha #33 - Pluvia - Erica Azevedo

Nome: Pluvia - Entre Segredos e Esperança
Autora: Erica Azevedo
Editora: Novo Século - Novos Talentos
Páginas: 280

Sinopse:
Ana cresceu empenhada em sua história fantásticas, mas nunca teve oportunidade de se aventurar por elas. Abandonou-as ainda na adolescência, enxergando que a realidade é dura demais para tais voos inocentes. Mas, em meio a uma viagem a um vilarejo desconhecido no sul do Brasil, ela tem a oportunidade de se enveredar por um mundo totalmente novo, quando, em meio à chuva do fim de tarde, observa as gotas se transformarem em pessoas iguais a ela. Sentindo o fogo que a preenchia na infância se reacender com a curiosidade, Ana vai atrás deles e se depara com um pedido de ajuda e a descoberta de um novo mundo: Pluvia. Mas o que essas pessoas realmente escondem? E qual o segredo por trás dos profundos olhos azuis do estranho senhor da mercearia? E o que de tão terrível está assustando os pluvianos a ponto de fazê-los pedirem ajuda a uma menina indefesa? Essas respostas serão desvendadas e muitas outras perguntas surgirão no decorrer da leitura de Pluvia. O primeiro livro da série "Os Mundos" traz um misto de aventura, romance e diversão para os leitores de literatura fantástica e que, como Ana, possuem sede por conhecer outros mundos.

Esse é o livro de estréia da querida autora parceira Erica, o primeiro livro da série "Os Mundos", em primeiro momento gostaria de relatar que eu estava muito ansiosa para ler essa obra, principalmente por ver "Chuvas" de resenhas sobre ele e eu queria e muito estar por dentro dessa historia. 

O livro começa com Ana uma garota de 17 anos que está terminando o ensino médio e que é muito sonhadora, ela sempre gostou de ler e viajar nesse mundo fantástico da leitura o que se deve ao seu pai que trabalha com livros antigos e isso de certa forma a influenciou, mas na medida que foi crescendo Ana percebeu que a realidade era muito pior e que o mundo de fantasia existia apenas em sua mente e foi deixando isso um pouco de lado. Na verdade ela estava para entrar de férias no meio do ano letivo e queria muito ir viajar com a sua melhor amiga Sofia, mas estava sendo um pouco complicado seus pais deixarem que isso acontecesse porque em outra ocasião ela meio que fez seus pais perderem a confiança nela  e ela desde então lutava para conseguir de volta.

"Apesar de Sofia e das outras amizades na escola, ela gostava de se manter com seus livros, que acreditava serem suas maiores companhias. Assim, desenvolveu um universo particular naquele pequeno apartamento."

Como seus pais não a deixaram viajar com sua melhor amiga, eles resolveram partir em uma viagem de família para o sul  do Brasil onde ficaram em um chalé em um vilarejo desconhecido cedido pelo o tio Jonas, um tio em que Ana gostava e muito, ele apareceu em sua vida quando ela tinha 10 anos e de cara lhe deu um bracelete lindo e muito valioso a qual ela usaria durante a viagem para demonstrar a ele que sempre gostou do presente. Chegando ao vilarejo Ana e seus pais percebem que existia apenas duas construções o chalé que iriam ficar e uma mercearia, mas aquilo não assusta Rodrigo e Laura os pais de Ana, mas ela fica intrigada com a estranheza do lugar, principalmente quando passa pela mercearia e se depara com um homem estranho de olhos bem azuis e que tem uma capa prateada.

Alguns dias se passaram e Ana se sentia um pouco entediada, e foi em um final de tarde que ela resolveu se aproximar da janela de seu quarto para observar a chuva e as gostas que iam caindo e batendo de leve em sua janela, foi daí que levou um susto ao perceber que algumas dessas gotas de chuva se transformavam em pessoas iguais a ela e movida por uma chama até então escondida em seu íntimo e sua curiosidade Ana foi até o local para onde essas pessoas se direcionaram e quando viu que eles foram até a mercearia estranha de repente ela se viu rodeada por algumas dessas pessoas todas com capas prateadas.

