Resenha #418 - O Espelho Secreto - M.J Putney



Título: O Espelho Secreto
Autor(a): M.J. Putney
Editora: Bertrand Brasil
Páginas: 308
Nota: 3/5 


Olá, tudo bem com vocês?

Quando vi este livro, foi amor à primeira vista por esta capa, e fiquei bastante curiosa pela sinopse. Ele não foi um lançamento muito divulgado, tem poucas resenhas por ai, e eu comprei sem me informar muito sobre ele.

O livro é ambientado na Inglaterra do inicio do século 18. Nesta década, a magia ainda era usada pelos magos e magas sem a necessidade de ser escondida. Porém não era aceita pelos aristocratas da alta sociedade. Caso o filho de um destes poderosos descobrisse que tinha magia dentro de si, além de ser uma grande vergonha para a família, eles eram mandados para Abadia de Lackland, um reformatório que promete tirar a magia de seus alunos, e os devolverem "sadios" à sua família.

Tory é a filha mais nova do Conde de Fairmount, e com dezesseis anos, descobriu recentemente que conseguia flutuar. Sua mãe a pegou no flagra, e desesperada fez Tory jurar que jamais iria mostrar seu poder em público, pois seu pai a mandaria para Lackland. 
O prazer desapareceu instantaneamente. A prática da magia era vulgar. Até mesmo desonrosa. Famílias nobres como a de Tory descendiam de reis e guerreiros. Magos geralmente não passavam de comerciantes, como ferreiros e costureiras. Um membro da família Mansfield preferiria morrer de fome a entrar para o comércio.
Mas Tory acaba sendo forçada a mostrar seu poder para salvar uma vida, comprometendo à sua vida, ao reformatório, com previsão de enclausuramento em média aproximada de cinco anos.

Chegando no colégio, Tory se depara com um ambiente horrível, com professores rígidos e até mesmo violentos, mas também existem pessoas boas dentro daquele lugar.
- Uma aluna nova - disse asperadamente. - Dê graças a Deus, menina, que você pôde vir para esta excelente escola e ter o mal eliminado de sua alma imunda!
Até que um certo dia, Tory sente a necessidade de se levantar de madrugada por uma força que nem ela consegue entender, e acaba indo parar no subterrâneo da escola, e lá existem professores e alunos reunidos... praticando magia.

Tory descobre que só encontram aquele lugar, pessoas que tem muita magia dentro de si, e ali eles se reúnem porque estão unindo forças, pois a França junto com o líder Napoleão Bonaparte estão prontos para declarar guerra contra Inglaterra. E Tory, mais uma vez coloca seu altruísmo na frente de tudo e adere a causa. Aliás a protagonista desse livro é muito boa.
A Grã-Bretanha e a França têm sido inimigas há séculos e, agora, somos inimigos mais ardentes de Napoleão.
Porém um dia, eles são descobertos e precisam correr para não serem pegos, pois se não, serão obrigados a sempre ficarem presos em seus quartos à noite e não poderão mais praticar magia. Tory desesperada, quase sendo detida, se depara com um espelho e ao tocá-lo, sua vida muda completamente.

E nesse momento eu amei esse livro...

Ocorreu um plot twist super interessante. Tory acaba indo parar na Inglaterra da década de 40, novamente cercada pela guerra, só que desta vez quem está atacando é Hitler, Tory obtém algumas informações e volta para sua era, porém não demora a ter que voltar com reforços para ajudar um futuro em caos.

E ai o livro ficou insuportavelmente chato...

Eu não considero falar sobre à ida de Tory ao futuro ser um spoiller, pois por mais que isso não tenha sido dito na sinopse é só observar bem a capa que percebemos que o livro retrata viagens no tempo. Eu adorei essa mescla que a autora fez, colocando um pouco da história da Inglaterra no livro, mas quando eu fiquei super empolgada, o livro ficou super maçante, e eu acabei ficando muito decepcionada. 

Faltando umas cinquenta páginas para acabar, eu quase desisti da leitura, mas ao mesmo tempo faltava tão pouco que acabei a arrastando, e até deu uma melhorada nos últimos capítulos, como até metade do livro eu gostei, dei três estrelas, mas definitivamente não terei paciência para ler os próximos. 

Em relação à diagramação a capa como podem ver é maravilhosa, por dentro o livro é bem simples. Os capítulos são curtos, as folhas são amareladas e não notei nenhum erro de revisão.



Espero que gostem e até a próxima.
Você parece frágil como uma pétala de uma flor, mas é forte, tão forte. Como uma lâmina de aço temperado.

Suas Escrituras - Confissões - Diana Canaverde

Olá pessoas, tudo bem?

Hoje eu venho com mais um texto escrito por mim. Este eu comecei a escrever mais precisamente em 31/12/2017. Foi um dia em que eu me senti inspirada por muitos fatores que aconteceram na minha vida. 

Depois eu tive uma semana carregada de sonhos bons, mas se tratando de uma mesma pessoa e os mesmos acontecimentos. Era uma coisa ou outra que tinha de diferente, mas coisas mínimas, de resto era igual. 

Depois que eu li a primeira parte do texto e juntei com o meu sonho deu então esta carta chamada "Confissões". Espero que curtam, porque as vezes eu não acredito que eu consegui escrever algo assim tão profundo, e fico pensando se realmente senti ou ainda sinto isso. Será?

Imagem retirada do Google.

Confissões
por Diana Canaverde.

Oi... talvez esta seja a primeira e a última coisa que escrevo a ti.
Não sei porque decidi, mas tantas coisas aconteceram nos últimos meses, e eu fui de um turbilhão de sentimentos ao ponto de transbordar, e escutar músicas que, pudessem abafar tudo isso que venho sentindo. 

Eu jamais vou conseguir entender você... as vezes você me distrai e me faz perder o foco... outras vezes eu nem lembro de você e só sei que existe quando te vejo... ou leio e vejo seu status.

Sua inquietude me causa pensamentos estranhos que eu não compreendo, mas que me perturbam.Você é um mistério e uma incógnita pra mim na maioria do tempo. E as vezes acho que você tem uma dupla personalidade. Em alguns momentos tenho medo de olhar te olhar... As vezes quero te desafiar... As vezes quero saber o que pensa e outras vezes nem quero saber de você.

Tu tem o melhor sorriso do mundo. Mas, não gosto de suas pernas. Não me pergunte o porque não gosto. Sou dessas doidas, já deveria saber ou não. 

Tem dias que sinto que se eu pudesse te abraçar com mais frequência, eu poderia me perder neles e não iria querer largar nunca mais. Outras vezes não queria te ver só para não ter que te olhar sem querer ou até mesmo querendo.

Sinto algo inexplicável por você. Algo que eu ainda não compreendo a dimensão do que é. Algo que ao mesmo tempo que é bom sentir, outras vezes não é. Mas como disse uma vez, isso passa. Claro que passa. Sentimentos solitários tem a tendência de ir da mesma forma que veio, mas eu não sei se é bem assim, acho que ouvi ou li esta frase por ai. 

As vezes paro para te observar e o sinto meio superficial. Como se fosse um papel velho que amassamos e jogamos no lixo. Outras vezes, vejo tanta sinceridade no seu olhar, que quase dá vontade de te apertar inteiro.

Já te vi, mas não te enxerguei. Outras vezes você falou sem movimentar os lábios. E falando neles, que linhas perfeitas. Dá vontade de desenhar com as sombras dos meus dedos e depois experimentar a textura deles, com meus lábios, tenho a sensação de um ótimo encaixe. 

Sonhei com você... foi um sonho tão vívido que pareceu palpável ao toque das mãos. E foi por dias seguidos. Talvez tenha sido este sonho que me revelou algo que meu inconsciente me negava em acreditar. 

Quanto tempo faz que não sinto isso por alguém? Quanto tempo faz que não sinto falta de sentir... e quando as coisas resolvem vir, vem em forma de avalanche sem me dar tempo de respirar. Eu não me sinto triste por sentir isso por você, esse sentimento que as vezes toma conta de mim, que talvez eu nem saiba mais disfarçar diante de ti. Bom isso já é contigo, me diz você.

Eu me sinto triste por sentir sozinha. Não sei se você tem o mesmo sentimento. Você tem um sorriso lindo. As vezes acho que tu consegue me enxergar por dentro, até melhor que eu. E  outras vezes, você não me vê e passa reto. Temos isso em comum de mudanças de humor, eu vi semelhança, mas posso estar enganada. 