Foi ai que Ana descobriu Pluvia, um mundo paralelo ao seu em uma outra realidade e ainda mais foi surpreendida por um pedido de socorro, os Pluvianos precisavam urgente de sua ajuda e aquilo a intrigou um pouco porque não sabia por quanto tempo ficaria longe de seus pais e porque pedir exatamente a sua ajuda, ela que era uma garota simples sem nenhum tipo de poder. No fim Ana foi com eles, embarcou nessa viagem que a faria descobrir que o mundo até então que parecia apenas uma fantasia de criança, poderia ser de verdade.

(imagem da fanpage da autora)

O Livro me encantou demais, me apresentou personagens essenciais na vida de Ana agora que ela estava em Pluvia na cidade de Penafort, onde era lugar que eles treinavam. Os amigos em que ela fez logo de cara foram:  Julian, Vevila (achei esse nome fantástico), Calix, Estelle e Canton onde com eles viveria uma verdadeira aventura de conhecimento do lugar até descobrir o que assustava os Pluvianos e como ela poderia ajudá-los. A Erica soube apresentar cada um desses personagens incrivelmente bem, mostrando a personalidade de cada um de modo que consegui entender quem era quem sem ficar confusa e ainda me apresentou Aléxi um Pluviano mal humorado, marrento (adoro!) e que se achava e muito, mas que também seria essencial na busca de respostas com Ana.

O que eu posso dizer desse livro foi que a Erica conseguiu me surpreender com a sua escrita, leve e de fácil entendimento, me apresentou um bichinho super fofo e as vezes mal humorado o Dermilin que eu queria um para mim com toda a certeza. Quando eu fechei a parceria com ela eu fiquei em uma expectativa muito grande com a leitura, porque já pela sinopse fiquei intrigada de como seria essa história fantástica que ela me apresentaria, ai fui lendo algumas resenhas e a minha vontade e expectativa só crescendo e ela conseguiu com tudo isso me surpreender, eu simplesmente amei a história, ela construiu muito bem os personagens principalmente Aléxi, Ana e o tio Jonas. Fiquei encantada com o mundo Pluvia e seus habitantes, tudo na verdade não tenho o que dizer a não ser que espero com muita ansiedade a continuidade. E de fato é um livro que mega recomendo e sei que quem ler vai sentir o que eu senti com a leitura.


A capa do livro é linda e com suas folhas amareladas dão um toque especial na leitura, a diagramação do livro em perfeita sintonia com todo o contexto do livro, eu li Pluvia e nem parecia que eu tinha se quer aberto o livro de tão igual que ficou desde o dia em que chegou aqui em casa. Eu levei três dias para ler, porque só leio na ida e na volta do trabalho e as vezes antes de dormir, mas o que quero dizer é que se eu tivesse tempo teria lido em um só dia, porque foi uma leitura maravilhosa, eu simplesmente não conseguia para de ler, e mesmo já embarcando em uma outra história, Pluvia simplesmente não sai dos meus pensamentos, com certeza será um livro que vou ler de novo e de novo... Obrigada  minha querida autora parceira Erica por me presentear com essa leitura fantástica e que me fez trasportar literalmente para o mundo de Pluvia. 

Xero no coração!!!!!!

Novidades... A Editora Farol Literário divulga o book trailer do livro Morra por Mim...

Olá galera!!!!!
Hoje estou trazendo uma novidade da Editora Farol Literário.
É o book trailer do livro Morra Por Mim de Amy Plum, mas antes de conferir o vídeo, vamos ler a sinopse???

Sinopse:

Depois que seus pais morrem em um acidente de carro, Kate e sua irmã, Georgia, vão morar com os avós em Paris. Enquanto Georgia encontra na balada a cura para sua tristeza, Kate é mais introspectiva e se recusa a sair e se divertir, até resolver ir para um café com seus livros para tomar um pouco de sol. Ela conhece Vincent. um belo e misterioso garoto parisiense.
Ao se relacionar com o menino e descobrir a sua história, Kate tem que escolher entre deixar sua paixão de lado e seguir a sua vida em segurança, ou assumir seus sentimentos e toda a complicação que seria namorar alguém imortal e com inimigos, e mudar para a sempre a sua vida.

"Eu sabia que existia algo diferente em Vincent. Eu tinha sentido isso, mesmo antes de ver sua foto no obituário. Era algo distante de mim, e muito obscuro para eu conseguir entender. Então eu ignorei. Mas agora vou descobrir quem ele é."