Também não venho pedir um relacionamento duradouro, até porque neste momento, eu só queria saber como é estar  com você... não penso no futuro, porque eu te quero é agora. Mesmo com o meu estômago borbulhando de borboletas frenéticas, que causam um frio tremendo. Eu chego a tremer, só de pensar em falar isso tudo em voz alta e olhando pra você. Eu não consigo, meu jeito de falar é escrevendo. Mas consigo ousar em algumas atitudes se for necessário. 

Sonhar por longos dias contigo e no mesmo sonho foi estranho e incrível. Poderia ser real. Não iria ser nada ruim. De repente estou eu ali sentada esperando a galera terminar de almoçar. Estávamos todos juntos em um passeio - ainda hoje não sei para onde iríamos -, mas eu estava sentada em um banco, ai de repente uma bicicleta para na minha frente e ouço o doce som da sua voz. cara sério, a sua voz é incrível. Me perco nela totalmente.  Enfim você questionava o que eu fazia ali sozinha. Eu apenas o olhava meio tímida e perdida no som de Legião Urbana (minha música favorita Quase sem querer) e falava que estava esperando todos terminarem de lanchar. Então você descia da bicicleta, sentava ao meu lado, olhava pra mim tão intensamente e pegava na minha mão - gelei nesta hora lindamente - e disse que esperaria comigo. Eu te olhei. E você sorriu levantando uma sobrancelha. Eu ri e desviei olhar. Não queria acreditar que você estava ali segurando a minha mão e me olhando.

Eu fiquei sem jeito claro, daí você me puxou e me levou para um canto que tinha uma vista bem bonita do por do sol, sentamos em uma escadaria que tinha, com algumas flores do lado - eu amo flores - então você disse que eu não precisava me esconder, porque você conseguia me ver. Com os gestos. Com o olhar principalmente. Disse que meu olhar me entregou desde a primeira vez em que nos conhecemos e que não sabia o que fazer quando estava perto de mim. 

Eu quase pulei, porque eu não acreditava que ouvia aquilo. Cara eu queria muito ouvir tudo aquilo. Foi então que eu virei o rosto pra te olhar e você me deu um selinho. Senti seus lábios nos meus de forma breve, mas intensa. Eu quase desmaiei e a minha reação foi te beijar de volta. E não foi um beijinho simples, eu me entreguei ao que eu sentia por tanto tempo, neste beijo e você retribuiu e foi perfeito. Depois passei um bom tempo abraçada em você, vendo o fim do por do sol. Pode parecer um sonho bobo, mas foi algo que eu sempre vou desejar que vire realidade um dia. Nunca se sabe. 

Então é isso. Agora você já sabe o que se passa dentro de mim com relação a você. Sabe que não quero me prender e sim viver o momento, até porque não sabemos o dia de amanhã, então devemos sempre aproveitar o hoje. 

Por esse motivo resolvi extravasar meu temores, amores e rancores. Resolvi dizer em forma de texto esta confissão sobre o que penso e não penso. Eu só queria que soubesse, eu precisava que soubesse de todo este sentimento que vibra em cada parte do meu corpo. Até porque no fim, é apenas uma declaração, não revelarei quem eu sou, mas se você já me conhece pelo menos um pouco, pode desconfiar. Você é alguém que está no meu dia a dia. Alguém que poderia ser meu amigo ou se já é... alguém que poderia ser um pouco mais... só que entre ser, estar ou querer... há um longo caminho. Eu gosto dos momentos em  que rimos de coisas bobas. Das nossas raras conversas. Das nossas trocas de olhares, porque já nos entendemos bem, eu sinto que sim. Acho que você também. 

Então vou vivendo e caminhando. Se a gente se desencontrar e for pra ser, daqui há 5 ou 10 anos a gente se reencontra e quem sabe será o nosso momento. Ou pelo menos pra relembrarmos o quanto foi bom estamos perto um do outro. 

Você sempre estará no meu coração. Presente na minha vida, ainda que a distância fique entre nós. Mas os meus pensamentos estarão com você e espero que não me esqueça assim como eu não vou te esquecer. Acho que este encontro na vida um do outro não foi um simples acaso. Já estava escrito. E se não pode ficar agora, eu sei que em algum momento poderá. Te amo hoje e sempre.💜

Bom pessoas, foi isso. Eu amei esta carta. Eu senti cada linha que escrevi, fazer o quê, sou um ser humano intenso e me envolvo aos sentimentos. Um dia, irei viver uma história, ou não. Só quem sabe é Deus. 

Se você tem um texto, poesia, frases inspiradoras de sua autoria e queira dividir com o blog e os demais leitores, podem me enviar um e-mail, que irei postar com os devidos créditos. E-mail: diana.canaverde30@gmail.com. Assunto: Suas Escrituras.


Abandonei sem dó #5 - 1977: Enfield - Guy Lion Playfair


Olá tudo bem com vocês?

Hoje trarei o meu primeiro Abandonei sem dó, do ano. Sim, o ano mal começou e já me deparei com um livro que não desceu muito bem. E como já havia decidido, se a leitura não flui, não vou ficar insistindo em uma leitura que além de não me agradar, e vai fazer com que eu me atrase nas minhas leituras e resenhas.

Essa Tag é original do blog Leitora Encantada, administrado pela Mi, e recomendo a visita lá, pois o blog dela é lindo ❤



** Do que se trata a história?

O livro retrata uma das experiências vividas na carreira do Guy Lion Playfair, que é pesquisador de atividades psíquicas, ou seja, este livro é baseado em fatos reais e retrata a história de uma família que em 1977 na cidade de Enfield - Londres, começa a receber ataques paranormais em sua casa. Cadeiras são derrubadas, camas arrastadas, brinquedos lançados contra os moradores, barulhos de madrugada e por ai vai. O Guy é extremamente experiente no assunto, e já auxilou em diversos casos de manifestações espirituais, inclusive aqui no Brasil.

** Em qual página parou?

Na 60.

** O que achou do personagem principal?

Como o livro é um retrato do que o autor vivenciou, não tenho uma opinião formada sobre o personagem.

** Por que resolveu abandonar o livro?

Porque ele é maçante, isso aliás é algo que na nota do autor já é avisado antes de iniciarmos a leitura. Ou seja, o próprio autor já me desmotivou rs. Até a página onde eu li, os relatos permaneciam iguais, que eram resumidamente, os móveis saindo do lugar sozinhos, e coisas lançados no ar. A leitura foi ficando arrastada, e para me prender em uma leitura, preciso que tenha agitação na história coisa que neste livro não tem.

Lembrando que não é porque o livro não flui comigo, que não deixo de indicar a leitura. Pode ser que você tenha uma percepção totalmente diferente da minha.

Beijos e até a próxima.

Resenha #417 - Na Escuridão da Floresta - Eliza Wass


Título: Na Escuridão da Floresta
Autor(a): Eliza Wass
Editora: Verus
Páginas: 210
Nota: 4/5
Protejo minha mente e meu coração, porque é preciso ter cuidado com o que se aprende; é preciso ter cuidado com quem se deixa entrar. Algumas pessoas podem ser bonitas ou falar bonito, mas é o que elas fazem que nos indica se merecem ou não o nosso tempo. É o que elas fazem que nos indica se merecem nossa fé.
Olá pessoas, tudo bem?

Hoje trago para vocês a resenha deste livro que foi intenso e denso ao mesmo tempo. Ele não foi de terror, mas teve seu grau de horror. É a minha primeira experiência com o livro da Eliza Wass, publicado aqui no Brasil pela Verus Editora.

Castella Cresswell sabe exatamente o que é ser diferente. Ela e seus irmãos são considerados estranhos pela escola e pela cidade em que moram, na verdade que frequentam. O mundo deles se resume à casa onde moram na escuridão da floresta. Eles vivem estritamente em obedecer as leis de Deus que são emitidas pelo seu pai. Um homem que demonstra uma fé inabalável. Onde ele diz que eles são as únicas pessoas puras da terra e que vão se casar uns com os outros em uma cerimônia divina, para que suas almas não sejam consumidas pelo pecado.
Eu odiava a nossa casa mais do que qualquer outro lugar na terra. Cada corredor, cada quina, cada cantinho trazia uma lembrança. Se eu ficasse olhando por muito tempo para qualquer ponto da casa, corria o risco de me afundar nele e me afogar em uma recordação até emergir gritando.
Eles vivem em completo isolamento. Na escola, almoçam todos os dias juntos. Eles são encarados como esquisitos e vivem com hematomas no corpo de uma forma inexplicada. 

Mas Castley se vê obrigada a fazer dupla com um menino na aula de teatro: George Gray. Ai ela começa a ver as coisas de uma maneira diferente e que talvez a vida que ela levava a risca, não precisava ser assim. 