Agora galera vamos ao esperado... Não sei para você, mas para mim estou contando os dias para o lançamento, quero muito ler esse livro. A capa é linda, parece bem cheia de detalhes, adorei a sinopse, mas confesso que o book trailer me ajudou e muito no aumento da ansiedade, bora conferir???


E ai?? O que acharam?? Não deixem de comentar, quero saber a opinião de vocês... Xero!!!!

Curiosidades #3

Olá galera, tudo bem com vocês??
Hoje eu venho com mais curiosidades sobre os livros... Nossa cada uma viu que eu estou boba aqui rsrsrs.


Os países que mais consomem livros no mundo são, pela ordem: China, Estados Unidos, Japão, Rússia e Alemanha.

O país com o maior número de livrarias são os Estados Unidos, com uma para cada 15 mil pessoas. No Brasil, existe uma para cada 70 mil pessoas.

O livro mais caro do mundo chama-se The Birds of America (Os Pássaros da América), uma coletânea de ilustrações de pássaros feitas por John James Audubon (1785 - 1851), um naturalista do século XIX. Ele foi arrematado num leilão por 11,5 milhões de dólares.

A antiga biblioteca de Alexandria foi erguida por Ptolomeu I no século 3 a.C.. Ptolomeu era um dos generais de Alexandre, a quem coube a administração do recém-conquistado Egito. Calcula-se que ela tenha começado com apenas 200 manuscritos em papiro e que, em seu apogeu (século 2 a. C.), abrigou mais de 700.000 papiros.

A maior biblioteca do mundo atualmente é a biblioteca do Congresso dos Estados Unidos, com mais de 144 milhões de itens diferentes, disponíveis em cerca de 470 idiomas. Acredite se quiser, mas ela possui “só” 32 milhões de livros catalogados.

Na Idade Média, os livros eram produzidos por monges copistas que, como o própria nome indica, copiavam os manuscritos página por página. Detalhe curioso: muitos monges copistas eram excelentes desenhistas, mas analfabetos.


A maior biblioteca do Brasil é a Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro, com mais de 9 milhões de itens.

O primeiro livro impresso foi a Bíblia de Johannes Gutenberg, em 1455.

O primeiro livro impresso em português foi o Pentateuco – reunião dos cinco primeiros livros da Bíblia -, em Algarve, Portugal, em 1487.

Bíblia é uma palavra de origem grega cujo significado é “rolo” ou “livros”. Ela vem de Biblos, provavelmente por cauda da cidade fenícia de Biblos, um importante centro produtor de rolos de papiros utilizados na produção de livros.

Foi São Jerônimo (Eusebius Hyeronimus) quem chamou pela primeira vez ao conjunto dos livros do Antigo Testamento e Novo Testamento de "Biblioteca Divina". Ele traduziu a Bíblia para o latim. Um detalhe interessante: São Jerônimo é o padroeiro dos bibliotecários e tradutores.

Acredita-se que a Bíblia tenha sido escrita ao longo de 1.600 anos por cerca de 40 homens das mais diversas profissões, origens culturais e classes sociais.

A Bíblia possuiu um total de 3.566.480 letras e 773.756 palavras. São 31.138 versículos e 1.189 capítulos.

A Bíblia foi traduzida para 1.134 línguas e dialetos. São vendidas 47 bíblias por minuto no mundo.

A mais volumosa Bíblia do mundo pesa 175 quilos e pertence ao Vaticano.

Miguel de Cervantes tinha 57 anos quando publicou a primeira parte de Dom Quixote.

O poeta português Fernando Pessoa tinha o hábito de escrever sob diversos pseudônimos, cada um com um estilo e uma biografia próprios. Ente os pseudônimos adotado estão Ricardo Reis, Alberto Caieiro e Álvaro de Campos.

O escritor mais traduzido do mundo é o inglês William Shakespeare. Sua obra foi traduzida para mais de 110 idiomas.

O autor brasileiro mais traduzido é Paulo Coelho. Ao todos, os livros de Coelho tiveram 1.077 traduções. Os outros autores mais traduzidos são, por ordem: José Saramago, Jorge Amado, Fernando Pessoa, Eça de Queirós, José Mauro de Vasconcelos e Clarice Lispector.