Ela acredita que pode ter uma vida como uma adolescente normal e quando começa a colocar seus planos em prática, descobre o que seu pai planeja para eles e ela se recusa a tentar fugir e deixar seus irmãos para trás. Quando ele anuncia que em breve todos voltarão para casa no paraíso, Castley congela e corre contra o tempo para se livrar das loucuras impostas por seu pai e salvar seus irmãos desse fim tão próximo.
O Túmulo era uma caverna embaixo de um anfiteatro de pedra no bosque. Era uma espécie  de esgoto e tinha sido construído para drenar o excesso de água da chuva  e neve, mas, de acordo com papai, havia sido posto por Deus como um lugar de reflexão. Geralmente, essa reflexão era forçada.
Castley esteve na escuridão da floresta por muito tempo com seus irmãos, será que o valor familiar em que acreditou todo este tempo, será capaz de criar uma barreira e impedi-la de fazer algo? Ou será que seu instinto de sobrevivência e salvação de seus irmãos falará mais alto?

Confesso que fiquei presa durante toda a história. Li em poucos dias. Eu gostei da história, só esperava um pouco mais, para que o final fosse mais desenvolvido, mas foi satisfatório. 

Como o livro é narrado em primeira pessoa, sob o ponto de vista de Castley, dá para você entrar na mente da garota e perceber seus medos e angústias. Viver toda uma vida, seguindo as regras do seu pai acreditando que eles eram as únicas pessoas puras e que teria que casar entre seus irmãos, para se manterem puros é muito complicado, afinal de contas, você fica pensando, será que é isso mesmo?

Eliza trouxe um pai que se diz religioso e que segue todos os preceitos de Deus, mas você descobre um homem fanático e que levar a religião ao pé da letra, até o segundo round, porque as coisas que li aqui, não mostra que ele segue exatamente isso, a contar, pelas coisas que ele fala para seus filhos e que os obrigam a fazer. 

Não senti que se falou de uma religião específica e nem se tratou de uma discussão religiosa, mas sim, fala-se de um homem fanático  que sujeita a sua família em suas crenças loucas e os obrigam a fazer coisas que aos nossos olhos são loucuras, mas para eles que viveram durante anos esse tipo de ensinamento, era costume. 

Castley era uma menina muito questionadora. Depois que começou a ir para a escola, descobriu algumas coisas que seu pai disse, que não era exatamente tudo aquilo e começou a querer ter uma vida diferente, a sonhar com algo diferente e tudo mudou, quando ela conheceu George Gray, um menino falante, que gostava de viver e enxergava a vida de uma maneira simples e parecia aceitar Castley do jeito que ela era. 

Então ela começou a desejar coisas, saber como seria um beijo, um toque. Como seria ter amizades além da convivência com seus irmãos. Queria saber o que era vestir uma roupa diferente daqueles trapos que vestia e tudo mais. 

Pode parecer bobo esse tipo de coisa, mas na idade dela e da forma que ela fora criada, era normal ter esses desejos e querer uma liberdade para viver do jeito que achasse melhor. 

Então isso ficou bem nítido em toda a história e eu me vi presa, querendo saber quais seriam seus planos e suas descobertas. Viver preso não é bom para ninguém, a não ser que seja da escolha da pessoa e quando ela tiver plena consciência, caso contrário, crescer preso, pode ser desastroso, quando você começa a conhecer uma vida que não imaginava que existia e querer se perder para experimentar tudo de uma vez.

Eu fiquei chocada com as ideias do pai de Castley. Queria saber o que se passava realmente na mente doentia dele. Sujeitar os filhos neste tipo de crença maluca e querer promover o casamento entre eles porque seriam as únicas pessoas puras da face da terra. Fora que eles eram motivos de risadas de todos, mas ao mesmo tempo eram objetos de curiosidade. É cada uma que vemos nessa vida tanto real como na ficção.


A diagramação do livro é simples, como a maioria dos livros da editora. As folhas são um poucos grossas, mas não pesam em nada. As folhas também são amareladas com uma fonte de tamanho médio e de total fácil entendimento. A capa é condizente com a história. Encontrei alguns errinhos de revisão, mas nada que atrapalhe ou incomode demais a leitura.

Para quem curte uma história um pouco densa e com sua pitada de horror, recomendo demais a leitura de Na Escuridão da Floresta. 
Horas devem ter passado, mas eu não me sentia presa. Só um medo crescente, o Grande Desconhecido concentrado. Ele estava vindo. O que iríamos fazer quando chegasse? O que ele iria fazer? E se não conseguíssemos escapar? E se fosse tarde demais? Como seria o fim? Como seria morrer?
Digam-me se já leram este livro ou se pretendem ler. Um xero!

Abandonei sem dó #4 - Antes de Dormir


Olá pessoas, tudo bem??

De volta com esta tag que mexe com meus sentimentos, mas que resolvi não perder mais tempo com leituras que não fazem mais tão sentido pra mim. Esta tag foi criada pela Mi do blog Leitora Encantada.



**Do que se trata a história?

Vou colocar a sinopse, porque já faz um tempinho que parei e eu não consigo explicar direito. (Sorry)
Christine acorda numa cama estranha, ao lado de um homem com uma grossa aliança no dedo. Sua primeira reação é imaginar que na balada tenha se envolvido com um homem casado. Enquanto tenta se lembrar com esforço da noite anterior, entre pudores de ser descoberta pela esposa traída, ela finalmente se olha no espelho. E não reconhece o reflexo. Pelo menos vinte anos mais velho do que esperava encontrar. 
É então que o homem lhe revela algo perturbador: todos os dias, suas memórias desaparecem todas as vezes que ela dorme. O estranho, seu marido Ben, é obrigado a recontar a vida deles todas as manhãs. Encorajada por seu médico, ela começa um diário para ajudá-la a recompor as memórias dia após dia. Certa manhã, ela o abre e se depara com quatro assustadoras palavras: “Não confie em Ben”. E ela passa a se perguntar... Que acidente a fez ficar assim? Em quem ela pode confiar?
**Em qual página você parou?

Parei na página 190.

**O que achou da personagem principal?

Christine é uma mulher que infelizmente teve sequelas depois de seu acidente, então ela não consegue reter a sua memória as últimas lembranças e isso a deixa muito confusa e sem saber em quem confiar. Durante as páginas que li, ela se mostrou uma mulher frágil, mas muito esperta. Embora ela tenha esta perca de memória, ela tenta se lembrar do que aconteceu e de seu marido, porque para ela não faz sentido nenhum estar casada.

**Por que resolveu abandonar o livro?

Ah, inicialmente eu estava gostando muito, mas depois a história ficou muito arrastada. Eu achei muito chato que a personagem ficasse tentando se lembrar das coisas e isso chegou a me irritar. Tudo bem, é compreensível, mas estava se tornando repetitivo e ela estava muito chata com as questões. Eu fiquei o tempo todo esperando uma ação e não rolava, estava muito parado, então vou ficar mesmo só com o filme pra ver se compensa o tempo que perdi tentando ler. Infelizmente não rolou.

E vocês, já tiveram alguma desistência este ano???

Um xero! 

Resenha #416 - Dilacerada - Helô Delgado

Cedido em parceria com a autora

Título: Dilacerada
Autor(a): Helô Delgada
Editora: Coerência
Páginas: 254
Nota: 5/5 Favorito


Olá, tudo bem com vocês?

Na semana passada, anunciei aqui no blog a parceria com a autora Helô Delgado, para leitura do livro Dilacerada, e hoje passarei as minhas impressões sobre a obra.

Quando eu me propus a fazer a parceria, fui motivada pelo conto que havia lido da autora no livro Arquivos do Mal, mesmo sabendo que o gênero deste livro seria totalmente diferente do que já havia lido da autora, como também, bem diferente do gênero que estou habituada a ler. Mas eu sabia que independente da leitura que faria, eu poderia confiar na escrita da autora e (modéstia à parte)... eu acertei em cheio.

Em Dilacerada, somos apresentados à Vivian, e conhecemos sua história dentro de uma sala de terapia. Ela é uma mulher que tem lembranças trágicas em sua vida, e procura o auxilio de uma psicóloga, para tentar superar os traumas do passado.

Vivian cresceu em um ambiente hostil, sua mãe; Karina, é extremamente severa, e Vivian com seus quinze anos era obrigada a ficar em casa o tempo todo, se ocupando de todas os afazeres domésticos e de cuidar de sua irmã mais nova de onze de idade que tem Síndrome de Down, a fofíssima Val. As duas sequer podiam sair de casa para ir à escola, sendo assim, eram ensinadas em casa por uma vizinha.