Jorge Amado é um dos escritores brasileiros mais traduzidos no mundo. No total, Teve suas obras traduzidas 420 vezes. É também um cujo obra recebeu mais adaptações. Terras do Sem-fim, Tieta do Agreste e Gabriela, por exemplo, viraram novelas transmitidas em horário nobre.


Aldous Huxley, autor do clássico Admirável Mundo Novo, narrou suas experiências com alucinógenos num livro chamado As Portas da Percepção. Aliás, você sabia que o nome do grupo de rock The Doors foi inspirado no livro As Portas da Percepção?

Também foram as drogas (em especial o ópio e haxixe) que inspiraram o poeta Charles Baudelaire a escrever Os Paraísos Artificiais, uma reflexão sobre o uso de substâncias alucinógenas. 

Baudelaire e Huxley não foram os únicos nem os últimos a passar as experiências com drogas para o papel. O escritor Paulo Mendes Campos certa vez escreveu um relato sobre experiências com alucinógenos que foi extremamente elogiado pela crítica. Para escrever sobre o assunto, o escritor brasileiro experimentou LSD sob a supervisão médica de um amigo. Seus pontos de vista e observações estão no ensaio Experiências com LSD, publicado pela primeira vez no começo dos anos 1960.

No início da carreira, o escritor George Bernard Shaw teve que ser sustentado pela mãe por que não conseguia vender seus livros.

O primeiro volume de Em Busca do Tempo Perdido, de Marcel Proust, foi publicado às custas do próprio autor, uma vez que havia sido recusado por diversas editoras.

O poeta Carlos Drummond de Andrade publicou o seu primeiro livro, com tiragem de 500 exemplares, com o dinheiro do próprio bolso.

Foi com suas últimas economias que o escritor colombiano Gabriel Garcia Márquez publicou sua obra-prima Cem Anos de Solidão. A primeira tiragem de oito mil exemplares se esgotou em 15 dias.

O poeta chileno Pablo Neruda só conseguiu publicar seu primeiro livro, Crepusculário, depois de vender todos os seus bens para financiá-lo.

Dom Quixote, obra-prima do espanhol Miguel de Cervantes, obteve um sucesso tão grande na época da sua publicação que um anônimo escreveu uma segunda parte do romance.

O romance Os Tambores de São Luís, do brasileiro Josué Montello, possui nada mais, nada menos que 400 personagens.

O escritor Georges Simenon publicou em toda a vida 425 livros. Dizem que Simenon chegou ao ponto de escrever um livro por dia. Destes, 84 são com o personagem Inspetor Maigret.

O escritor brasileiro Ryoki Inoue publicou mais de 1.100 obras usando 39 pseudônimos. Um recorde digno do Guiness Book! Inoue chegava a escrever um capítulo inteiro de um livro durante uma ida ao banheiro.

O Dia Nacional do Livro é comemorado em 29 de outubro. O Dia do Livro Infantil é lembrado em 18 de abril (aniversário de Monteiro Lobato).


Fonte: http://maisquecuriosidade.blogspot.com.br

E ai?? O que acharam? Comentem!!!

Xero!!!!

Selinho: The Versatile Blog Award :)

Olá galera linda!!! Tudo bem com vocês???
Hoje eu trago um selinho super bonito por sinal que recebi com muito carinho da querida Sammy do blog Retalhos Assimétricos. Muito obrigada flor pelo carinho e lembrança... Fiquei muito feliz, pois adoro receber selinhos e fico contente por saber que sou lembrada isso é maravilhoso!


Vamos as regrinhas???

1-Agradecer a pessoa que te indicou e colocar o link do blog dela;
2-Indicar 10 blogs com menos de 200 seguidores; 
3-Avisar os blogs sobre a indicação;
4-Escrever 7 coisas que você gosta.

Bom escrever 7 coisas que gosto as vezes pode ser uma missão praticamente impossível, mas vou tentar listar rs.

1-Minha filha (ela é o meu amor :P)
2-A leitura (como não se é um vício)
3-Escrever (adoro, outra paixão rs)
4-Séries 
5-Cinema
6-Músicas
7-Dormir (Tenho insônia, por isso quando o sono vem, quero aproveitar o máximo)

Vamos aos blogs indicados:
Consegui indicar 6 blogs.


Xero meus lindos e lindas!!!!!