Quando Karina chegava do trabalho, avaliava toda a casa para ver se tudo estava perfeitamente limpo e arrumado, em caso positivo, Vivian era autorizada a ficar por trinta minutos no quintal, em caso negativo, era castigada. 

Karina é uma mulher extremamente amarga e controladora, ela tem alguns motivos para ser assim e até é possível compreendê-la. Mas, na maior parte do tempo é muito fácil odiá-la.
A voz dela não me enganava. Por mais que soasse doce e encantadora eu tinha plena consciência de que poderia estar carregada de veneno e maldade. 
E em um desses momentos de trinta minutos de liberdade, Vivian conheceu um jovem rapaz chamado Lucas, e rapidamente ambos se tornaram amigos, e consequentemente começaram um relacionamento escondido.
Enfim, a intensidade daqueles olhos azuis era absurda, do tipo que te faz querer mergulhar e ficar por lá sem querer voltar à vida real.
Tudo estava perfeito na medida do possível, até que Karina descobriu o namoro de Vivian e Lucas, deu uma surtada bem violenta, e depois resolveu de um dia para o outro viajar, a fim de espairecer junto com suas filhas. mas nessa viajem, a vida de Vivian mudou completamente.

A Vivian não teve somente momentos de tristeza no decorrer de sua estória, ela também foi feliz. Mas as fases tristes que ela passou a marcaram de uma maneira muito profunda, e ela precisou procurar dentro de si, forças para enfrentar os demônios do seu passado.

Será que ela conseguiu superar as dores que a dilaceraram? 
- E qual era esse sentimento?
- Na época, achei que era amor...
- Achou?
- Sou incapaz de amar.
Ao ler Dilacerada eu me desconectava do mundo ao redor e vivia aquela estória. Eu queria entender o porquê de tudo aquilo ter acontecido com a Vivian e como ela iria "nadar contra a maré", daquela fase tão difícil que não parecia ter fim, e acabei me deparando com situações e revelações surpreendentes no decorrer dessa história. Eu fiquei muito satisfeita com essa leitura, pois eu gostei mais dela do que imaginava que iria gostar. As cenas foram extremamente bem construídas. A Helô soube dar vida a todos os personagens. E é por toda essa montanha russa de sentimentos que esse livro me trouxe, que ele se tornou, com louvor, o meu primeiro favorito do ano.

O livro será lançado este ano pela Editora Coerência, e em relação à diagramação, gostaria de ressaltar o lindo trabalho realizado nessa capa, que tenho certeza que será mais lindo ainda em sua edição física, também não me deparei com nenhum erro de revisão.



Enfim eu recomendo muito essa leitura, e fico muito grata a autora por ter confiado em meu trabalho como resenhista para divulgação dessa obra.
Dizem que final feliz é quando tudo está certo e nada mais vai dar errado. O meu final feliz, não. Ele veio com um problema. E eu iria encará-lo de frente.
Espero que gostem e até a próxima.

Leituras de Janeiro!


Olá leitores, tudo bem???

Hoje venho falar das minhas leituras de Janeiro que foram proveitosas e eu tive experiências boas e não tão boas. Infelizmente já tive a minha primeira desistência de livros, mas isso é assunto para outra postagem. 


Eu gostei deste livro, achei Mia mais madura e mais decidida, consciente de seus pensamentos e seu corpo. Estou bem ansiosa por Agosto.


Eu gostei da história, mas esperava mais, pois achava que estava lendo um livro inteiro, mas no fim descobri que era um conto, mas a história é bem gostosa.


Bom eu amo esta capa e toda a diagramação do livro, porém eu não curti o final e me senti frustrada. A história ao todo me prendeu, mas nem tudo foi como eu esperava, e não esperava por um final feliz, porque diante de todos os acontecimentos nem dava, mas enfim.


Ahh que livro amor.. foi a leitura que mais gostei de janeiro, fiquei completamente apaixonada pela história e principalmente pelos personagens. 


Eu gostei deste livro bem mais do que eu esperava, a história me prendeu e eu fiquei angustiada com os acontecimentos. Precisa ter a mente aberta e não se prender ao pé da letra, para aproveitar a leitura. Logo logo teremos resenha dele. 

Essas foram as minhas leituras. No Mês de Fevereiro, terei 6 livros para TBR sem incluir os de parceria, então pode aumentar ou diminuir rs. Xero!